Diferenças entre edições de "Civilização Egípcia/Novo império"

382 bytes adicionados ,  23h59min de 14 de junho de 2007
fotografias
(Novo Império)
 
(fotografias)
 
==Religião==
[[Image:Kunsthistorisches Museum Vienna June 2006 005.jpg|thumb|150px|left| Sacerdote]]
Desde os primórdios, o povo egípcio teve uma profunda ligação com vários deuses e a religião foi a tônica dessa civilização estupenda. <br>
Depois de passarem anos dominados pelos estrangeiros, o orgulhoso povo egípcio, agora livre, passou a demonstrar sua gratidão pela libertação, adorando os deuses com mais fé e maior dedicação. <br>
 
Nesse capítulo que fala da arquitetura, não podemos deixar de mencionar Akhenaton, o faraó que mandou erguer uma cidade inteira para homenagear seu deus, Aton. Para que as obras fossem rápidas e pelo próprio fato de se adorar Aton a céu aberto, as paredes eram finas pois os templos não tinham teto. Infelizmente devido à fragilidade das obras e a raiva dos seguidores de outros deuses, quase nada sobrou da cidade de ''Akhetaton''.
[[Image:Nefertite altes Museum3.jpg |thumb|150px|left| Nefertite]]
 
==Artes==
No Novo Império o Egito foi governado por faraós de gosto refinado, que souberam usar a riqueza disponível em prol das artes em geral. <br>
Na literatura, os exemplos não são muitos, até porque poucos papiros escaparam do estrago feito pelo tempo. Aqui, novamente, Akhenaton e sua revolução, que abriram caminho para o naturalismo nas artes deixaram sua marca. Ainda que após a sua morte os textos retornassem ao clássico, a linguagem comum, adotada no período de Amarna permaneceu de alguma forma ligada ao estilo dos escritores. Um dos mais belos exemplos de poesia lírica da época é o '''Hino a Aton''', de '''Akhenaton''', <br>
O desenho satírico foi popular também nessa época e através dele os artistas faziam comentários zombeteiros e crítica social. Podemos dizer que seriam como tiras de quadrinhos atuais. <br>
[[Image:Papyrus Ebers.png|thumb|150px|left|Papiro Ebers]]
 
==Medicina no Egito==
Os médicos egípcios, na visão de Heródoto, eram altamente especializados e muito avançados. Como já vimos em outras fases da história egípcia, a medicina era uma área de interesse e estudos na medida em que havia necessidade de curar doenças, feridas (e os egípcios lutaram muitas guerras), de resolver problemas físicos. Graças à mumificação e a oportunidade que a dissecação proporcionava, eles puderam estudar profundamente a anatomia humana. <br>
A fama dos médicos egípcios se deve à atitude racional deles e aos estudos minuciosos, como se pode ver no ''Papiro Cirúrgico de Edwin Smith'' encontrado em Tebas. Segundo esse papiro, Imhotep parece ser o autor de noventa termos anatômicos e da descrição de quarenta e oito casos de lesões, ferimentos, fraturas e deslocamentos. Hoje esse papiro se encontra na Sociedade de História de Nova Iorque.<br>
Outra obra famosa é o ''Papiro Médico de Ebbers'', que é um manual de ensino para clínicos, foi encontrado em Tebas em 1862. Atualmente, encontra-se no Museu de Leipzig na Alemanha. <br>
[[Image:Egyptian scriptures Berlin museum (1).jpg|thumb|150px|right| Papiros no Museu de Berlim]]
Também vamos citar os dois ''Papiros Médicos de Berlim'' que foram descobertos em 1853 em Saqara. Estão no Museu de Berlim e tratam de ginecologia, obstetrícia, anticoncepcionais, urologia, malária e muitas outras doenças. <br>
Em Copenhague, na Biblioteca do Museu de Ny, encontramos o ''Papiro Médico de Carlsberg'' que tem a descrição de um caso de AVC entre outras doenças. E em Tebas, no Ramesseum, foram descobertos os ''Papiros Médicos do Ramesseum'' que tratam de ginecologia e obstetrícia. <br>
O auge do Novo Império foi a época de Ramsés II e suas obras colossais. Mas, muito mais do que isso, foi um período de grandes governantes, mudanças históricas e expansão territorial que começou pela expulsão do povo estrangeiro. <br>
Pela espada e pela fé os egípcios formaram um império que, após milênios deixou provas palpáveis da grandeza de seu povo. <br>
[[Image:Egypt.KV43.01.jpg|thumb|150px|right|KV43, tumba de Thutmose IV]]
Infelizmente a situação do governo de Ramsés II, o último grande faraó egípcio, já era muito difícil. Embora seja simples, hoje, constatar isso, na época não era possível prever o que viria. Os ''povos do mar'' estavam tomando as cidades da Síria, destruindo os hititas e se tornando uma terrível ameaça. <br>
Além disso, o clero estava mais rico e poderoso do que os faraós. A corrupção (mal antigo) tomava conta da sociedade e aí, registra-se a primeira greve de trabalhadores (registrada num papiro que está no Museu de Turim, Itália). <br>
2 904

edições