História das Eleições no Brasil: diferenças entre revisões

== História ==
Em 1932 o voto se torna secreto, com a edição do Código Eleitoral, que vem sendo periodicamente revisado, e regulamenta todo o procedimento, desde o alistamento dos eleitores, até a contagem dos votos, a fiscalização e participação dos partidos, a propaganda e os crimes eleitorais. Da mesma data é a criação da Justiça Eleitoral, que implantada no governo de Vargas, o órgão máximo é o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que organiza, dirige e coordena as eleições.
[[Ficheiro:Título de eleitor de Getúlio Vargas|miniaturadaimagem|esquerda|Emitido em 18/01/1933 no. Rio de Janeiro]]
<gallery>
hist_eleicao_2.jpg
[[Ficheiro:Título de eleitor de Getúlio Vargas|miniaturadaimagem|esquerda|Emitido em 18/01/1933 no Rio de Janeiro]]
|Título de eleitor de Getúlio Vargas emitido em 18/01/1933 no Rio de Janeiro
</gallery>
<br />
A partir de 1950 se utiliza uma cédula única, para marcar ou escrever o nome ou número dos candidatos, depositadas em urnas manuais. Foi na década de 1980 que surgiu a ideia de conceber uma máquina de votar para ser utilizada nos pleitos eleitorais brasileiro. Uma ideia consolidada no ano de 1990 e implementada em 1991 com a construção da primeira urna eletrônica brasileira, e com o primeiro pleito oficial utilizando voto eletrônico no Brasil.
11

edições