Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação em Direitos Humanos (polo Santa Maria): diferenças entre revisões

ajuste de texto
(inserção de texto Polo Santa Maria)
 
(ajuste de texto)
 
Sobre Atividade a distância: PPP, Conselho de Escola. Práticas e Espaços Comunicacionais na Escola. Ambientes Comunicacionais, Meios de Comunicação e Cultura
 
O papel do educador hoje na atualidade da sociedade tecnológica é voltado para a construção de uma sociedade que tenha a inclusão social como prioridade. A inclusão social pressupõe a formação para a cidadania, pois as tecnologias devem ser utilizadas para a democratização dos processos sociais, para integrar a escola e a comunidade, levando que a educação mobilize a sociedade. Na minha escola os educadores utilizam ainda o data show, e, alguns ainda não sabem como ligá-lo. O laboratório de informática é pouco utilizado, alguns educadores do Ensino Médio são os que utilizam, enquanto que os educadores do Ensino Fundamental dos anos finais e Iniciais nem chegam perto, alegando de que as crianças não sabem fazer uso correto do computador. Mas, na verdade, essas educadoras não sabem utilizar tudo o que podem ser realizados com a tecnologia. Agora, vejo o comprometimento dos educadores do Ensino Médio, principalmente na disciplina do Seminário Integrado, a pesquisar os temas sugeridos, as apresentações dos trabalhos. A meu ver, é  assim que iniciamos a fomentar a pesquisa em nossos educandos, pois ao chegarem nas universidades precisarão dessas tecnologias, a pesquisa como ponto principal de um futuro profissional da educação ou outra profissão. Alguns educadores postam atividades, trabalhos a serem realizados na página do face da escola, a interação dos educandos com os educadores é algo fantástico, mas para  que aconteça as tecnologias os educadores precisam se  atualizarem com formação continuada, pois a tecnologia se modifica a cada dia, sempre se atualizando. Para que ocorra na minha escola o uso das TICs será preciso uma formação para todos os professores, pois vejo uma dificuldade muito grande em trabalhar com as mesmas, e, nós, coordenadores, estamos com dificuldades em realizar atividades referentes as TICs, precisaríamos de mais explicações para podermos realizar a atividade com clareza e sem dúvidas. Nas abas criadas no APP utilizamos yotube com vídeos, textos, coisas que fazemos em nossas aulas. O vídeo do PPPP foi de extrema importância para poder analisar e poder tirar sugestões para poder ajudar os professores, quem não gostaria de ter uma escola ideal? Cabe a nós, professores com a reconstrução do PPP da minha escola, podemos mudar, acrescentar, excluir, tudo é possível, desde que contemple os objetivos do PPP, do marco referencial. Gostei do momento dos sonhos, se podemos sonhar, vamos sonhar para que esse sonho torne-se realidade. Gosto muito da minha escola, dos alunos que ali estão inseridos, a comunidade é sempre bem vinda à escola. E, tudo que for possível fazer para melhorar para essa escola, para nossos alunos, colocarei em ação com a ajuda de outros professores, funcionários, estudantes, todos que estejam envolvidos na educação.
 
, textos, coisas que fazemos em nossas aulas. O vídeo do PPPP foi de extrema importância para poder analisar e poder tirar sugestões para poder ajudar os professores, quem não gostaria de ter uma escola ideal? Cabe a nós, professores com a reconstrução do PPP da minha escola, podemos mudar, acrescentar, excluir, tudo é possível, desde que contemple os objetivos do PPP, do marco referencial. Gostei do momento dos sonhos, se podemos sonhar, vamos sonhar para que esse sonho torne-se realidade. Gosto muito da minha escola, dos alunos que ali estão inseridos, a comunidade é sempre bem vinda à escola. E, tudo que for possível fazer para melhorar para essa escola, para nossos alunos, colocarei em ação com a ajuda de outros professores, funcionários, estudantes, todos que estejam envolvidos na educação.
 
Segue exemplo da professora Vera exposto ao grupo sobre Atividade a distância 3: PPP, Conselho de Escola. Práticas e Espaços Comunicacionais na Escola. Ambientes Comunicacionais, Meios de Comunicação e Cultura
 
A partir do vídeo assistido sobre o PPPPPPP e do planejamento do nosso APP constamos que, ainda, temos muito caminho a trilhar na construção de uma escola de qualidade social e cidadã e que não estamos devidamente preparados para usar as novas tecnologias de forma interativa, colaborativa e como um instrumento de aprendizagem que nos oferece novas possibilidades de ensinar e aprender. Precisamos, urgentemente, nos qualificar e qualificar nossos professores para dar conta de uma nova realidade que pode contribuir muito para a melhoria da qualidade de nossas ações pedagógicas e a divulgação das mesmas na nossa comunidade escolar.
 
A internet constitui-se, hoje, a fonte de informação mais usada para pesquisa, informação e comunicação. O educador utiliza no seu cotidiano as tecnologias digitais, mas reluta e tem dificuldade em utilizá-la na sala de aula. A maioria deles reconhece que não possui conhecimentos suficientes para incorporar as novas tecnologias de informação e educação em suas práticas pedagógicas. Assim precisamos investir na formação do professor para capacitá-lo no uso das novas tecnologias não só como consumidores, mas no seu uso seguro, consciente e responsável para o exercício da  cidadania e a promoção da cultura que inclua os direitos humanos como um dos seus princípios . O que é o caso, agora, na construção de aplicativos educacionais para celulares que estamos aprendendo a criar e que poderão se constituir em recurso tecnológico de grande valia para ser utilizado tanto na formação de professores, na construção de um Projeto Político Pedagógico Participativo,na promoção dos direitos humanos, como também em nossas aulas numa produção colaborativa com os alunos onde todos participam do processo de construção da escola que queremos e do conhecimento com autoria.
Pensando nas diversidades escolares, veio a formação do professor, o trabalhar com as TICs, que não é frequente em nossas unidades escolares, em nossos alunos que poderiam aproveitar o espaço escolar com mais vontade, mais objetivo, e como o objetivo das escolas é formar cidadãos críticos e socaveis, porque não ensinar algo diferente para eles.
 
O papel do educador hoje na atualidade da sociedade tecnológica é voltado para a construção de uma sociedade que tenha a inclusão social como prioridade. # A inclusão social pressupõe a formação para a cidadania, pois as tecnologias devem ser utilizadas para a democratização dos processos sociais, para integrar a escola e a comunidade, levando que a educação mobilize a sociedade.
 
Alguns alunos da escola no ano de 2014, esses do 8º ano, produziram um vídeo sobre o bairro, estávamos numa campanha sobre o Meio Ambiente, no início diziam não saber fazer, foi complicado a iniciação, mas com o decorrer dos dias, das explicações dos professores, tudo foi se ajeitando e o vídeo ficou muito bom, foi relatado muitos fatos que ocorrem no bairro que diz respeito ao que eles mesmo vivenciam e não se davam conta.   
 
Gostei muito desse trecho do texto que diz que # aprender é poder compartilhar conhecimentos e protagonismos autorais, pois os dispositivos midiáticos é o próprio pensar, o próprio autor. Lendo esse trecho, nossos alunos foram os próprios autores de um vídeo produzidos pelos mesmos. 
 
Acredito que assim podemos colocar nossos alunos em contato com a vida, propriamente dita, pois vivendo e se dando conta do que ocorre ao seu redor fica mais fácil de entender o que fazer. 
A escola oportuniza, aproxima os alunos da forma de criação e comunicação, vejo isso muito bem no Ensino Médio Inovador com o Seminário Integrado, a preocupação com a pesquisa, as apresentações de trabalhos, a saber, manusear os aparelhos da escola, e, agora caminhando nos anos finais com a Rádio Escola, mas ainda um engatinhamento.
 
A meu ver a atividade estética se esparrama nos # espaços escolares no momento em que oportunizamos nossos alunos a serem eles mesmos, a  ser feliz na escola, pois também estamos aprendendo com eles.  
 
Disponível em: http://cac-php.unioeste.br/eventos/iisimposioeducacao/anais/trabalhos/30.pdf
 
Neste artigo encontraremos desafios nas escolas em que estamos trabalhando. A cultura tecnológica ainda é muito pequena em nosso universo, e, também, os prorfessoresprofessores naõnão sabem utilizautilizá-los. 
 
O professor em sala de aula sente grande dificuldade para trabalhar com tanta diversidade e fazer com que seja aceita entre os alunos. Tenta construir entre eles conceitos de solidariedade, amizade, respeito e que entendam a educação que se pretende diversificada e inclusiva. Alguns dos questionamentos que iremos ver no artigo: 
A escola precisa ser democrática para atingir sua finalidade, respeitando todos os sujeitos funcionários, pais, alunos, professores enfrentando as próprias contradições e conflitos existentes.
 
Os estudos e discussões  promovidas ao longo do nosso curso acrescentam muitos conhecimentos para nossa formação e a sala PECE nos coloca a possibilidade de trabalhar com a cultura digital que também é uma forma de #inclusão importante diante das transformações da sociedade atual e do mundo contemporâneo.
 
Os jovens tem bastante facilidade no uso de novas ferramentas e cabe ao professor se atualizar e tornar suas aulas mais atrativas e dinâmicas.
Link do APP: http://app.vc/valorizacao_das_diferencas_e_das_diversidades
 
Esse APP tem por objetivo trabalhar dentro das Diretrizes Curriculares Nacionais  para a #Educação em Direitos Humanos. Decidimos trabalhar com o tema:# Valorização das Diferenças e Diversidades. O trabalho será voltado para# formação de professores, que sensibilizaremos através de# textos, vídeos, leis, diretrizes sobre o tema proposto, de forma a atingir o público alvo, os alunos da rede pública estadual.
 
Pois a partir do momento que as mídias digitais começaram a transformar as formas de comunicação, a educação também deverá estar preparada para essas mudanças. Visando facilitar uma proposta educacional  para  formar jovens críticos,  atualizar os conteúdos de ensino e as metodologias, assim formando jovens que saibam aprender, conviver e empreender nas condições da sociedade contemporânea.
Link do APP: [http://app.vc/maristela_brzzi http://app.vc/maristela_brizzi]
 
  Esse APP  tem como objetivo discutir a Igualdade de Direitos. Busca-se a complexificação dos problemas cotidianos, através da  Educação Midiática, com #interlocutores sociais, que promovam a autoria e dialogam com os saberes do mundo da vida no contexto escolar. Assim Igualdade de Direitos, são saberes em interlocução e cooperação que através de imagens, fotos, noticias do dia-a-dia, vídeos, textos, listas de produção midiática sobre o assunto, grupo de discussão no Facebook e integração com projetos escolares, possam contribuir na formação do “multividuo”  que faz da técnica e da tecnologia suas aliadas ao próprio exercício autoral (BOOL, 2012).  
 
O princípio da igualdade de direitos está ligado à ampliação de #direitos civis, #direitos políticos, # direitos econômicos, #direitos sociais, #direitos culturais e #direitos ambientais, a todos os cidadãos e cidadãs, com vistas a sua universalidade sem distinção de cor, nacionalidade, orientação sexual, biopsicossocial e local de moradia. A proposta é a inserção, no currículo escolar, da temática envolvendo a Igualdade de Direitos, conforme orientações dos  #Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Básica (2013) sob a perspectiva da #Educação Midiática (BOOL, 2012), enquanto expressão comunicativa, envolvendo os elementos da #cultura digital: #interconexão, # criação de comunidades e #inteligência coletiva (LÉVY, 1999). 
 
O que se busca é a complexificação dos problemas cotidianos, através da  Educação Midiática, com #interlocutores sociais, que promovam a autoria e dialogam com os saberes do mundo da vida no contexto escolar vislumbrando a vivência da cultura digital nas escolas.. 
 
=== '''Cultura Digital''' ===
 Estamos cada vez mais tentando inserir nossos alunos no contexto #tecnológico, quebrando paradigmas e inserindo-os a cultura digital, trocando laboratórios de informática por Smartfones, notebooks, tablets, etc..., Tudo isso para que os alunos possam usar suas habilidades e potencialidades. Porém é fundamental que os educadores devem atualizar-se  para fazer da comunicação um elo com seus alunos. Boll, nos fala que  “a comunicação é a essência humana que, acoplada a técnica e a tecnologia, dá a liga necessária para que quaisquer destes princípios se evidenciem”. (BOLL, 2014, p.01). Devemos aproveitar essa nova roupagem que a cultura digital vem trazendo para dentro das escolas favorecendo a comunicação dos adolescentes,  através da técnica e da tecnologia, pois os mesmos  se comunicam por “códigos digitais”. Cabe aos professores a sua formação e atualização, para superar dificuldades de decifrar e usar esse “códigos” no dia a dia como linguagem, refletindo sua vida, em um contexto político, cultural e principalmente social. 
 
Podemos então aproveitar esse processo de crescimento da #cultura digital nas #escolas e esse interesse do jovem pela linguagem digital e pela necessidade de ser visto pela sociedade através das redes sociais e ampliar nossos currículos escolares oportunizando o ensino aprendizagem através do #contexto digital como criação de blogs e medidas educativas que aproximem os alunos com os processos culturais digitais de maneiras segura sendo eficaz para o seu crescimento cultural e social.
 
==== Diretrizes Curriculares Nacionais da  Educação Básica ====
Sabemos que a função da escola, tem como princípio o trabalho da igualdade e dignidade social. Pensar os Direitos Humanos na escola, é oportunizar as "mediações fundamentais tanto para o acesso ao legado histórico dos Direitos Humanos, quanto para a compreensão de que a cultura dos Direitos Humanos é um dos alicerces para a mudança social". 
 
A proposta de Educação, que apresento, busca desempenhar um papel ativo  de aprendizagem coletiva e a potencialização do desenvolvimento cognitivo, prático moral e expressivo-ético-estético, assegurando o domínio de situações a enfrentar no espaço social e cultural do convívio em grupos e no respeito e afirmação das identidades pessoais. Assim, a Educação é o alargamento do horizonte cultural, relacional e expressivo, tendo a dinâmica das experiências vivenciadas e submetidas ao debate, diálogo e reconstrução de saberes, "cada um, a seu modo, dá testemunho das múltiplas possibilidade humanas" (Gudsdorf :14-26).
 
O  PNEDH define a" Educação em Direitos Humanos como um processo sistemático e multidimensional que orienta a formação do sujeito de direitos, articulando as seguintes dimensões: a) apreensão de conhecimentos historicamente construídos sobre direitos humanos e a sua relação com os contextos internacional, nacional e local; b) afirmação de valores, atitudes e práticas sociais que expressem a cultura dos direitos humanos em todos os espaços da sociedade; c) formação de uma consciência cidadã capaz de se fazer presente em níveis cognitivo, social, cultural e político; d) desenvolvimento de processos metodológicos participativos e de construção coletiva, utilizando linguagens e materiais didáticos contextualizados; e) fortalecimento de práticas individuais e sociais que gerem ações e instrumentos em favor da promoção, da proteção e da defesa dos direitos humanos, bem como da reparação das violações" (DNEB, 2013 p.519).
75

edições