Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/As Relíquias da Morte/Capítulo 5


Capítulo 5
O Guerreiro CaídoEditar

spoilerEditar

Aviso: Seguem detalhes do enredo.

SinopseEditar

“– Patético! Com um mundo de piadas sobre ouvidos para escolher, você me sai com “mouco” Fred para George.”


Depois que Harry e Hagrid aterrissaram na casa de Ted Tonks, Harry foi tratado de seus ferimentos. Ted Tonks diz a Harry que Voldemort não podia matar Harry porque a Ordem colocou feitiços protetores em volta da casa dos Tonks, fazendo com que Voldemort e os Comensais da Morte desaparecessem, assim que Harry se aproximou.

Hagrid que, pela última vez foi visto inconsciente esparramado no chão, aparece na porta, acalmando Harry. A esposa de Ted Tonks, Andromeda, chega junto dele na porta, ela parece tanto com sua irmã Bellatrix Lestrange, que Harry rapidamente procura sua varinha para se defender.

A escova de cabelos Portal no quarto de Tonks transporta Harry e Hagrid para a Toca, onde os membros da Ordem devem se encontrar. Apenas Molly e Ginny estão lá quando Harry chega. Ouvindo o que aconteceu, Molly fica nervosa— dois outros grupos, Tonks com Ron e Arthur com Fred estavam marcados para chegar antes de Harry. Lupin é o próximo a chegar com George cuja orelha foi cortada pela maldição das trevas, Sectumsempra, de Snape e deixou uma ferida impossível de consertar.

Acreditando que um dos membros da Ordem os traiu, Lupin testa a identidade de Harry, perguntando, “Qual era a criatura que ficava no canto do meu escritório quando Harry foi lá pela primeira vez?” Harry responde corretamente que era um Grindylow, deixando Lupin tranquilo. Lupin acredita que o fato de Harry usar Expelliarmus provavelmente o identificou para os Comensais; esse se tornou o feitiço assinatura de Harry, uma vez que foi usado com sucesso contra Voldemort dois anos antes. Lupin insiste duramente que Harry use feitiços defensivos fortes. Quando Kingsley Shacklebolt e Hermione chegam, Lupin também verifica a identidade de Shacklebolt. Mr. Weasley e Fred chegam a seguir, os próximos são Tonks e Ron em suas vassouras. Eles ficaram atrasados depois de encontrar Bellatrix Lestrange e seu marido Rodolphus a quem eles feriram seriamente.

Shacklebolt parte dizendo que ele já está atrasado para ir á Downing Street. Bill e sua noiva Fleur chegam, mas eles são a última dupla. Quem está perdido é Olho-Tonto Moody que foi morto por Voldemort e também o companheiro de Moody, Mundungus que fugiu do local. Mundungus é suspeito de ser o traidor, mas isso é rapidamente deixado de lado, uma vez que Voldemort nada sabia sobre os clones de Harry, que foi sugestão de Mundungus.

Harry anuncia subitamente que ele está pondo todos em perigo e precisa partir. Todos imediatamente reclamam, insistindo em que Voldemort não pode saber onde ele está. Cercado, Harry vai para ao jardim. De repente a dor explode em sua cicatriz, e ele vê Voldemort torturando Mr. Ollivander, o artesão das varinhas. Voldemort quer saber por que a varinha de Lucius Malfoy falhou contra Harry e como a varinha de Harry pode destruí-la. Ron e Hermione chegam e pedem a Harry para ficar. Harry conta a visão e Hermione argumenta que ele tem que fechar sua mente para Voldemort.


AnáliseEditar

Embora esse capitulo dê mais ênfase à ação e envolva na trama mais de um personagem, a morte de Olho-Tonto não é a maior perda para a Ordem, mas tem um profundo efeito sobre Harry, que teima em não mais colocar os outros em risco de vida para protegê-lo. Harry, no entanto, ainda não consegue compreender perfeitamente, que Voldemort ameaça toda a comunidade mágica, não apenas a ele, ou que o Lorde das Trevas não pode ser derrotado por apenas uma pessoa. Voldemort agora, parece ter a maior vantagem, e seu poder está crescendo. Os Comensais da Morte sabiam exatamente quando e onde Harry seria deslocado; a forte segurança da Ordem foi quebrada: apesar da meticulosa preparação, o plano secreto para levar Harry para uma casa segura vazou, indicando que pode haver um espião na Ordem da Fênix.

Caso isso seja verdade, poderia ser alguém com ligação próxima a Snape, uma vez que ele deu a Voldemort as informações sobre os planos da Ordem. O membro da Ordem, Mundungus Fletcher, sem dúvida de péssima reputação, foi o primeiro suspeito, embora sua lealdade, até então, não tenha sido posta em dúvida. Mesmo assim, essa idéia foi logo abandonada porque Voldemort e seus Comensais não sabiam sobre os clones de Harry, que foi sugerido por Mundungus. Quem então, deu a dica para Snape, e através dele para Voldemort?

Lupin censura Harry por reagir de modo muito previsível e fraco durante o ataque, traços de seu caráter que seus inimigos já exploraram antes e tragicamente contribuiu para a morte de Sirius no Ministério da Magia. O motivo é Harry conjurar Expelliarmus, um simples feitiço para desarmar, ao invés de usar um feitiço defensivo muito mais forte durante o duelo no cemitério, fizeram com que os Comensais da Morte identificassem esse feitiço como assinatura de Harry. Portanto, quando Harry o usa contra Stan Shunpike durante a perseguição, imediatamente os Comensais o reconhecem e chamam Voldemort. Harry argumenta que estava protegendo Shunpike, e acreditava que ele estava agindo sob a Maldição Imperius. Só que isso não faz com que Lupin mude de opinião, e pode indicar que Harry seja ainda muito jovem e inexperiente para ser um completo membro da Ordem.

Também é incerto que Harry queira ou possa mudar, porque ele sempre achou conforto e força na familiaridade. No entanto, se Voldemort tem que ser derrotado, parece que Harry terá que achar outras estratégias. Harry também demonstra como se sente sozinho querendo deixar a casa segura num esforço errado de proteger os outros, embora sua partida pouco faria para proteger alguém ou alterar o curso da guerra que se aproxima.

Embora não seja enfatizado nesse capitulo, esse talvez seja o ponto chave: Harry ainda parece estar convencido que de a missão de Dumbledore é apenas sua, ainda que Dumbledore antes o tenha encorajado a conversar com Ron e Hermione, e também com outros, durante os seis anos anteriores. Essa é uma reação natural à morte de Moody e ao ferimento de George; Harry sentia, no inicio, e ainda sente, que ele jamais mereceu sua fama, e assim ele crê que não tem mérito o esforço feito para sua proteção, especialmente quando esse esforço aumenta significativamente o perigo para seus amigos e aliado. Harry ainda precisa entender que sua presença não aumenta muito o perigo para aqueles que ele ama; Voldemort vai matar todos os que se opõe a ele, e a Ordem vai lutar contra Voldemort mesmo sem a presença de Harry. Harry, no entanto, é “o escolhido” e se tornou a luz que ajuda a unir e manter a esperança para todos aqueles que lutam contra o Lorde das Trevas.


PerguntasEditar

RevisãoEditar

  1. Snape conseguiu curar Draco Malfoy dos cortes do Sectumsempra no livro anterior. Por que Mr. e Mrs. Weasley não conseguem fazer a orelha de George crescer, se foi cortada pelo mesmo feitiço?
  2. Por que Harry quer abandonar a Toca? Essa é uma decisão inteligente? O que o faz voltar atrás?
  3. Por que Harry age de forma tão previsível? O que Lupin diz a ele?

Estudos AdicionaisEditar

  1. É possível que um traidor dentro da Ordem deu a dica para Snape e Voldemort sobre Harry sair da casa dos Dursleys? Se é assim, quem poderia ser?
  2. Se não há um traidor dentro da Ordem, como Voldemort descobriu o plano secreto?
  3. Por que Voldemort está mantendo Mr. Ollivander prisioneiro?


Visão CompletaEditar

SpoilerEditar

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

A decisão de Harry de ver os pensamentos de Voldemort deixa Hermione aborrecida, como deveria mesmo; foi através desse canal com Harry que Voldemort implantou uma falsa visão que levou à morte de Sirius no quinto livro.

Na verdade, Voldemort acha a mente de Harry um lugar extremamente desconfortável para ficar; o amor de Harry por seu padrinho e pelos outros o arrancaram da mente do rapaz. Dumbledore achava que Voldemort havia fechado esse caminho, no livro seis, porque não conseguia lidar com as lembranças e emoções de Harry. Harry acredita que se ele continua sabendo que imagens falsas podem ser implantadas, Voldemort não vai conseguir enganá-lo novamente, embora Ron e Hermione não acreditem muito nisso. Sem que Voldemort saiba, Harry ocasionalmente dá uma olhada nos pensamentos dele, eventualmente, através do livro, e essas imagens não vão servir de nada.

Olho-Tonto Moody foi presumivelmente morto no ataque, pelos Comensais da Morte, ainda que os membros da Ordem nunca tenham localizado seu corpo. Harry mais tarde vai recuperar o olho mágico de Moody no escritório de Dolores Umbridge, no Ministério da Magia, mas não se sabe se os Comensais encontraram o corpo. Isso deixa em aberto a pequena possibilidade de que Moody pode ter sobrevivido ao ataque, deixando o olho onde pudesse ser encontrado, e agora esteja escondido. Até mesmo Ron acredita que ele possa estar vivo e tenha se escondido em algum lugar, mas Harry e Hermione não acreditam nisso. Considerando como Moody tinha se tornado paranoico, dificilmente seria surpresa que ele tivesse se escondido até mesmo dos amigos e aliados, e provavelmente até muito depois de acabada a guerra. Moody poderia até reaparecer numa futura sequencia de Harry Potter (caso Rowling escrevesse uma). No entanto Olho-Tonto faz uma aparição nessa série, quando Harry, Hermione e Ron se refugiam em Grimmauld Place, a voz de Moody “dá boas vindas” a eles quando eles entram— esse é um dos feitiços que guardam o antigo quartel-general da Ordem, dos intrusos. A imagem de Dumbledore também é outro feitiço que aparece em Grimmauld Place. Rowling pode ter deixado pistas sutis de que ainda não foram ouvidas ou vistas as últimas aparições de Alastor “Olho-Tonto” Moody ou Albus Dumbledore.

A orelha decepada de George pode na verdade prenunciar um evento mais trágico envolvendo a família Weasley, mais tarde nesse livro.