Japão Através da História do Governo Japonês/A Reforma Taika: diferenças entre revisões

 
 
A ascensão da ''Imperatriz Suiko'' ocorreu devido a circunstâncias excepcionais, e não se tornou uma quebra reconhecida das regras antigas. Subsequentemente, no entanto, ocorreram vários casos em que o cetro acabou caindo nas mãos de um tio ou sobrinho de um imperador falecido, e nessas ocasiões este evento era acompanhado por alguma inquietude. Mas nenhum distúrbio relacionado com tal causa atingiu algo parecido com as dimensões do problema que se seguiu à morte do ''Imperador Tenji''.
 
Por ocasião da visita do ''Imperador'' a ''Tsukushi'' para tomar providências sobre a invasão da ''Coréia'', confiou a administração durante sua ausência a seu irmão mais novo, ''Príncipe Ōama'' (o futuro ''Imperador Tenmu''), e fez com que seu filho e príncipe herdeiro, ''Príncipe Ōtomo'' (o futuro ''Imperador Kobun''), o acompanhasse a ''Tsukushi''. ''Ōtomo'', embora jovem, já havia dado provas de grande capacidade e foi excepcionalmente instruído. O soberano nutria uma forte afeição por ele e, depois de voltar de ''Tsukushi'', elevou-o à posição de ''Daijō Daijin'' (primeiro-ministro). Por outro lado, as relações entre o imperador e seu irmão, o ''Príncipe Ōama'', eram por algum motivo desconhecido desarmoniosas. Quando o ''Imperador Tenji'', percebendo o caráter perigoso de sua doença, desejou passar a administração dos negócios após sua morte a ''Ōama'', este afirmando estar com problemas de saúde, recusou a responsabilidade. O ''Príncipe Ōtomo'' foi proclamado sucessor do trono, e ''Ōama'' tornou monge e retirou-se para o ''Monte Yoshino''. Apesar disso, era uma conversa comum na época afirmarem que a ida de ''Ōama'' para ''Yoshino'' foi como "colocar um lobo no meio das ovelhas". Por duas vezes os ministros do ''Daijō-kan'' (Conselho de Estado) fizeram o juramento de lealdade ao ''Príncipe Ōtomo'', mas a rivalidade continuou a crescer entre os partidários do novo soberano e os do príncipe ''Ōama''. No final, acabou gerando um estado de hostilidades abertas. O ''Príncipe Ōama'', rapidamente foi retirado para as províncias orientais, obteve posse de todas as posições estratégicas do governo e foi seguido por um grande número de adeptos. O ''Imperador Kobun'' despachou um exército contra os insurgentes, e os engajamentos aconteceram nas províncias de ''Mino'', ''Ōmi'' e ''Yamato'', mas em todas as ocasiões as forças imperiais foram derrotadas, e o exército oriental gradualmente avançou para a cidade de ''Ōtsu'' em ''Shiga''. Uma ultima e desesperada defesa foi organizada pelas tropas do imperador no distrito de Seta, mas a batalha terminou com a derrota total das forças imperiais, e o próprio soberano, escapando do campo de batalha, cometeu ''seppuku'' depois de míseros 8 meses de reinado aos vinte e cinco anos de idade. O ''Príncipe Ōama'' o sucedeu ao trono com o nome de ''Imperador Temmu''. Obtivera o cetro em circunstâncias questionáveis, mas como governante mostrou altas qualidades, exercendo a administração com zelo e habilidade. Enviou inspetores para todos os distritos de todo o reino, a fim de adquirir conhecimento completo dos assuntos locais, e elevou o ''establishment militar'' a um estado de alta eficiência. Após sua morte, uma princesa, filha de ''Tenchi'' e irmã de ''Kōbun'', o sucedeu no trono como a ''Imperatriz Jitō''. No terceiro ano de seu reinado, o príncipe herdeiro ''Kusakabe'', morreu. A imperatriz convocou um conselho de todos os altos dignitários de Estado para determinar um sucessor ao príncipe, mas este não chegou a nenhum acordo, então o ''príncipe Kadono'' levantou a palavra afirmando que quando nem o filho nem o neto estavam disponíveis para suceder ao trono, o cetro deveria passar aos irmãos e irmãs do soberano na devida ordem, uma vez que de nenhuma outra maneira as disputas poderiam ser evitadas. O resultado foi que ''Karu'', filho do falecido príncipe ''Kusakabe'', foi proclamado herdeiro. Mais tarde subiu ao trono como o ''Imperador Mommu'', conhecido na história por sua habilidade e pela codificação sob sua direção das ''Leis Taihō''.
 
A seguir, uma breve tabela genealógica dos soberanos desse período de sucessões disputadas:
|<br>
42. Imperador Mommu. (697 - 707 d.C.)<br>
|<br>
43. Imperatriz Gemmei. (707 - 715 d.C.)<br>
|<br>
44. Imperatriz Gensho. (715 - 724 d.C.)<br>
|<br>
45. Imperador Shōmu. (724 - 749 d.C.)<br>
|<br>
46. Imperatriz Koken. (749 - 758 d.C.)<br>
|<br>
47. Imperador Junnin (758 - 764 d.C.)<br>
</center></small>
99

edições