Diferenças entre edições de "Socialismo no Século XXI/Capítulo 1/Socialismo Utópico"

m
sem resumo de edição
m
==Socialismo Utópico==
[[Image:MarxEngels 4a.jpg|thumb|left|Estátuas de Marx & Engels]]
{{Quote2|''As primeiras tentativas do proletariado para impor diretamente seu próprio interesse de classe, levadas a cabo em tempos de efervescência geral, no período de colapso da sociedade feudal, fracassaram necessariamente em razão da forma embrionária do proletariado e da ausência das condições materiais para sua emancipação, condições que surgem apenas como produto da época burguesa. A literatura revolucionária que acompanhou esses primeiros movimentos do proletariado é, pelo conteúdo, necessariamente reacionária. Prega um ascetismo geral e um igualitarismo grosseiro''|Marx & Engels, ''in'' Manifesto do Partido Comunista}}
 
 
Os primeiros socialistas do século XIX foram chamados de [[w:Socialismo utópico|Socialistas Utópicos]] por Marx e Engels, criadores do Socialismo Científico. Foram assim classificados, por não apresentarem uma teorização do socialismo de forma viável à sociedade (em geral suas tentativas foram fracassadas). Além de tais medidas se delinearem como uma forma de '''amenização dos efeitos nocivos do capitalismo na sociedade''', o que Marx encara não como socialismo, mas como uma maneira de anuviar a luta de classes e o controlo de uma sobre outra; entretanto os marxistas não negam a importância desse grupo predecessor, para a consolidação da sua própria teoria comunista.
[[Image:Wikipedia utopia.jpg|thumb|Wikipedia:livre acesso ao somatório de todo o conhecimento humano. Utopia?]]
A inferência do caráter utópico aos socialistas advém da analogia com o conceito de vivência social apresentada por [[w:Tomas Morus|Tomas Morus]] em "[[w:Utopia|Utopia]]". Por vir do grego ''οὐ'', "não" e ''τόπος'', "lugar", traduz-se necessariamente como "lugar nenhum". Mesmo sendo ''impossível'', o termo imprime também um caráter de crítica e denúncia da sociedade vigente; ao se estabelecer a aspiração, a busca de um estado de perfeição social sempre imaginário. Uma forma de mostrar as imperfeições e ao fazê-lo, mostrar opções antagônicas que visem o bem-comum.
 
Os primeiros socialistas do século XIX foram chamados de Socialistas Utópicos por Marx e Engels, criadores do Socialismo Científico. Foram assim classificados, por não apresentarem uma teorização do socialismo de forma viável à sociedade (em geral suas tentativas foram fracassadas). Além de tais medidas se delinearem como uma forma de '''amenização dos efeitos nocivos do capitalismo na sociedade''', o que Marx encara não como socialismo, mas como uma maneira de anuviar a luta de classes e o controlo de uma sobre outra; entretanto os marxistas não negam a importância desse grupo predecessor, para a consolidação da sua própria teoria comunista.
 
Os principais socialistas utópicos são franceses, podem-se citar como principais exemplos: Saint-Simon (1760-1825), Fourier (1772-1837) e Proudhon (1809-1865). Na Inglaterra, a importância se resume basicamente a Robert Owen (1771-1858).
 
==Saint-Simon==
[[Image:Henri de Saint-simon portrait.jpg|thumb|220px|Pintura de Owen em 1845]]
'''[[w:Conde de Saint-Simon|Claude-Henri de Rouvroy, Conde de Saint-Simon]]''', foi
 
===Robert Owen===
[[Image:Portrait of Robert Owen (1771 - 1858) by John Cranch, 1845.jpg|thumb|220px|Pintura de Owen em 1845]]
'''[[w:Robert Owen|Robert Owen]]''' foi um rico industrial inglês, diferente dos empreendedores de sua época, foi capaz de promover várias mudanças, reduzindo a jornada de trabalho de seus empregados, construindo creches e enfermarias. Seguindo essa estratégia excêntrica para a época (por ser o único a tomar tais atitudes) sua empresa faliu, por falta de lucros expressivos.
 
Diante disso, eis que Owen conclui a base do socialismo: a propriedade individual impede a existência digna dos trabalhadores, devendo, portanto ser substituída por um sistema comum e solidário.
212

edições