Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/As Relíquias da Morte/Capítulo 36


Capítulo 36
A Falha no PlanoEditar

spoilerEditar

Aviso: Seguem detalhes do enredo.

SinopseEditar

De volta ao mundo dos vivos, Harry fica caído, mole, fingindo estar morto. Ouvindo os Comensais da Morte em volta de Voldemort, deduz que Voldemort também caiu inconsciente. Assim que levanta, ordena a Narcissa Malfoy que confirme se Harry está morto. Ouvindo uma leve batida do coração, ela pergunta baixinho se Draco está vivo. Harry sussurra “sim”. Narcissa sabendo que só poderá entrar no castelo junto dos Comensais da Morte, conquistadores, mente e confirma que Harry está morto. Para “provar” que Harry é apenas um corpo, Voldemort usa a Maldição Cruciatus e lança o corpo no ar; Harry com cuidado permanece mole, sem sentir dor alguma vinda da maldição de Voldemort. Voldemort força Hagrid, desfeito em lágrimas, a carregar Harry enquanto o grupo todo sai da Floresta Proibida. Ao passar pelos Centauros, Hargrid os acusa de ficarem sentados e deixarem o mal vencer. Voldemort chama os defensores de Hogwarts para verem o herói caído. Ele ainda anuncia que Hogwarts terá apenas uma Casa, Slytherin. Ele convida Neville, um sangue puro, a se juntar a ele. Neville se recusa e ataca, apenas para ser pego pelo feitiço Petrificus Totalus Voldemort convoca o Chapéu Seletor lá do escritório do diretor e o coloca na cabeça de Neville tacando fogo nele.

Diversas coisas acontecem ao mesmo tempo. As famílias dos alunos que foram mandados para casa, chegam dando gritos de guerra enquanto sobem nos muros externos. Os Centauros atacam os Comensais, acabando com a tal neutralidade. Grope reaparece na esquina, chamando por Hagrid.

Neville se livra do feitiço que prendia seu corpo. Agarrando a Espada de Gryffindor que apareceu de dentro do Chapéu Seletor, ele a ergue e de um golpe corta a cabeça de Nagini, destruindo o último Horcrux. Harry, escondido pela Capa da Invisibilidade pula e lança um feitiço de escudo entre Voldemort e Neville.

A batalha recomeça e os Comensais da Morte recuam da nova ameaça que agora inclui os Thestrals e Bicuço, entram no castelo. Harry, sob a Capa, vai para o Salão de Entrada, procurando por Voldemort. Lá dentro, os elfos domésticos liderados por Monstro, estão atacando os tornozelos dos Comensais com facas de cozinha.

Voldemort está duelando, simultaneamente com McGonagall, Slughorn e Kingsley. Bellatrix também está lutando com Hermione, Ginny e Luna. Quando a maldição de Bellatrix quase pega Ginny, uma furiosa Molly Weasley empurra as três garotas para o lado e enfrenta Bellatrix sozinha. Enquanto elas duelam furiosamente, Molly grita que outro Weasley jamais será ferido e lança uma maldição poderosa diretamente no peito de Bellatrix, matando-a. A fúria de Voldemort ao perder sua seguidora mais devotada, empurra McGonagall, Kingsley e Slughorn para trás. Quando Voldemort se vira para Molly, Harry lança um feitiço de escudo entre eles, depois tira a Capa se revelando para a multidão completamente estupefata.

Harry manda que todos fiquem para trás – a batalha agora é entre ele e Voldemort. Eles giram em círculos, um ao redor do outro. Voldemort afirma que Harry ainda está vivo porque se esconde sempre atrás de bruxos melhores, que se sacrificam por ele. Harry grita para Voldemort, a quem ele chama de Tom Riddle, para que sinta remorso por suas maldades. Então ele diz que Dumbledore foi muito mais esperto, planejando sua própria morte e que Snape nunca foi o mestre da Elder Wand. O verdadeiro mestre era Draco Malfoy, que sem perceber ganhou a lealdade da varinha quando desarmou Dumbledore, logo antes de Snape matá-lo na Torre de Astronomia. Quando Harry dominou Draco na Mansão Malfoy e tomou sua varinha, a Elder Wand lhe transferiu a lealdade; Harry lembra a Voldemort que “A varinha escolhe o Bruxo”.

Repentinamente, o sol que nasce ilumina os dois duelantes. Voldemort lança um Avada Kedavra enquanto Harry conjura simultaneamente um Expelliamus. Mas a maldição da morte de Dumbledore ricocheteia, refletida pela proteção do sangue de Harry e pela lealdade da Elder Wand, esta, pula da mão de Voldemort para a de Harry. Com todos os Horcruxes destruídos Voldemort morre instantaneamente.

Uma celebração de vitória irrompe no Grande Salão, mas também uma terrível tristeza por todos os mortos na batalha, inclusive Lupin, Tonks, Fred e Colin Creevey. Buscando um pouco de solidão, Harry se esgueira com Ron e Hermione e conta tudo o que soube desde que se separaram. Eles entram no escritório do diretor onde os retratos os cumprimentam com estrondosos aplausos. Harry conta ao retrato de Dumbledore que jamais vai procurar pela Pedra da Ressurreição na Floresta Proibida. Que vai manter a Capa da Invisibilidade como lembrança de família e que a Elder Wand será devolvida à tumba de Dubledores desejando que o poder da varinha eventualmente morra com sua morte. Dumbledore concorda e aprova. Harry usa então a Elder Wand para consertar sua própria varinha, quebrada. Embora Ron fique desapontado porque a Elder Wand será devolvida à tumba de Dumbledore, Harry prefere a familiaridade de sua velha varinha. Ele conclui que a Elder Wand será mais confusão do que vale à pena e que ele “já teve confusões demais por uma vida”.

AnáliseEditar

A longa e intrincada história, com cada peça do quebra cabeças colocada em seu lugar e as perguntas de Harry finalmente respondidas; Voldemort foi derrotado e Harry agora sabe que Dumbledore de fato o amava. E, embora Dumbledore tenha dado a Harry a missão de localizar e destruir os Horcruxes, ele sabia que Harry precisava de ajuda.

Finalmente, cada fragmento de alma foi destruída por uma pessoa diferente: Dumbledore destruiu o Anel de Gaunt; o Medalhão de Slytherin foi impalado por Ron; Hermione espatifou a Taça de Hufflepuff; e Neville arrancou a cabeça de Nagini. Até os inimigos de Harry mesmo sem intenção ajudaram Harry destruindo o fragmento que estava em Harry com sua própria maldição da morte, e o Diadema de Ravenclaw foi destruído pelo Fiendfyre que Crabbe conjurou. Harry destruiu apenas um o Diário de Riddle.

No entanto ele foi significativo para identificar e localizar a Taça e o Diadema, embora tenha sido Luna quem sugeriu isso mais tarde. Harry decidiu destruir os Horcruxes sozinho, um ato que poderia levar anos e ele poderia ter falhado. Ao invés de agir sozinho, ele decidiu confiar nos outros. Tendo cada Horcrux destruído por uma pessoa diferente, Rowling mostra que Harry é a soma de diversas partes, com essas partes incluindo os amigos, apoio, lealdade, amor e companheirismo, especialmente Ron e Hermione.

Draco também teve um papel especial—sua recusa em identificar positivamente Harry na Mansão Malfoy, ajudou sua fuga. Embora Draco tenha dificilmente se redimido, sua alma permanece intacta, dando a ele a oportunidade de se tornar uma pessoa melhor do que a maioria de sua família.

Também o fato de Voldemort atirar Harry usado a Maldição Cruciatus sem lhe inflingir dor, é uma pista sutil para os leitores de que a lealdade da Elder Wand pertence a Harry— ela não feriria seu verdadeiro mestre. Harry foi continuamente criticado por seus mentores por usar Expelliarmus como feitiço. Durante o confronto final com Voldemort, Harry sabia que era o verdadeiro mestre da Elder Wand. Ele então usa Expelliarmus para tirar a varinha da mão de Voldemort e então tomá-la, enquanto a Maldição da Morte ricocheteia em seu corpo, atingindo Voldemort. Fazendo o previsível, Harry agiu de modo imprevisível e derrotou Voldemort, não o matando, mas permitindo que a natureza cruel do Lorde das Trevas fizesse o seu trabalho, sem intenção ele matou a si mesmo.

Harry é vitorioso por causa de sua paciência, persistência e por construir alianças, ao invés de executar seus inimigos. Durante toda a série Harry nunca matou ninguém. Harry também aprendeu que a morte, o pesar e a perda são essenciais e são partes inevitáveis da vida; fugir deles é impossível, e confrontá-los apenas os faz mais fortes. Quando Harry promete a Dumbledore que a Pedra da Ressurreição será abandonada na Floresta Proibida, vemos que ele não apenas aceitou a finalidade da morte mas, compreendeu isso, se tornando então o verdadeiro mestre.

Ele decide nunca mais conjurar os espíritos de seus pais, compreendendo que nunca seria uma verdadeira ressurreição e que os mortos devem ser deixados em paz. Cuidando para que James, Lily, Sirius e Lupin tenham uma existência agradável e serena. Harry fica contente ao pensar que um dia estarão todos reunidos. Agora Harry pode seguir adiante e viver uma vida plena, satisfatória e produtiva, ainda que marcada por uma tristeza constante. E, ainda que Harry aceite que as pessoas e coisas que ele amou e perdeu nunca mais possam ser recuperadas com ou sem magia, há apenas uma única exceção, sua varinha. magic, there is one exception: his wand. Alguns leitores, como Ron, podem discordar da decisão de Harry de devolver a Elder Wand para a tumba de Dumbledore, mas Harry percebe que ela é uma arma tão poderosa e cobiçada para ele usá-la com segurança. Se algum dia ficarem sabendo que ele comanda a varinha, ele terá que ser constantemente vigilante contra potenciais atacantes procurando pela varinha, que poderiam apenas desarmá-lo durante um momento de distração.


Se algum leitor ainda acredita, depois de ler o último livro da série, que Neville deveria ser escolhido para a Hufflepuff ao invés da Gryffindor, eles apenas precisam lembrar as palavras de Dumbledore para Harry no segundo livro “que apenas um verdadeiro Griffindor poderia puxar a Espada de dentro do Chapéu”. O papel da Espada completa aqui, seu papel e foi perfeito porque Neville deveria erguê-la assim como fez Harry quando matou o Basilisco. Harry ter matado o Basilisco empoderou a Espada com o veneno da fera. Cumbledore depois usou a Espada para destruir o Anel Horcrux e Ron para destruir o Medalhão. Agora, como já havia ocorrido com Harry, o Chapéu presenteia a Espada para Neville, entre todos os Griffindors, é aquele que corta a cabeça de Nagini, o último Horcrux permitindo que Voldemort possa ser morto por sua própria mão diabólica.

A espada sempre é considerada a arma do herói e Neville agiu de fato, heroicamente. Isso também vai ligá-lo a Harry, que nunca perdeu a fé em Neville, em que ele conseguiria, se ele ou Ron ou Hermione falhassem ao matar Nagini. Neville era o favorito entre os fans e muitos ficaram felizes porque ele, no final, recebeu sua parte da vitória.

A morte de Lupin e de Tonks dois dos personagens mais queridos, não apenas entristeceu Harry mas deixou órfão seu único filho. Portanto, não é coincidência que Harry, o padrinho do menino também seja um órfão. Tanto Lupin quanto Tonks sabiam que havia grande probabilidade de serem mortos, deixando seu filho Teddy para ser criado sem os pais. Embora ambos amassem e admirassem Harry e acreditassem que ele seria um padrinho carinhoso e responsável, eles também sabiam que sua própria experiência em crescer sem mãe e pai iria ajudá-lo a guiar a ser um bom mentor para o jovem Teddy, de uma forma que poucos outros conseguiriam. Essa compreensão sobre a natureza de Harry pode ser vista e confirmada pela explosão de Harry com Lupin, bem antes. Tanto Harry quanto Teddy perderam seus pais para Voldemort e Lupin e James foram amigos queridos e leais, isso criou especialmente uma ligação forte entre padrinho e afilhado, mais até do que a que Harry partilhou com Sirius Black.

Hagrid gritando para os Centauros, que se recusavam a participar da batalha porque não queriam interferir em problemas humanos, parece que os envergonhou o suficiente a ponto deles se unirem contra os Comensais da Morte.

Também os elfos domésticos de Hogwarts, que Ron queria proteger antes da batalha, mostraram que a falta de estima dos bruxos sobre eles, era incorreta, ao invés de se esconder com medo, como uma grande parte dos bruxos esperaria, os Elfos atacam os Comensais da Morte. Nesse ataque eles são comandados por Monstro, um personagem detestado, odiado, um elfo doméstico que se opunha e fazia pouco de Harry, mas, eventualmente conseguiu o respeito e carinho de Harry, quando retornou para ele por lealdade e gratidão.

PerguntasEditar

RevisãoEditar

  1. Por que Draco (por pouco tempo e sem saber) foi mestre da Elder Wand?
  2. Como Harry se tornou o novo mestre da Elder Wand?
  3. Quem Dumbledore pretendia que fosse o mestre da Elder Wand e por que?
  4. Por que Narcissa Malfoy avisa a Voldemort que Harry está morto, sabendo que ele está vivo?
  5. Por que Harry sente que é justo manter a Capa da Invisibilidade mas não as outras Relíquias?
  6. Por que Harry não sente dor alguma quando Voldemort usa a Maldição Cruciatus nele?
  7. Por que a Maldição Avada Kedavra de Voldemort bate e volta matando-o ao invés de Harry?
  8. Por que o sacrifício de Harry protege aqueles que estão lutando contra os Comensais da Morte, mas não Lupin, Tonks e Fred?

Estudos AdicionaisEditar

  1. Por que os Centauros acabam com sua neutralidade e entram na batalha contra Voldemort?
  2. Por que Voldemort confia em Narcissa Malfoy para confirmar se Harry está morto ou não?
  3. Como Molly Weasley consegue derrotar Bellatrix Lestrange, uma bruxa extremamente poderosa e cruel? As ações de Molly são atos de guerra ou vingança pessoal?
  4. As “sombras” que Harry invocou da Pedra da Ressurreição são na verdade as almas de seus entes queridos? Se não, o que seriam?
  5. Por que Harry escolheu seu feitiço assinatura Expelliarmus, ao invés de outro feitiço para atacar Voldemort, em seu duelo final?
  6. Qual poderia ser o final da história, se Harry, o verdadeiro mestre da Elder Wand estivesse usando-a ao invés de Voldemort?
  7. Por que Dumbledore o antigo mestre da Elder Wand, não conseguiu derrotar Voldemort com ela durante a Batalha no Departamento de Mistérios?
  8. Por que Harry, agora mestre da Elder Wand, escolheu voltar secretamente ao túmulo de Dumbledore? O que Harry diz sobre isso e o que ele pretende com isso?
  9. É possível que outro bruxo possa conseguir a lealdade da Elder Wand? Se sim, como?
  10. O que pode fazer com que Harry recupere a Elder Wand do túmulo de Dumbledore futuramente?
  11. O que impede que a varinha seja roubada do túmulo de Dumbledore?
  12. Que circunstâncias podem fazer Harry encontrar e usar a Pedra da Ressurreição?

Visão CompletaEditar

SpoilerEditar

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.


A decisão de Harry, de secretamente devolver a Elder Wand ao túmulo de Dumbledore coloca um problema interessante; nunca foi especificado como o túmulo ficou protegido contra outro bruxo das Trevas. De acordo com Mr. Ollivander , a despeito do poder da Elder Wand, seu mestre está sempre vulnerável a um ataque. Voldemort conseguiu traçar a história da varinha e seguir até Hogwarts onde facilmente abriu o túmulo.

Sem as proteções adequadas, a varinha pode ser novamente recuperada do túmulo de Dumbledore. E mesmo assim, parece que Voldemort sumiu com todas as pistas matando a maioria daqueles que sabiam que ela existia, outro bruxo das Trevas pode talvez retraçar essas pistas. E, embora Harry seja o mestre da varinha, e ela vai reagir de maneira fraca com qualquer outra pessoa, se Harry for desarmado durante um momento distraído, mesmo que esteja usando sua própria varinha, como Harry fez com Draco e Draco fez com Dumbledore, a lealdade da Elder Wand pode ser transferida para um atacante que, possivelmente também poderia roubá-la. Harry teria que ser especialmente vigilante ao se proteger e à Elder Wand, uma missão difícil considerando sua profissão futura, Auror.