Utilizador Discussão:Marcos Antônio Nunes de Moura/Arquivo4/Arquivo LQT 1: diferenças entre revisões

m
→‎Calculo I: Correção de afluentes dos capítulos do livro de lógica (\[\[([^\n]*): ([^\n]*)\]\] --> [ [$1/$2]]) e de typos; -hack obsoleto para forçar PNG
m (removendo afluentes da minha página de usuário antiga utilizando AWB)
m (→‎Calculo I: Correção de afluentes dos capítulos do livro de lógica (\[\[([^\n]*): ([^\n]*)\]\] --> [ [$1/$2]]) e de typos; -hack obsoleto para forçar PNG)
:Vou dizer um pouco sobre os motivos pelos quais comecei a editar o livro de cálculo, e sobre o curso de matemática...
: A um pouco mais de um mês, eu não conhecia o projeto wikibooks. Apenas a Wikipédia. Quando cheguei até aqui, fui logo ver o que tinha de bom na área de exatas... E vi que tinha alguns títulos que poderiam interessar a alunos de um curso de matemática. A primeira idéia que tive foi: "vou indicar alguns para meus colegas, pois acho que não conhecem este site".
:Um dos primeiros livros que cliquei foi o de [[Lógica: /Cálculo Proposicional Clássico|Cálculo Proposicional Clássico]], pois estava entre os melhores do wikilivros na ocasiao... e a partir dele cheguei a outros livros sobre matemática, particularmente o de [[Cálculo I|cálculo]]. Antes de indicar, resolvi dar uma lida em algumas páginas e li a seção de limites e continuidade. Aí percebi a ''grande diferença'' no perfil dos alunos de engenharia e matemática.
:Mesmo em uma disciplina como cálculo, alunos das duas áreas aprendem coisas totalmente diferentes. Por exemplo, apesar de ter notado que seus 3 livros já apresentam quase todos os tópicos que virão a ter (você tem trabalhado bastante nestes últimos dois anos, hein? Parabéns! {{=)}}), arriscaria dizer que o uso deles por alunos de matemática seria bastante reduzido. Digo isso por saber o que é trabalhado nestes cursos. A preocupação maior '''não é''' com ''o uso'' dos teoremas, a ''aplicação'' de regras práticas e coisas desse tipo. O que mais fazemos é aprender a ''demonstrar'' as propriedades e teoremas, ''argumentar'' como uma coisa é consequência de outra, entender que certas afirmações são equivalentes (no sentido de que A implica em B, e B implica em A), e assim vai... Acredito que o enfoque atual do livro não ajuda os alunos (de mat.) a entender ''esse tipo'' de coisa (embora seja isso que será cobrado deles), mas ajuda muito quem precisa aprender a usar as propriedades e teoremas existentes no cálculo (seja ou não aluno de mat.), para resolver problemas que se apresentam em situações práticas de suas áreas de estudo.
 
19 639

edições