Civilização Egípcia/O clima e o rio: diferenças entre revisões

m
sem resumo de edição
m (trocando <br> por 2 "ENTER")
mSem resumo de edição
 
[[Image:Nile.jpg|thumb|300px|right|rio Nilo entre Luxor e Assuã]]
Sendo o Egito cortado pelo rio Nilo no sentido sul-norte, observa-se observa a formação de duas regiões,: ''o Vale'', estreita faixa de terra cultivável, apertada entre desertos denominada ''Alto Egito''; e ''o Delta'', em forma de leque, com maior extensão de terras aráveis, pastos e pântanos, denominado ''Baixo Egito''.
 
A queda de chuvas no vale do Nilo é quase nula, portanto, se dependesse das chuvas, ali não poderia haver agricultura.
 
O rio que nutre o solo egípcio e permite as plantações e a vida foi determinante para seu desenvolvimento.
 
O rio Nilo é formado por três rios,: o ''Nilo Branco'', o ''Nilo Azul'' e o rio ''Atbara''. Considera-se que o rio Nilo tem origem no Lago Vitória no Grande Vale do Rift (África Oriental). De lá ele sai com o nome de Nilo Branco.
 
O Nilo Azul nasce na Etiópia e se encontra com o Nilo Branco em Cartum (capital do Sudão). Ao norte de Cartum ele recebe seu último grande afluente: o rio Atbara.
 
Assim ele segue atravessando a Núbia e o Egito. Nos tempos antigos havia sete bocas do rio no delta, desaguando no mar Mediterrâneo.
[[File:Egypt sat.png|thumb|200px|left|oO Nilo e seu delta terras férteis em meio ao deserto]]
Esse era o portentoso rio, que, para os povos que viviam às suas margens, era um verdadeiro deus, por eles chamado Hapi.
 
O rio enche e inunda as terras com as águas carregadas de aluviões e o sol se encarrega de secar o excesso para que a vegetação possa renascer luxuriante.
 
Por esse motivo, o vale do Nilo era chamado de ''terra negra'' ou ''kemet'',. oO oposto era o deserto, a ''terra vermelha'' ou ''deshret''.
[[File:Nilometro de Kom Ombo.jpg|thumb|180px|right|nilômetroNilômetro de Kom Ombo]]
 
Afinal os egípcios não precisavam pedir aos deuses pela chuva, o rio-deus proporcionava a água e o adubo necessários para as plantações e a terra negra era a alegria dos deuses e dos homens. Já, a terra vermelha deveria ser evitada, era o deserto com um vento abrasador que secava os campos e era consagrada ao deus Set. .
 
As terras fertilizadas pelas cheias do Nilo eram usadas para plantar, principalmente linho, cevada e trigo.
''
<center> '''O Egito é uma dádiva do Nilo'''.</center>
Se a cheia anual fosse muito grande, causava destruição. Se fosse muito baixa, alagaria pouca extensão de terras, pouca terra para semear é sinônimo de pouco alimento. Se por vários anos a cheia fosse baixa, havia fome.
 
Então, embora sendo de fato uma ''dádiva'', o Nilo não prescinde da mão do homem.
 
No momento em que os homens começam a dominar o rio, controlando a cheia anual, construindo diques, os ''nilômetros'' que serviam para medir o nível das cheias e reservatórios, pondo em prática o trabalho comum para o bem de todos, com a cooperação e a organização são lançadas as bases da grande civilização egípcia, o povo que construiu um império que dominou sua época e que até hoje desperta curiosidade e paixão.
 
O povo que construiu um império que dominou sua época e que até hoje desperta curiosidade e paixão.
 
{{AutoCat}}
51

edições