A Cidade do Rio de Janeiro no Século XVII/A Cidade Desce o Morro: diferenças entre revisões

Corrigi informação.
[edição verificada][edição verificada]
(Corrigi erro.)
(Corrigi informação.)
[[File:ConventoSAntonio1.jpg|left|thumb|Convento de Santo Antônio]]
[[File:Nicolas-Antoine Taunay 02.jpg|right|thumb|Em pintura do século 19, monges franciscanos no morro de Santo Antônio. À direita, o morro do Castelo.]]
O morro da Conceição localiza-se próximo ao morro de São Bento. Seu nome vem de uma capela construída no alto do morro no final do século XVI e dedicada a Nossa Senhora da Conceição. No sopé do morro, formou-se o cais utilizado no desembarque dos escravos trazidos da África, na atual região da Pedra do Sal, no bairro da Saúde.
[[File:PanoramaRiodeJaneiroThomasEnder.jpg|left|thumb|Vista do Rio de Janeiro, a partir do Morro da Conceição, em pintura do século 19]]
 
[[File:The Slave market at Rio.jpg|right|thumb|Mercado de escravos no Rio de Janeiro, em pintura do século 19. Os escravos eram desembarcados, abrigados e vendidos nas imediações do morro da Conceição, na atual Zona Portuária.]]
No início do século, foi aberta a rua dos Pescadores, a atual rua Visconde de Inhaúma, no Centro. Os viajantes estrangeiros a consideravam "a pior rua do Rio de Janeiro".<ref>http://www.marcillio.com/rio/encerbes.html</ref> Ao longo do século, começaram as obras de canalização do rio Carioca para abastecer de água o Centro da cidade.
 
Em 1609, a atual lagoa Rodrigo de Freitas se chamava lagoa de Amorim Soares, mesmo nome do proprietário das terras ao redor da lagoa. A região era ocupada pela cultura da cana-de-açúcar, com mão de obra escrava. Nesse ano, as terras foram vendidas para Sebastião Fagundes Varela, que passou a ter a posse de toda a região desde o atual bairro do Humaitá até o bairro atual do Leblon. A lagoa, então, passou a se chamar lagoa do Fagundes.
[[File:1998 baia guanabara barra.jpg|left|thumb|Entrada da baía de Guanabara. Em primeiro plano, a fortaleza de Santa Cruz.]]
 
Em 1619, os frades da Ordem do Carmo foram autorizados a iniciar a construção de uma igreja no lugar de uma antiga ermida dedicada a Nossa Senhora do Ó à beira-mar. Para a construção, foram utilizadas pedras da ilha das Enxadas, na baía de Guanabara. Com o tempo, a cidade foi aterrando a região em frente à igreja, originando, assim, a atual praça 15 de Novembro.<ref>http://www.jblog.com.br/rioantigo.php</ref> Era nesse local que os os escravos africanos eram desembarcados, vindos de Angola.<ref>BUENO, E. ''Brasil: uma história''. 2ª edição. São Paulo. Ática. 2003. p. 115.</ref> Eles eram negociados logo adiante, na então rua Direita (a atual rua 1º de Março).<ref>''Guia do estudante''. Disponível em http://guiadoestudante.abril.com.br/aventuras-historia/saiba-tudo-cais-valongo-local-onde-entravam-africanos-escravos-brasil-seculo-xix-731373.shtml. Acesso em 24 de janeiro de 2014.</ref>
 
Em 1622, foi inaugurada a igreja de São Francisco Xavier do Engenho Velho, que daria origem ao bairro da Tijuca. Na época, o santo espanhol acabara de ser canonizado pelo papa Gregório XV.<ref>http://www.metrorio.com.br/estacao_saofranciscoxavier.htm</ref>
2 144

edições