Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/A Câmara Secreta/Capítulo 9


spoilerEditar

Aviso: Seguem detalhes do enredo.

SinopseEditar

Filch aparece e imediatamente acusa Harry de matar sua gata. A chegada do Professor Dumbledore e diversos outros professores acalma a situação. O Professor Lockhart oferece seu escritório para que Dumbledore possa examinar Mrs. Norris. O Professor Dumbledore pede a Filch, Harry, Ron e Hermione para acompanhá-lo, enquanto os Professores Lockhart, McGonagall e Snape os seguem. Enquanto Lockhart resmunga a respeito das mortes que ele impediu, Dumbledore examina Mrs. Norris e conclui que ela está viva, mas petrificada, e que o responsável é alguém que não é Harry.

Filch acredita que Harry deve estar envolvido porque ele sabe que Filch é um Aborto, mas Harry, não tem a menor idéia do que é isso. Snape sugere que Harry, Ron e Hermione talvez estivessem no lugar errado na hora errada, mas a ausência deles na Festa do Dia das Bruxas era muito suspeita. Eles explicam que estavam na Festa de Aniversário de Morte. Harry não queria revelar que tinha ouvido vozes, então dá uma explicação boba do porque eles saíram logo da festa. Snape, suspeita que ele está mentindo e sugere um castigo por desonestidade, mas é vencido por McGonagall e Dumbledore, para o grande desapontamento de Filch. Ron, mais tarde, explica a Harry que um Aborto é uma pessoa não mágica, nascida de pais bruxos.

A possibilidade da Câmara ter sido aberta, faz com que alguns alunos se comportem de maneira diferente: Justin Finch-Fletchley agora parece estar evitando Harry, por outro lado, Hermione tem passado mais tempo do que antes na biblioteca. Harry vai até lá para falar com Ron e encontra Hermione chateada, porque não há nenhum exemplar de “Hogwarts: Uma História” para ser consultado. Na aula seguinte, História da Magia com o Professor Binns, ela convence o velho fantasma a recontar a lenda da Câmara Secreta. Binns explica que há mais de mil anos atrás, os quatro fundadores da escola, Godric Gryffindor, Salazar Slytherin, Rowena Ravenclaw e Helga Hufflepuff tiveram uma discordância a respeito de quem poderia ser admitido em Hogwarts. Se os nascidos Trouxas e descendentes de Trouxas (mestiços) poderiam ter acesso à escola. Apenas Slytherin acreditava que somente os puro sangue deveriam aprender magia, e ele abandonou a escola quando os outros foram contra sua opinião. De acordo com a lenda, ele criou uma Câmara sob Hogwarts e escondeu lá dentro, um monstro. Apenas o verdadeiro herdeiro de Slytherin poderia abrir a Câmara ou controlar o monstro que lá vivia. Embora a Câmara nunca tivesse sido encontrada, Binns não consegue convencer a classe que ela não existe. Passando pelas salas, o pequeno Colin Creevey comenta que alguém disse que Harry deveria ser o Herdeiro; Harry percebe que provavelmente isso explica porque Justin, que é nascido Trouxa, o evitou mais cedo.


No local onde Mrs. Norris foi petrificada, o Trio observa uma ninhada de aranhas fugindo, apavorando Ron, que sofre de aracnofobia. A água que escorre do banheiro da Murta Que Geme cobre o chão todo. O banheiro que não é usado está em péssimo estado; também está muito molhado, evidentemente porque a chorosa Murta causa inundações sempre que se aborrece. Ela é bastante fria com eles. Percy pega os três saindo do banheiro e tira cinco pontos da Gryffindor.

Durante uma discussão, mais tarde, Ron diz que a lógica aponta para Draco ser o Herdeiro. Hermione sugere que eles descubram, usando a Poção Polissuco para personificar outra pessoa. Para conseguir a fórmula, Hermione precisa da assinatura de um professor para retirar o livro “As Poções Mais Poderosas” da seção restrita da biblioteca. “Mas, qual professor seria tão bobo?” pergunta Ron.

AnáliseEditar

Embora Filch seja um personagem menor, ele se presta a uma função importante nesse capítulo por diversos motivos. Primeiro, aqui vemos o “pay-off to the set-up” que a autora criou, quando o curso FeiticExpress do Filch, foi descoberto. Filch é um Aborto, nascido de uma família mágica, mas que não possui nem um poder mágico e foi por causa disso que ele comprou um curso de iniciante em magia, por correspondência. Mesmo Filch tendo um emprego em Hogwarts, o que já é sorte, o fato de não conseguir fazer magia fez dele um homem amargo. Ano após ano, ele vê as crianças, talvez até mesmo de sua própria família, entrando para Hogwarts, sendo treinadas para fazer magia, coisa que ele nunca saberá, depois eles partem para seguir uma carreira com a qual Filch talvez sonhasse, enquanto ele sempre fica para trás. Ser um Aborto é ter uma horrível meia-vida, sabendo que o mundo mágico existe, ser rodeado por ele, sem conseguir participar dele magicamente. E o fato de Filch tentar aprender magia, parece um ato de desespero e talvez não seja inteiramente fútil; a autora mencionou numa entrevista, que raras vezes, a habilidade mágica de uma pessoa pode aparecer, mesmo que tarde na vida. Filch pode estar nutrindo esta esperança, embora, na idade dele, essa possibilidade parece que não existe mais, e a autora afirmou que essa tentativa de Filch está condenada a falhar.

O personagem Filch, também ilustra as múltiplas divisões de classes na sociedade bruxa; bruxos humanos no alto da hierarquia, enquanto Abortos e criaturas não humanas ocupam níveis mais baixos. Os leitores já viram que alguns bruxos, como os Malfoys, acreditam que existe uma distinção mais delicada entre as classes sociais do mundo mágico, com os bruxos sangue puro sendo superiores aos Mestiços e aos Nascidos Trouxas. E entre os sangue puro, parece que existe a crença de que, aqueles que têm mais dinheiro e poder estão no topo. Harry, Ron, Hermione e outros personagens têm que lidar continuamente com os preconceitos sociais e raciais.

A parte principal da trama dessa história é revelada aqui. Ainda que Binns afirme que a Câmara Secreta não existe, e que diversos diretores tenham passado anos procurando por ela, o máximo que encontraram foi o Armário de Vassouras Secreto. Para os leitores, assim como para os alunos, a Câmara existe e um monstro mora lá dentro. Pode haver poucas, se é que há alguma outra possibilidade de explicar o fato de Mrs. Norris ter sido petrificada.

Temos aqui, um pouco mais de Gilderoy Lockhart. Dentro de seu escritório podemos ver seus retratos se mexendo e se escondendo quando Harry e os outros entram; alguns, Lockharts curiosos reaparecem mais tarde, e Harry percebe que alguns usam rolinhos nos cabelos. Isso nos mostra um pouco da verdadeira natureza de Lockhart. O Professor, ao invés de ajudar na investigação, fica tagarelando sobre mortes que ele, supostamente evitou. Quando se descobre que Mrs. Norris não está morta, mas apenas petrificada, Lockhart diz que pode preparar rapidamente uma poção restauradora, mas nunca o faz. Esse exibicionismo irrita Snape, que é claro, sendo o Mestre de Poções assume que qualquer preparação de poções deveria ser ele a fazer. Aqui também podemos perceber como Snape não suporta Lockhart, que certamente, nessa altura, é visto como uma fraude pela maioria dos professores; Snape com certeza concorda com essa visão. Suspeitamos que o Professor Dumbledore também sabe disso, e talvez tenha empregado Lockhart apenas porque ele foi o único candidato ao cargo, segundo Hagrid. Devemos notar que Snape já estava particularmente irritado com a fama de Harry no livro anterior; é o fato de Harry ser uma celebridade que torna Snape implicante. Mas, Harry evita a fama e Lockhart corre atrás dela, praticamente tudo o que ele faz é para chamar atenção. Isso só faz aumentar o desagrado de Snape com relação à Lockhart e tudo piora com o oferecimento de Lockhart tentando tomar para si os deveres de Snape. Considerando que Snape, de acordo com as fofocas, sempre desejou o cargo de Professor de DCAT, parece estranho que Dumbledore tenha empregado alguém tão incompetente quanto Lockhart, ao invés de escolher Snape. O leitor pode avaliar isso; e será visto mais, durante o desenrolar da série.

PerguntasEditar

RevisãoEditar

  1. Por que Salazar Slytherin abandonou Hogwarts?
  2. Por que Filch acusa Harry de petrificar Mrs. Norris? Há alguma verdade nessa acusação?
  3. Por que alguém quereria petrificar um gato?


Estudos AdicionaisEditar

  1. Uma vez que Mrs. Norris é apenas um gato e não um Animago, por que ela se tornou a primeira vítima?
  2. Por que suspeitam que Harry pode ser o Herdeiro de Slytherin? Isso é confiável ou apenas um acaso? Explique.
  3. O que Hermione procura na Biblioteca?
  4. Por que Percy tira pontos da Casa do Trio por tê-los encontrado no banheiro?
  5. Apesar das evidências, por que ninguém até então localizou a Câmara Secreta?
  6. Que tipo de monstro pode estar dentro da Câmara? Como ele poderá ser controlado?
  7. Por que os retratos de Lockhart correm e se escondem quando alguém entra na sala, o que se conclui do caráter do professor?

Visão CompletaEditar

SpoilerEditar

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Enquanto Harry, Hermione e Ron estão examinando o local onde Mrs. Norris foi encontrada, eles percebem algumas aranhas se comportando de forma estranha. Ron admite que tem medo de aranhas, o que mais tarde é confirmado nesse mesmo livro, e também nos dois outros próximos livros, pelo seu Bicho Papão em O Prisioneiro de Azkaban e seu comportamento durante a demonstração de Moody das Maldições Imperdoáveis, em O Cálice de Fogo capitulo 14. O comportamento estranho das aranhas dá uma pista sobre o monstro que Slytherin escondeu na Câmara.

Percy afirma que está tirando pontos da Casa de Harry e Ron embora não tenha poder para tanto. É possível que, alguém ameaçando o ego super inflado de Percy e sua pretensa importância, como Ron faz aqui, deixe Percy fora de si e por isso a ameaça de tirar os pontos. Também pode ser que os Monitores, reportando algum mau comportamento para o Chefe da Casa, possa recomendar que sejam tirados pontos. Ainda que seja essa a pretensão de Percy, tecnicamente ele ultrapassou os limites. Numa entrevista, a autora afirmou que Percy deve estar mais certo do que Ron, que diz em A Ordem da Fênix capitulo 28, que Monitores não podem tirar pontos; ela própria reforçou essa afirmação. Está no seu website oficial:on her official web site. Contra isso, no entanto, devemos mencionar que Draco Malfoy, um Monitor em A Ordem da Fênix, concorda que Monitores não possuem autoridade para tirar pontos das Casas. Alguém pode dizer que, se Draco pudesse tirar pontos da Gryffindor, ele tiraria. Mais tarde, como membro do Esquadrão Inquisitorial de Dolores Umbridge, ele adquire esse poder e abusa disso livremente. Nesse caso, em particular, faz mais sentido observar que Percy está apenas ultrapassando seus limites, um comportamento muito Percy de ser e ameaçar. Isso é diferente de Draco, que mais tarde abusa do poder que lhe foi dado.

É uma surpresa a veemente negação do Professor Binns, de que a Câmara Secreta exista. Nós vamos saber que a Câmara foi aberta apenas há cinqüenta anos atrás e o Diretor Dippet cogitou fechar a escola por isso. Pode até ser que isso tenha ocorrido antes do Professor Binns vir trabalhar em Hogwarts, o que não parece possível; a aparente recusa de Binns de ensinar qualquer coisa mais nova do que algo do século dezenove, demonstra que ele tem sido professor por muitos anos mais do que os meros cinqüenta, e também sugere que o currículo que ele ensina não deve ter mudado depois que ele morreu.

Há uma nota interessante com relação a isso. O Professor Binns conta à classe que, de acordo com a lenda, somente o verdadeiro Herdeiro de Slytherin pode abrir a Câmara Secreta. Essa parte, pelo menos terá prova em contrário. Não só Harry abre a Câmara mais tarde nesse livro, falando a língua das cobras. Também é possível que Ginny Weasley, controlada pela lembrança de Tom Riddle, deve ter sido instruída pelo próprio Riddle como abrir a Câmara. Muito mais tarde na série, no livro As Relíquias da Morte, capitulo 31, Ron também abre a Câmara repetindo as palavras que ouviu de Harry, na língua das cobras, quando ele abriu o medalhão de Slytherin, um Horcrux. Isso sugere que Slytherin era muito presunçoso pois, aparentemente acreditava que apenas seus herdeiros poderiam falar Parseltongue (a língua das cobras). Ainda que, tecnicamente, nós pudéssemos imaginar que as pequeninas porções da alma de Voldemort vivessem dentro de Harry e Ginny; de Harry por causa da tentativa de Voldemort, de matá-lo, e de Ginny através do diário e esses fatos tivessem dado a eles essa habilidade, Ron não teria nenhuma conexão com Voldemort.

Considerando como muitas famílias bruxas estão interligadas, incluindo Harry com os Weasleys, todos podem descender da família de Salazar Slytherin. Ainda que essa descendência possa estar bastante diluída e ser até mesmo indireta, pode ser o suficiente para abrir a Câmara. Ron, no entanto, atribui sua habilidade à simples imitação do que Harry fez para abrir o medalhão Horcrux de Slytherin. Essa idéia será mais tarde copiada por Voldemort, que esconde um Horcrux na Sala Precisa de Hogwarts, acreditando que apenas ele conhece a Sala.

Dobby, no entanto, vai sugerir que Harry use a mesma Sala, em A Ordem da Fênix capitulo 18, para os encontros secretos da Armada de Dumbledore. Dobby nos passa a impressão de que essa Sala é bem conhecida pelos outros elfos domésticos de Hogwarts.

Enquanto Mr. Filch parece viver na amargura por ser considerado um Aborto, nem todas as pessoas que o são se comportam de maneira tão infeliz; é possível que muitos até mesmo se casem com bruxos ou bruxas e possam conceber herdeiros mágicos, exatamente como pode acontecer no caso de um Trouxa com uma esposa bruxa. Mrs. Figg a vizinha de Harry, também é um Aborto, coisa que até aqui, Harry não sabe, ela sempre esteve protegendo o garoto, desde sua chegada à Rua dos Alfeneiros. Vamos saber mais tarde que ela também pertence à Ordem da Fênix, uma organização secreta dedicada a lutar contra Voldemort. Não se sabe se Abortos são encorajados a se misturar com a sociedade Trouxa, uma vez que os dois únicos que conhecemos são Filch e Mrs. Figg. Presume-se que ambos são mantidos em contato com a sociedade bruxa por intermédio direto ou indireto de Dumbledore. Mrs. Figg parece viver bem com seu status não mágico e é muito útil a Dumbledore, aparentemente tendo como meio de vida, no mundo mágico, a criação de seus estranhos gatos, que imaginamos podem ser Kneazles ou uma mistura de gato-Kneazle, que ela presumivelmente vende para os bruxos. O gato de Hermione, Bichento, que ela compra no próximo livro, é certamente esse tipo de criatura e tem um papel importante no livro.

O personagem de Filch também demonstra outro tema recorrente, como é fácil as pessoas inocentes e vulneráveis serem acusadas e punidas por crimes que nunca cometeram. Aqui, Filch foi fazendo um julgamento apressado e ainda preconceituoso contra Harry (e outros alunos), afirma que Harry petrificou sua gata Mrs. Norris, mesmo sem ter nenhuma evidencia, a não ser o fato de que Harry chegou antes no local. Felizmente, suas acusações infundadas são desmentidas. No entanto, mais tarde na série, Harry novamente se vê implicado em vários incidentes baseados em fatos sem evidência, baseados em acusações de que ele é um mentiroso que só quer chamar atenção, por um Ministério da Magia, indiferente e complacente. Essa injustiça, mais tarde se estende a outros personagens, que, traídos ou manipulados, são desacreditados e/ou punidos por crimes que não cometeram. Harry está continuamente enfrentando um sistema legal que parece interessado apenas em obter resultados que melhorem sua imagem pública, ao invés de mostrar as verdades inconvenientes. Ele também aprenderá, que os indivíduos que detém o poder e a riqueza são usualmente considerados mais dignos de confiança do que as pessoas comuns, isso permite a eles influenciar os acontecimentos e tirar vantagens. Os leitores também podem observar que o simples fato de fazer uma acusação, pode muitas vezes predispor os outros a aceitá-la como um fato. Veja como os alunos começam imediatamente a formar uma opinião com relação ao fato de Harry ser Herdeiro de Slytherin.


ConexõesEditar

  • Nesse capitulo conhecemos a Poção Polissuco. Essa poção será usada novamente, por Barty Crouch Jr. no livro O Cálice de Fogo. Também será usada repetidamente em As Relíquias da Morte, por membros da Ordem da Fênix e o Trio.