Civilizações da Antiguidade/Os bárbaros


Os bárbaros


Quando, por volta de 406, um bando de nômades germânicos atravessou o congelado rio Reno entrando no fabuloso império romano, o fato entrou para historia como invasão dos bárbaros.

capacetes bárbaros - museu Detroit

Mas, nem tão bárbaros, nem tanta invasão.

Podemos perguntar: Como um bando de guerreiros errantes sujeitou o grande e poderoso império romano?

De volta teremos milhares de respostas.

Não gregos=bárbarosEditar

Ainda antes de Roma se tornar um império, os gregos já eram a civilização invejada.

Na verdade os gregos viam a si mesmos como a elite, diferentes do resto do mundo, eles eram pessoas civilizadas. Quem não falava sua língua era um bárbaro.

 
dançarina grega – século 4

A sociedade grega era fechada, não permitia a introdução de estrangeiros, embora fosse gentil e hospitaleira com os estrangeiros com quem mantinha relações comerciais e diplomáticas, os considerava inferiores para efeito de conviver com eles.

Ainda que vencida pelo império romano em 147 a.C. e anexada a Roma, os gregos ainda consideravam os romanos como bárbaros.

 
fundações de um templo dórico – Grécia

Os romanos, que absorveram os valores culturais, políticos e artísticos da Grécia, também se referiam aos povos nômades, aqueles que tinham hábitos não românicos, como bárbaros.

E, quem diria que uma invasão bárbara foi o embrião da Grécia antiga?

A bela civilização micênica, ancestral da Grécia, foi invadida pelos dórios, que podemos chamar, os primeiros bárbaros da história.

Desse choque em que os micênicos foram derrotados e sua civilização destruída, séculos depois nasceria a orgulhosa civilização grega.

Nem tão bárbarosEditar

Guerreiros sim, analfabetos sim, assustadores, talvez pela sua compleição física, suas vestimentas e seu vigor, mas não selvagens.

Os chamados bárbaros englobam muitas tribos e nem todas eram tão violentas.

Esses povos eram vistos como rudes e ignorantes pela sociedade romana, mas não tinham os vícios que minavam a população do império.

 
bárbaros entrando no império romano no séc. 3

Violentos podem ser chamados os circos romanos, o martírio dos cristãos, as lutas de gladiadores.

Mesmo não sabendo ler nem escrever, suas tradições eram enraizadas e transmitidas de forma oral.

 
capacete trácio feito de bronze e prata

Eram povos religiosos, embora adorassem deuses diferentes, tinham seus rituais. Foram considerados pagãos porque adoravam deuses não reconhecidos pelos romanos.

Introduziram no império o uso das calças, vestimentas de peles, o uso do sabão, da manteiga, os cereais como aveia e centeio.

Respeitavam uma hierarquia militar e de modo geral eram povos com hábitos rígidos e valores familiares.

Para eles, as orgias, banquetes exagerados e perversões praticadas pela sociedade romana eram hábitos desconhecidos.

Tribos migratórias, tribos encurraladasEditar

O enorme império romano tinha um sério problema com relação as fronteiras.

 
o império huno

Era formado por 6 milhões de quilômetros quadrados, e ia de Portugal ao Iraque, do norte da África a Inglaterra.

Era impossível manter um controle de tantas terras diante do assédio dos povos em migração.

Na verdade, em diversas ocasiões pequenos grupos atravessavam as fronteiras para viver dentro das terras imperiais. A isso se chamava deslocamentos.

Os grupos eram pequenos e se adaptavam aos costumes locais.

Também havia bárbaros dentro do império por escravidão e servindo ao exército romano por vontade própria eram integrados ao exército, em diversos casos chegando a possuir altas patentes.

 
Átila o rei dos hunos – museu na Hungria

As invasões mesmo, ocorreram quando os hunos, em 370, liderados por Átila, saíram das estepes asiáticas na direção da Europa. Estes sim, eram como um tsunami, destruindo tudo o que havia no caminho.

Então, imagine os povos que estavam vivendo tranquilamente ao ter notícias de que os guerreiros hunos se aproximavam. Dentro de algumas tribos, parte da população se adaptava aos costumes dos hunos, e aceitava o domínio. Outros fugiam procurando um lugar seguro.

O problema era que os locais seguros pertenciam ao império romano.

Então, o resultado foram as invasões. Tudo pela sobrevivência.

Muitas dessas migrações mais violentas foram causadas por tribos em fuga.

Imagine as tribos no caminho de Átila, chamado o flagelo de Deus?

Apenas 106 anos depois desse furacão passar pela Europa, o império romano do ocidente desabou.