Diferenças entre edições de "Mário Ferreira dos Santos/Visão geral das obras"

m
Foram revertidas as edições de 189.38.135.249 (disc) para a última revisão de GinDePietro
(isso é PALPITE)
Etiqueta: Substituição
m (Foram revertidas as edições de 189.38.135.249 (disc) para a última revisão de GinDePietro)
Etiqueta: Reversão
Os problemas que Mário enfrentou foram os mais altos e complexos da filosofia. Foi talvez a premonição inconsciente do terror e do espanto – do thambos aristotélico – que a impeliu a fugir dessa experiência, buscando abrigo nas suas miudezas usuais e definhando pouco a pouco, até chegar à nulidade completa; decerto o maior fenômeno de auto-aniquilação intelectual já transcorrido em tempo tão breve em qualquer época ou país.
{{carece de fontes}}
Muito apreciado no grupo anarquista, não por ser integralmente um anarquista ele próprio, mas por defender as idéias econômicas de Pierre-Joseph Proudhon, Mário jamais foi perdoado pelos comunistas por esse vexame imposto a uma vaca sagrada do Partidão. O fato pode ter contribuído em algo para o muro de silêncio que cercou a obra do filósofo desde a sua morte.
 
A mente de Mário Ferreira era tão formidavelmente organizada que para ele era a coisa mais fácil localizar imediatamente no conjunto da ordem intelectual qualquer conhecimento novo que lhe chegasse desde área estranha e desconhecida. Numa outra conferência, interrogado por um mineralogista de profissão que desejava saber como aplicar ao seu campo especializado as técnicas lógicas que Mário desenvolvera, o filósofo respondeu que nada sabia de mineralogia mas que, por dedução desde os fundamentos gerais da ciência, os princípios da mineralogia só poderiam ser tais e quais – e enunciou quatorze. O profissional reconheceu que, desses, só conhecia oito. <ref>CARVALHO, O. Mário Ferreira dos Santos e o nosso futuro [https://olavodecarvalho.org/mario-ferreira-dos-santos-e-o-nosso-futuro/]</ref>
 
{{Referências|col=2}}