A história do Japão da Cambridge/O século da reforma: diferenças entre revisões

 
Um tratado do ''século X'' sobre a vida do ''Príncipe Shotoku'' afirma categoricamente que a estátua dos ''Quatro Reis Celestiais'', feita quando o príncipe fez seu voto de ''587'', foi instalada (em ''Arahaka-ji'') voltada para o oeste para que seu misterioso poder pudesse ser utilizado para “subjugar os inimigos estrangeiros”. O ''Templo dos Quatro Reis Celestiais'', proeminente no famoso ''Sutra do Rei Benevolente'' (''Prajna Paramita Sutra''), foi homenageado pelo seu misterioso poder de proteger o Estado. Este sutra, fundamental no início da história do budismo na China e na Coréia, é considerado um dos mais importantes para a história do budismo japonês. Mas não tinha sido mencionado nas crônicas japonesas até ''660'', o sexto ano do reinado da ''Imperatriz Saimei''. Mesmo nos sutras em que afirmavam que o ''Príncipe Shotoku'' tinha escrito comentários, não se incluía o ''Sutra do Rei Benevolente''. Assim, questionam-se que as referências do ''Nihon Shoki'' de afirmam que o ''Arahaka-ji'' seria o ''Templo dos Quatro Reis Celestiais'' e as que afirmam que a estátua dos ''Quatro Reis Celestiais'' fosse feita pelo próprio ''Príncipe Shotoku'' não teriam sido acrescentadas em um data posterior, possivelmente em meados do ''século VII'' quando o ''Japão'' estaria muito mais preocupado com o perigo da invasão estrangeira e muito mais envolvido na "proteção das crenças do país" expressas no ''Sutra do Rei Benevolente''.
 
Era sintomático a construção de ''Arahaka-ji'' em ''Naniwa'', a porta de entrada para a Coréia e a China. Que ocorreu mais ou menos na época em que o príncipe estava desenvolvendo uma política externa mais positiva, como refletido no despacho do ano ''600'' de uma força expedicionária contra ''Silla'' e na missão diplomática que foi até a ''Corte Sui da China''.
 
Como ''Ikaruga'' estava muito longe da capital ''Asuka'' e estava situada onde anteriormente fora o território controlado pelo ''Clã Soga'', alguns historiadores argumentam que o príncipe mudara-se para a região a fim de desfrutar do apoio dos clãs imigrantes que se opunham aos ''Soga'' (como por exemplo o ''Clã Kashiwade'') cujo território estava localizado na área de ''Ikaruga''. Essa visão é apoiada por recentes investigações do ''Túmulo de Fujinoki'', localizado a apenas 350 metros do ''Ikajuka-ji'' e construído na última metade do ''século VI''. Se os descendentes da pessoa ali enterrada tinham alguma conexão especial com o ''Príncipe Shotoku'' não se sabe, mas a localização e tamanho do monte sepulcral (40 metros de diâmetro que cercava uma câmara de pedra de 16 metros de comprimento) fornece fortes evidências de que ali foi enterrado um líder de clã poderoso e com riquezas extraordinárias, que conquistou o controle daquela área antes que o ''Príncipe Shotoku'' se mudasse para seu palácio de ''Ikaruga'' e construísse o templo de ''Ikaruga''.
 
O ''túmulo de Fujinoki'' também tem uma aparência coreana, o que sugere que a pessoa que foi enterrada lá era de um clã que, como os ''Soga'', era formado principalmente por imigrantes com fortes laços culturais com a ''Coréia''. ''Io Yusuke'' concluiu que a armadura encontrada no túmulo era importada da ''Coreia''. Ele também afirmou que os japoneses nativos daquela época não saberiam o significado dos padrões ornamentais esculpidos nos acessórios encontrados no ''Monte Fujinoki'', nem como fazer tais acessórios. Os objetos importados do túmulo escavado deste monte, o estilo coreano dos três grandes complexos de templos construídos no início do ''Período Asuka'', os traços culturais continentais do ''Período Asuka'', os tesouros nacionais armazenados no ''Horyu-ji'', a proeminência dos sacerdotes coreanos entre os 1.384 clérigos (815 monges e 569 freiras) que serviram nos quarenta e seis templos construídos em ''624'', bem como as conexões coreanas com a corte dominada pelos ''Soga'', sugerem que grandes avanços estavam sendo feitos (durante o ''Iluminismo Asuka'') para o estabelecimento de uma civilização urbana que era definitivamente coreana em seu caráter intrínseco.
 
 
 
{{referências|Notas}}
99

edições