Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/As Relíquias da Morte/Capítulo 24


Capítulo 24
O Fabricante de VarinhasEditar

spoilerEditar

Aviso: Seguem detalhes do enredo.

SinopseEditar

Harry percebe que eles conseguiram aparatar com sucesso até a Casa das Conchas, de Bill e Fleur, ainda que a saída tenha sido atrapalhada. Bill explica que Hermione já está lá dentro e bem. Puxando a faca do corpo sem vida de Dobby, Harry o cobre com sua jaqueta. Enquanto isso, Dean carrega Grampo, ferido para dentro de casa, a cicatriz de Harry lateja enquanto ele vê Voldemort castigando a todos dentro da Mansão Malfoy.

Harry quer sepultar Dobby, ele mesmo, sem magia, e usa a Espada para abrir uma cova no jardim. Sua cicatriz está queimando e ele supera a dor e bloqueia os pensamentos de Voldemort com sua tristeza . .  embora, é claro, Dumbledore chamaria isso de “amor”. Seus pensamentos se voltam para Rabicho e o pequeno ato de piedade que custou sua vida. Dumbledore previu isso, mas o que mais ele sabia? Harry decide apenas caçar Horcruxes como Dumbledore queria, ao invés de sair procurando as Relíquias da Morte.

Ron e Dean voltam, carregando espadas para ajudar Harry a cavar. Depois de vestir Dobby, colocar meias, sapatos e um chapéu, eles o colocam delicadamente na cova e o sepultam. Luna sugere dizer umas palavras, e cada um deles, por sua vez, agradecem ao pequenino elfo doméstico que salvou suas vidas. Harry coloca uma pedra grande no túmulo como uma lápide e usa a varinha para escrever: AQUI REPOUSA DOBBY, UM ELFO LIVRE

Harry se tranquiliza ao saber que Ginny não está mais em Hogwarts e que ela e os outros Weasley estão seguros escondidos na casa de tia Muriel. A Casa das Conchas também está protegida por feitiços. Bill diz que Ollivander e Grampo podem ser levados para a casa de Muriel dentro de uma hora, mas Harry não quer. Ele quer falar com eles primeiro.

Harry fica imaginando como Dobby sabia que precisava resgatá-los. O olho azul no fragmento de espelho traz de volta as palavras de Dumbledore: “Ajuda sempre será dada em Hogwarts para aqueles que pedirem por ela.” Embora Harry sinta que agora está mais fácil compreender o que Dumbledore pretendia dizer, ele ainda se espanta.

Dumbledore deu para Ron o Deluminator, sabendo que ele precisaria descobrir o caminho caso abandonasse o grupo. E ele compreende que há um certo desgosto em Rabicho. Mas o que Dumbledore sabia sobre ele? Será que, deliberadamente ele fez tudo mais difícil para dar tempo de Harry compreender tudo melhor?

Harry insiste em falar com Grampo e Ollivander, ignorando as objeções de Bill e Fleur porque eles estão muito fracos; Harry recorda a Bill que ele é membro da Ordem da Fênix e sabe que Harry está em uma missão para Dumbledore.

O Trio primeiro, encontra Grampo que está agarrado à Espada de Gryffindor. Grampo acha que Harry é um bruxo esquisito porque sepultou um elfo e resgatou um goblin, embora Harry não tenha certeza se isso é um elogio ou um insulto. Harry pede ajuda a Grampo para invadir um cofre em Gringotes, deixando Ron e Hermione espantados. Grampo afirma que isso é impossível, mas Ron o contradiz, comentando a invasão de sete anos atrás; Grampo responde que o cofre na época estava vazio. Harry assegura a Grampo que não está procurando ganhos pessoais. Devagar Grampo concorda em pensar. O respeito e proteção que Harry mostrou para com os goblins e elfos, o convenceu que Harry é, provavelmente, o único bruxo que invadiria Gringotes por alguma coisa que não fossem seus tesouros.

Quando Harry insiste que o problema não são goblins versus bruxos, Grampo afirma que todas as criaturas mágicas estão sob as regras dos bruxos e os elfos são assassinados. Quem entre os Bruxos protesta? Hermione diz que eles se importam e como ela é “sangue ruim” ela não é melhor do que os goblins e elves sob as leis de Voldemort. Grampo pergunta o que Harry procura no cofre dos Lestrange, uma vez que ele tem a Espada de Gryffindor, a verdadeira; Harry responde que o cofre contém outros objetos. Grampo concorda em considerar a idéia mas agora quer dormir.

Mais tarde Harry conta a Ron e Hermione que a reação apavorada de Bellatrix, quando ela achou que eles estiveram em seu cofre, o convenceu que existe um Horcrux escondido lá. Embora os outros lugares onde Voldemort escondeu os Horcruxes eram importantes pessoalmente para ele, Harry acha que ele invejava qualquer um que tivesse um cofre em Gringotes, algo que apenas as famílias bruxas mais antigas podiam ter. Harry suspeita que Bellatrix e seu marido não sabem que estão guardando um Horcrux de Voldemort, assim como ele nunca revelou a verdade sobre o Diário de Tom Riddle para Lucius Malfoy. O lugar mais seguro para guardar alguma coisa é Gringotes.

Ollivander declara que a varinha quebrada de Harry não tem conserto. Ele também identifica as duas varinhas que foram trazidas da Mansão Malfoy. A primeira é de Bellatrix, de nogueira e corda de coração de dragão. A de Draco é de espinheiro e pelo de Unicórnio, embora ela possa não pertencer mais a Draco, porque Harry a capturou. Ollivander explica como as varinhas podem transferir sua lealdade—a varinha escolhe o bruxo. Embora um bruxo possa usar praticamente qualquer tipo de varinha, ela não será tão efetiva quanto a sua própria. Uma varinha conquistada, em geral, aceita o desejo de um novo mestre, e sua lealdade pode ser conquistada sem matar o oponente.

Ollivander identifica a varinha de nogueira e corda de coração de dragão como a que ele foi forçado a fazer para Peter Pettigrew. Ela servirá bastante bem para Ron se ele a capturar. Ollivander também explica sobre as varinhas lendárias que passaram de donos através de assassinato; ele acredita que haja na verdade apenas uma, e concorda que Voldemort está curioso sobre ela. Ollivander diz que foi torturado para confessar que as varinhas de Harry e de Voldemort tem miolos gêmeos. Ele aconselhou a Voldemort a usar outra varinha contra Harry, mas Harry diz que sua varinha destruiu a outra varinha, surpreendendo Ollivander; a varinha de Harry fez algo de único. Voldemort agora vai tentar achar uma varinha mais poderosa do que a de Harry. Harry acha que se Voldemort usar Prior Incantato, com a varinha tomada de Hermione, ele vai descobrir que foi um feitiço dela que quebrou a varinha de Harry e ela não conseguiu consertá-la.

Ollivander confirma que Voldemort quer a Elder Wand, acreditando que ela pode derrotar Harry e torná-lo invencível. No entanto o mestre da Elder Wand está sempre vulnerável a um ataque e Ollivander acredita que a Elder Wand pode mudar de dono sem assassinato; sua história sangrenta cresceu por causa de muitos que lutaram e morreram para possuir esse objeto desejável. Ollivander admite ter dito a Voldemort que Gregorovitch chegou a ter a Elder Wand mas acha que ele talvez tenha começado esse rumor para aumentar seu negócio. Ollivander nada sabe sobre as Relíquias da Morte ou a conexão da Elder Wand com elas.

Mais tarde no jardim do penhasco, Harry conta a Ron e Hermione que Gregorovitch chegou a possuir a Elder Wand, mas ela foi roubada por Grindelwald. Harry de repente, “vê” Voldemort se aproximando do portão de Hogwarts mas continua falando: com a Elder Wand, Grindelwald se tornou o mais poderoso Bruxo das Trevas de seu tempo. Apenas Dumbledore conseguiu derrotá-lo e assim, capturou a Elder Wand, que está sepultada com ele em Hogwarts. Ron quer ir até lá, mas Harry diz que eles devem apenas caçar os Horcruxes, não as Relíquias da Morte.

De repente tudo fica escuro e frio, então Harry vê a tumba de mármore branco. Voldemort a abre com sua varinha. Lá dentro jaz o corpo envolto de Dumbledore, a Elder Wand colocada sob seus braços dobrados. Voldemort pensa como Dumbledore podia acreditar que a tumba iria protegê-lo. Assim que ele agarra a varinha, saem faíscas de sua ponta. Ela está pronta para servir a um novo mestre.


AnáliseEditar

O comentário de Ollivander de que o mestre da Elder Wand deve sempre temer ataques é revelador, significa que quem quer que use a varinha com seus poderes superiores não se torna invencível, ele pode ser vulnerável bastante para ser conquistado. Nós vimos o mesmo aviso no Conto dos Três Irmãos, no qual o irmão com a Elder Wand foi assassinado enquanto dormia na noite seguinte em que ele usou a Elder Wand pela primeira vez num duelo.

Harry percebe que se Grindelwald era o ladrão louro que roubou a Elder Wand de Gregorovitch e Dumbledore o derrotou, mesmo sem tê-lo matado, a lealdade da varinha deve ter passado para Dumbledore. Considerando os poderes de Grindelwald e da varinha combinados, vemos um atestado das consideráveis habilidades mágicas de Dumbledore, que foi o vitorioso. Esse também é um testamento da humanidade de Dumbledore, que poupou Grindelwald, permitindo que ele permanecesse prisioneiro por seus crimes pavorosos, embora o relacionamento anterior de Dumbledore com Grindelwald possa ter misturado seus atos.

No entanto, essa decisão teve um preço: deixando Grindelwald vivo, deixou também uma pista direto para a Elder Wand. Harry deduz, corretamente, que Voldemort agora sabe que a Elder Wand existe e com certeza, a está procurando; Harry mais tarde observa Voldemort em Hogwarts, quando ele está pronto para procurá-la na tumba de Dumbledore.

Vendo como foi fácil para Voldemort pegar a varinha e sabendo de seus poderes, podemos talvez imaginar porque Dumbledore nunca fez outros arranjos para dispor dela quando de sua morte. Harry, agora percebe que sua obsessão com as Relíquias da Morte colocou em perigo sua missão. Ele abandonou o foco em procurar e destruir os Horcruxes, uma decisão que tomou a despeito de suas dúvidas sobre Dumbledore.

Harry sofre profundamente com a morte de Dobby, e sua escolha de cavar a cova manualmente, foi, para ele, uma forma de mostra seu respeito, gratidão e amor. O elfo doméstico foi, não só seu protetor, mas também um grande amigo que ofereceu sua vida para salvar Harry e os outros. Usando magia para escavar rápido e fácil um buraco fundo, não faria honra à bravura e heroísmo de Dobby, e Harry sente que precisa se esforçar fisicamente para reafirmar o sacrifício de Dobby antes de colocar seu amigo para descansar.

Também, para Harry, que é envolvido demais pela emoção, o esforço físico ajuda a aliviar a angústia e a ansiedade e lhe dá um tempo para refletir com calma e racionalmente sobre os acontecimentos recentes. A morte de Dobby, ao invés de incitar a raiva e a vingança em Harry, o focou apenas em derrotar Voldemort. Essa tragédia e suas consequências, não apenas ajudou Harry a ganhar maior perspectiva de sua missão, mas também permitiu que ele retomasse o comando. Harry, Ron e Dean também vestiram Dobby, um ato de homenagem a ele como um elfo livre, as roupas simbolizam sua independência. Harry também deixa marcada a independência de Dobby em seu túmulo para que todos vejam. Ron e Dean ajudando a cavar a cova não apenas mostra o respeito e gratidão por Dobby, mas também mostram solidariedade a Harry. Luna levando os outros a dizerem algumas palavras finais, é provavelmente um acontecimento raro em que os bruxos homenagearam um elfo doméstico.

Grampo agarrado na Espada de Gryffindor também deve ser notado pelos leitores. Harry está pedindo a Grampo para ajudá-lo numa missão supostamente impossível, e Grampo está relutante. Podemos calcular que o preço de Grampo para essa ajuda poderá ser a Espada sobre a qual se mostra muito possessivo.

Também o argumento de Grampo de que o Banco Gringotes é impenetrável, a despeito da invasão que houve no primeiro livro, certamente parece frágil. Ele pode estar tentando dissuadir Harry de ir em frente com esse plano arriscado. Se o Trio conseguir, no entanto, Gringotes vai ter que reestruturar seus sistemas de segurança para acalmar os clientes nervosos, que com certeza, escondem muitos segredos em seus cofres.


PerguntasEditar

RevisãoEditar

  1. Grampo de fato acredita que é impossível invadiro Gringotes? Como pode ser feito?
  2. O que Grampo quer dizer quando chama Harry de bruxo “estranho”? Por que Harry não sabe se isso é um elogio ou um insulto?
  3. Hermione afirma que nascidos trouxas tem a mesma posição social que os não-humanos sob as regras de Voldemort. Isso é verdade? Explique por que.
  4. Se a Elder Wand é a varinha mais poderosa do mundo, por que seu mestre está sempre vulnerável à derrota? Como Dumbledore conseguiu a lealdade da varinha, derrotando Grindelwald sem matá-lo?
  5. Gringotes é mesmo o lugar mais seguro para esconder algo, como Harry afirma? Explique.

Estudos AdicionaisEditar

  1. Por que Harry cavou a tumba de Dobby sem usar mágia? Por que Ron e Dean ajudaram da mesma forma?
  2. Por que Harry, Ron e Dean vestiram o corpo de Dobby antes de sepultá-lo?
  3. Por que Voldemort jamais revelou à Bellatrix e Lucius que os objetos que ele lhes entregou eram Horcruxes? O que eles teriam feito se soubessem?
  4. Sabemos que Voldemort jamais manteve seus planos de imortalidade escondidos de seus seguidores. Bellatrix Lestrange é uma bruxa do mal, claramente muito habilidosa, competente e fria, como ela não reconhece um Horcrux? Ou será que reconhece?
  5. Por que Voldemort tortura Ollivander para saber informações, ao invés de usar um feitiço de memória ou uma poção da verdade? Qual é o método mais confiável?
  6. Por que Dumbledore não matou Grindelwald no duelo? Embora deixá-lo viver tenha sido uma decisão humana, foi uma escolha inteligente? Explique.
  7. Por que Dumbledore queria ser sepultado com a Elder Wand, sabendo que Voldemort a recuperaria facilmente?

Visão CompletaEditar

SpoilerEditar

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Examinando as perguntas que Harry fez para Mr. Ollivander, podemos ver que Harry está tentando determinar quem é o atual mestre da Elder Wand. Harry sabe que Draco Malfoy tirou a varinha da mão de Dumbledore, e que ela não foi mais usada antes de ser colocada dentro do túmulo de Dumbledore. Harry também descobriu que uma varinha emprestada ou simplesmente dada a alguém como Ron fez com a varinha de abrunheiro que Ron o que faz dele provavelmente seu mestre atual.

As perguntas de Harry parecem preparadas para confirmar que sua teoria sobre a Elder Wand é verdadeira. Se for verdade Voldemort logo irá descobrir que a Elder Wand funciona com menos poder do que ele achava. A teoria oposta, é que a Elder Wand apenas muda de lealdade quando seu mestre é assassinado, e isso parece apoiado em sua história sangrenta; no entanto Harry deduz que Dumbledore comandava completamente a varinha, embora Grindelwald tenha ficado vivo, e Grindelwald, por sua vez, não teve que matar Gregorovitch para ganhar a total lealdade e poder da varinha. Embora Ollivander confirme essa teoria, Harry permanece na dúvida, e durante as próximas semanas, enquanto planeja o assalto a Gringotes e se recupere de seus ferimentos, Harry repetidamente imagina se está fazendo o certo, permitindo que Voldemort fique com a Elder Wand.

Apenas como uma nota, alguém pode pensar como Ron conseguiu usar a varinha que Harry deu a ele na Mansão Malfoy. Por sorte essa varinha era de Pettigrew, que Ron tinha tomado dele no porão. Depois foi confiscada por Draco, ela foi entregue por Ron ao invés de ser tomada dele, e por isso Ron provavelmente continuou sendo seu novo mestre. O fato de Harry ter tomado a varinha de Draco não foi relevante, uma vez que Draco nunca foi seu mestre.

Hermione reclama depois que a varinha de Bellatrix Lestrange não funciona bem para ela; isso é porque, estando quase inconsciente de dor, ela não tomou parte nos múltiplos desarmamentos. Portanto essa varinha agora é leal à última pessoa que a tomou, provavelmente Ron que a azarou das mãos de Bellatrix.

Essas explicações sobre as varinhas se torna importante nos capítulos finais. Dumbledore achava que era seguro ser sepultado com a Elder Wand porque tinha combinado que Snape iria matá-lo no momento oportuno. Como Dumbledore nunca foi derrotado, ele morreu de sua própria maneira, o poder da Elder Wand teria morrido com ele, Dumbledore. Isso pode ter sido parte do motivo de Dumbledore insistir em Snape matá-lo, ao invés de outro qualquer. No entanto, o plano foi frustrado quando a Elder Wand transferiu sua lealdade para Draco, que desarmou Dumbledore logo antes de Snape matá-lo. O novo dono foi desarmado por outra pessoa, Harry, que sem saber comanda agora a Elder Wand, porque controla a varinha de Draco, a arma específica com a qual Draco desarmou Dumbledore. Como explicou Ollivander, isso é capturar a varinha, ao invés de assassinar, isso altera a propriedade.

Embora Voldemort, fisicamente possua a Elder Wand, em parte, ele nunca ganhou sua lealdade e por isso foi derrotado por Harry na batalha final. Voldemort, que não sabia que a morte de Dumbledore pelas mãos de Snape foi combinada com antecedência e sem saber que foi Draco quem desarmou Dumbledore, acredita que Snape é o mestre da Elder Wand, então vai matar Snape na tentativa de ganhar a lealdade da varinha

Nesse tópico separado, vamos ver que Grampo concorda em ajudar Harry a invadir Gringotes, mas seu preço é a Espada de Gryffindor. Durante os próximos capítulos vamos ver que as idéias a respeito de propriedade dos goblins é bem diferente das dos bruxos; os goblins acreditam que quem fez o objeto mantém sua propriedade, e aquilo que os bruxos consideram uma venda, para os goblins é apenas um empréstimo a longo termo. Se é assim, a tiara de tia Muriel feita pelos goblins e a Espada de Gryffindor, deveriam, de acordo os goblins ser devolvidas a eles quando os donos originais morrerem.

Tão logo Grampo dá seu preço, vemos que haverá dificuldades. Harry vai querer o único objeto que ele sabe que pode destruir Horcruxes. Embora Harry e Ron decidam manter a Espada até que o último Horcrux seja destruído, só depois devolver para Grampo, esse plano dá errado, quando Grampo com a Espada na mão, abandona o Trio nos cofres profundos de Gringotes. A Espada, ajudada pelo Chapéu Seletor, no entanto, a Espada terá sua própria opinião de onde pertence.

Além de tudo isso, esse capitulo fornece uma pista sutil, revelando como Snape conseguiu enganar Voldemort, “talvez o maior Legilimencista que um dia o mundo conheceu”. Até agora, a verdadeira lealdade de Snape é ainda desconhecida para o leitor de primeira vez, e Rowling esconde uma pequena pista, mas significativa, para nos alertar da lealdade e dos métodos de Snape.

Assim que Harry sepulta Dobby, ele é dominado pelo pesar e pela gratidão pelo sacrifício de Dobby, então de repente, ele percebe que pode desligar os pensamentos de Voldemort quando quer e esquecer o latejar da cicatriz. Seus sentimentos de pesar são simplesmente avassaladores e a intrusão dos pensamentos de Voldemort são insignificantes em comparação. Finalmente ele aprende que não conseguia dominar as lições de Oclumencia– como fechar sua mente à intrusos. Harry percebe que o pesar permitiu que ele bloqueasse Voldemort. Isso foi parecido com a dor de quando perdeu Sirius e botou Voldemort para fora (final do livro 5), embora ali, tenhamos sido levados a crer que, parte do que expulsou Voldemort foi o amor de Harry por Sirius e a vontade estar com ele, ainda que apenas na morte.

Um leitor esperto pode perceber que a autora está simplesmente contando como Snape conseguiu enganar Voldemort. A tristeza profunda que deriva dos sentimentos de amor e compaixão, pode dar à mente poder para bloquear a intromissão de Voldemort. Assim como Dumbledore ensinou a Harry, o amor é o único grande poder sobre o qual Voldemort nada sabe, e é isso que vai derrotá-lo novamente. Os sentimentos profundos de Snape, de pesar, remorso e compaixão por Lily Evans deram a ele o poder de bloquear as tentativas de Voldemort de ler sua mente, da mesma forma que Harry descobre que em seu profundo pesar ele pode controlar a conexão com a mente de Voldemort.

Essa pista não é insignificante para a jornada de Harry, uma vez que a dor na cicatriz e sua impossibilidade de controlar o que aparecia em sua mente, tenha sido a maior trama da série antes desse momento. Harry compreende que o pesar por Dobby faz com que ele consiga bloquear Voldemort e isso é um momento fundamental em seu conflito com Voldemort; isso finalmente coloca Harry num caminho que lhe permite finalmente derrotar Voldemort mais tarde. Desse ponto em diante, Harry começa a considerar o poder que o amor teve sempre e a sua inutilidade contra Voldemort. Finalmente, isso o leva a uma decisão fundamental, sacrificar sua vida para proteger os outros e conseguir derrotar Voldemort no último capítulo. Dumbledore, ao que parece, sempre esteve certo.