Logística/Gestão de armazéns/Recepção e expedição/Princípios da recepção e da expedição: diferenças entre revisões

correcao de texto
[edição não verificada][edição não verificada]
(correcao de texto)
(correcao de texto)
 
Os seguintes princípios servem como guia da actividade da recepção por forma a dar-lhe uma maior dinâmica. Estes pretendem simplificar o fluxo de material através da actividade de recepção e garantir que os requisitos são cumpridos através do mínimo de trabalho. Os princípios da recepção são ([[Logística/Referências#refbTOMPKINSC|Tompkins et al., 2003, p. 410-412]]):
# Não receber - Para alguns materiais, a melhor recepção acontece quando a mercadoria não chega a ser recebida. FazerAo fazer com que o [[w:Vendedor|vendedor]] faça o envio directo dos materiais para o [[w:Consumidor|cliente]], poupa tempo e trabalho laboral associados à recepção. Um exemplo disso são encomendas grandes e volumosas que ocupem muito espaço no armazém.
# Pré-recepção - Quando se está no [[w:Cais|cais]] de recepção, a actividade que ocupa mais tempo e mais espaço dá-se na recepção das mercadorias, pois existe a necessidade de manter o material para identificação do produto, designação do local de [[w:Armazenagem|armazenagem]], entre outros. Em alguns casos a informação sobre os materiais que estão a chegar pode ser enviada directamente do vendedor, na altura da [[w:expedição|expedição]], esta pode estar guardada num [[w:Smart card|smart card]] (Figura 1) que vem com a encomenda ou então através de mecanismos de [[w:Rádio frequência|rádio frequência]] (Figura 2) colocados ao longo do percurso.
# ''Cross-docking'' - ComoVisto que o objectivo da recepção é preparar o material mais rapidamente para ser expedido, a maneira mais rápida e produtiva será através do [[w:Cross-docking|''cross-docking'']]. A actividade mais simples de ''cross-docking'' é a ordenação de uma carga de mercadorias na sua totalidade e carregamento desta para uma ou mais transportadoras que estejam a partir. Às vezes a carga já vem ordenada, assim sendo o trabalho no armazém será menor. Por vezes as cargas de mais do que uma transportadora que chegachegam ao armazém devedevem ser juntadajuntadas para completar a capacidade de cargas que vão partir. Em outrosNoutros casos, o ''cross-docking'' envolve a adição de mercadorias numa transportadora que chega ao armazém com mercadorias que já se encontram no armazém.
# Arrumar directamente para locais de maior movimento ou de reserva - Quando o material não pode ser ''cross-docked'' pode-se poupar alguma movimentação de material, eliminando a paragem para recepção e colocando o material directamente em locais de [[w:Picking|''picking'']] ou de reserva, reabastecendo assimdeste modo os locais. Isto pode ser feito se não houver grandes restrições na rotação do produto, caso contrário os produtos devem ser colocados nas áreas de [[w:Armazenagem|armazenagem]]. Em sistemas de armazenagem directa, as actividades de preparação das mercadorias (ordenação) e de inspecção destas mesmas são eliminadas. Os veículos que executam actividades de descarga de mercadorias e armazenagem de produtos facilitam a actividade de colocação directa de produtos. As operações com elevados processos logísticos incluem nesses processos o uso da armazenagem directa de produtos muito automatizada. Juntamente com a pré-recepção, a pré-ordenação dos fornecedores irá ajudar a eliminar a necessidade da área de preparação da recepção de mercadorias.
# Ordenação em locais de armazenagem - Se o material tiver de ser ordenado para armazenagem pode-se proporcionar locais de armazenagem para receber o material, minimizando assim o espaço necessário para a ordenação. Muitas vezes os locais de armazenagem poderão estar bloqueados até que haja recepção confirmada da mercadoria, designando-se por locais de armazenagem ao vivo. LocaisUma deboa armazenagemopção comserá umo aproveitamento da área por cima das portas do cais serápara umo boafuncionamento opçãode locais de armazenagem.
# Cumprir todos os passos para desfazera abertura e movimentardescompactação asdas cargas e movimentação destas eficientemente aquando a recepção - O maior tempo disponível para preparar um produto para ser expedido irá acontecer durante a actividade de recepção, pois assim que a encomenda do produto seja recebida não existe muito mais tempo disponível para essa preparação antes de este ser expedido. O processamento das mercadorias deve ser sempre realizado com antecedência caso seja possível. Estas actividades incluem:
## Pré-embalagem nas quantidades com maior procura. Nos grande distribuidores de material de escritório, determinados tamanhos de paletes são construídas em antecipação dasde encomendas nessas quantidades. Os clientes são encorajados a comprar nessas quantidades através de descontos na quantidade.;
## Marcação correcta e colocação de etiquetas;
## Medição do volume e peso de mercadorias para o planeamento de armazenagem e transporte.
# Realização de armazenagens e retiradas de produtos do armazém sempre que seja possível - Ao realizar em conjunto as duas actividades, vai-se poder reduzir o número de viagens que os veículos industriais fazem vazios, esta técnica é especialmente usada para [[Palete|paletes]]. Um [[w:Veículo|veículo]] que pode realizar esta técnica será a [[w:Empilhadora|empilhadora]] (Figura 3) de contra-peso que executa descargas, armazenagens e carregamentos.
# Planear a utilização dos recursos na recepção - Este planeamento vai ter em conta as horas de maior actividade, executando a recepção de mercadorias a horas diferentes e fazendo as inspecções das mercadorias em períodos de menor actividade do armazém. Através da comunicação com os fornecedores as empresas melhoram o acesso a informações sobre o momento em que são expedidas as mercadorias. Podendo assim utilizar esses dados para coordenar o momento de recepção e para informar os seus próprios clientes sobre a expedição dos produtos requisitados.
# Minimizar ou eliminar os percursos a pé, movimentando os materiais através das estações de trabalho em vez dos trabalhadores - Um método eficaz para aumentar a produtividade da ''separação e preparação de pedidos'', principalmente quando se tem de realizar diversos processos nas mercadorias retiradas, tais como: embalar, contar e etiquetar, será a de colocarcolocação asdas [[w:Stock|existências]] no local de ''satisfação de pedidos''. queQue deverá estar equipado com a devida ajudaassistência e informação necessárias para realizar os processos atrás mencionados. O método referido deverá ser também utilizado na actividade de recepção pois implica a movimentação de cargas e em certos casos um manuseamento específico ([[Logística/Referências#refbTOMPKINSC|Tompkins et al., 2003, p.410-412]]).
 
Diversos princípios que são aplicados na actividade de [[w:Recepção (armazém)|recepção]] poderão ser utilizados na actividade de expedição embora estes sejam sempre no sentido inverso, entre os quais temos: carregamentos directos (inverso do descarregamento directo), preparação prévia da recepção de produtos (pré-recepção) e ordenação de produtos nos locais apropriados. Existem ainda alguns princípios que são tidos como de boa prática, que são: agrupamento e fixação segura de cargas, carregamento automatizado e a gestão de cais. Deste modo os princípios mencionados actuam como um guia da operação de expedição que lhe proporcionará uma maior dinâmica, pois pretende-se simplificar o fluxo de material para a expedição e assim assegurar de que satisfazendo as condições impostas se realiza o mínimo de trabalho. Os princípios da expedição são ([[Logística/Referências#refbTOMPKINSC|Tompkins et al., 2003, p. 412-413]]):
# Escolher unidades de movimentação com base na sua eficiência de [[w:Custo|custo]] e espaço:
## Para caixas soltas - O poder de optar entre agrupar [[w:Paletes|paletes]] de [[w:Madeira|madeira]] (Figura 4) (que têm como características serem retornáveis, rentáveis e [[w:Descartável|descartáveis]]), de [[w:Metal|metal]] (Figura 5 (que têm como características a durabilidade e capacidade de carga), de [[w:Plástico|plástico]] (Figura6), (que têm como características a durabilidade, limpeza e a cor), e paletes com possibilidade de serem empilhadas (que têm como características a poupança de espaço, mas não são duráveis nem suportam objectos pesados). Os factores a ter em conta quando se selecciona o tipo de caixa são: custo inicial, custos de manutenção, facilidade no manuseamento, impacto ambiental, durabilidade e por fim a qualidade oferecida na protecção do produto que contém;
## Para artigos soltos - algumasAlgumas das opções para agrupar artigos soltos são: tabuleiros empilháveis ou rebatíveis e caixas de cartão. Os factores a ter em conta quando se selecciona a opção mais correcta incluem o impacto ambiental, custo inicial, custo do ciclo de vida, limpeza e a qualidade oferecida na protecção do produto que contém.
# Minimização de danos ao produto.
## Agrupar e acondicionar artigos soltos em caixas ou tabuleiros, para além de existir uma carga unitária para facilitar o manuseamento de mercadorias, deve existir um meio para que o artigo seja acondicionado seguramente dentro da [[w:Unidade de carga|unidade de carga]]. Para os artigos soltos em caixas ou tabuleiros isso pode ser feito com [[w:Esferovite|esferovite]], [[w:Plásticos|plásticos]] com [[w:Bolha|bolhas]], jornal e almofadas de ar. Os factores de selecção serão: impacto ambiental, custo inicial, custo do ciclo de vida, [[w:Reutilizável|reutilizáveis]] e a qualidade oferecida na protecção do produto que contém;
## Agrupar e acondicionar as caixas soltas em paletes, embora o processo mais comum seja o de embrulhar as caixas na palete com tela de plástico expansível também podem ser usadas cintas de [[w:Velcro|velcro]] entre outros, sendo que estas têm o selo ambiental.
323

edições