A história do Japão da Cambridge/O século da reforma: diferenças entre revisões

m
 
====Preparação para as reformas====
O desejo dos japoneses de usar métodos e idéias continentais para a construção do Estado tornou-se mais forte depois da missão enviada para a ''Corte Sui'' em ''600'', quando o ''Príncipe Shotoku'' estava começando a ofuscar ''Soga no Umako'' na direção dos assuntos de Estado. A ascensão do príncipe refletiu-se na decisão tomada em ''601'' de iniciar a construção de um novo palácio para ele em ''Ikaruga'' e na escolha em ''602'' de seu irmão mais novo como comandante de uma nova força expedicionária contra ''Silla''. Depois disso, se empenhou na introdução de métodos continentais de fortalecimento do Estado, destacando a adoção de um sistema de ranqueamento na Corte similares aos de ''Koguryo'' e ''Paekche'', a formulação das famosas ''Dezessete Injunções'' (também conhecida como ''Constituição dos dezessete artigos'') e o intercambio diplomático dos anos 607-608 com a ''Corte Chinesa''. Embora tenham sido levantadas questões sobre qual papel o príncipe desempenhou (se desempenhou algum) nesse desenvolvimento e se as injunções foram realmente escritas tão cedo, cada uma dessas questões foram proeminentes em um prelúdio pré-645 das chamadas ''Grandes Reformas''.
 
Embora existisse na China um sistema de “cargos e patentes” (''kani'') desde a ''Dinastia Wei'' do ''século III'', o sistema adotado pelo Japão em ''603'' era mais próximo e influenciado mais diretamente por ''Koguryo'' e ''Paekche'' do ''século VI''. Todos compartilhavam a prática ''Sui'' de usar boinas feitas de seda púrpura, decorados com ouro e prata, e cuja posição era indicada por penas de diferentes cores. Os nomes das posições variavam de Estado para Estado, mas os nomes adotados no ''Japão'' tinham um caráter confucionista mais forte que os de ''Koguryo''. Cada uma das doze posições japonesas era diferenciada pela cor da boina e recebeu o nome de maior ou menor medida de uma virtude confucionista particular (presumivelmente em ordem decrescente de importância): 1) maior virtude (''Daitoku''), 2) menor virtude (''Shōtoku''), 3) maior benevolência (''Daijin''), 4) menor benevolência (''Shōjin''), 5) maior propriedade (''Dairei''), 6) menor propriedade (''Shōrei''), 7) maior sinceridade (''Daishin''), 8) menor sinceridade (''Shōshin''), 9) maior justiça (''Daigi''), 10) menor justiça (''Shogi''), 11) maior conhecimento (''Daichi'') e 12) menor conhecimento (''Shochi''). <ref> Suiko 12 (603) 12/05, NKBT 68. 180-181.</ref>
99

edições