Budismo/História do Budismo: diferenças entre revisões

Corrigi erro ortográfico.
[edição não verificada][edição não verificada]
(Complementei o texto.)
(Corrigi erro ortográfico.)
Sua primeira tentativa foi tornar-se discípulo de um guru, um mestre espiritual indiano. Porém, este caminho não o satisfez e ele procurou o caminho do ascetismo, junto com outros cinco companheiros. Sidarta ultrapassava em rigor a disciplina de seus colegas e comia apenas um grão de feijão por dia. Tornou-se tão magro que dizia poder tocar a espinha quando colocava a mão sobre o estômago. Ao fim de seis anos desse regime, Sidarta, um dia, perdeu os sentidos e somente se recobrou quando uma moça que passava se compadeceu dele e lhe deu um pouco de mingau para comer. Raciocinando, Sidarta concluiu que o ascetismo não estava lhe trazendo o esclarecimento espiritual que buscava e procurou outro caminho, o da meditação solitária. Seus companheiros de ascetismo não concordaram com ele e o abandonaram.
[[Image:Buddha 00014.JPG|center|200px|thumb|Representação birmanesa do rigor ascético de Buda.]]
Sidarta sentou-se debaixo de uma figueira-religiosa (''Ficus religiosa''), nos arredores da vila de Gaya, perto da cidade indiana de Benares e iniciou uma meditação que durou 49 dias. Segundo outro mito, teriam sido 7 dias e 7 noites. Após ter resistido a demônios e tentações, alcançou a iluminação espiritual, tornando-se um ''Buda'', ou literalmente, um Esclarecido, um Desperto, um Iluminado.
Passou mais 49 dias sob a árvore, meditando sobre a iluminação. Em seguida, procurou seus antigos cinco companheiros ascetas e proferiu-lhes seu primeiro discurso, que ficou conhecido na história do Budismo como o Discurso do Parque dos Cervos. Neste discurso, Buda enunciou as Quatro Nobres Verdades e o Caminho de Oito Passos.
Durante os quarenta e cinco anos seguintes, Buda percorreu a Índia pregando sua doutrina. Aos oitenta anos, em Kusinagara, veio a falecer, após comer uma comida estragada oferecida por um ferreiro de nome Cunda. Antes de morrer, deixou uma recomendação a seus discípulos: "Talvez alguns de vós estejam pensando:'As palavras do mestre pertencem ao passado, não temos mais mestre'. Mas não é assim que deveis ver as coisas. O ''dharma'' (lei) que vos dei deve ser o vosso mestre depois que eu partir". Após o falecimento de Buda, sua doutrina se firmou como mais uma dentre as inúmeras doutrinas religiosas do nordeste da Índia.
 
Sua grande expansão começou sob o impulso de Asoka, o famoso imperador indiano, que no século III a. C. se tornou o primeiro governante a unificar a Índia. Cansado das atrocidades da guerra, Asoka se converteu ao ensinamento de não- violência do Budismo e o tornou a religião oficial do Império Mauria. Com isto, o Budismo se propagou por grande parte da Ásia. Hoje, a bandeira da Índia apresenta o símbolo da Roda da Lei de Asoka em seu centro. E o brasão indiano é representado por um capitel de uma das inúmeras colunas com inscrições budistas que Asoka mandou construir em seu império.
[[Imagem:Flag of India.svg|center|250px|thumb|Bandeira da Índia, com a Roda da Lei de Asoka ao centro]]
[[Imagem:Emblem of India.svg|center|200px|thumb|Brasão da Índia]]
2 529

edições