Diferenças entre edições de "Logística/Gestão de desperdícios e rejeitados/Sistemas de tratamento e destino final/Incineração"

Ac
(Actualização)
(Ac)
{{Nav2|'''[[Logística/Gestão de desperdícios e rejeitados/Sistemas de tratamento e destino final|Sistemas de tratamento e destino final]]'''|[[../Aterros sanitários|Aterros sanitários]]''|[[../Outros tratamentos de resíduos|Outros tratamentos de resíduos]]}}
 
 
Segundo [[Logística/Referências#refbWilliams|Williams (2005, p. 245-248]]), uma alternativa aos Aterros Sanitários (AS), que são dominantes no tratamento de resíduos na maioria dos países, resíduos que possuam materiais combustíveis podem ser incinerados ou queimados. A incineração consiste na oxidação do material combustível existente nos resíduos com o intuito de produzir calor, vapor de água, oxigénio, nitrogénio e dióxido de carbono. Para o tratamento dos gases emitidos para a atmosfera, provenientes da combustão, é necessário sistemas de limpeza bastante dispendiosos, complexos e extensos. Embora exista legislação para este processo, a Directiva da CE de Incineração de Resíduos ou ''EC Waste Incineration Directive'', existe também oposição pública à incineração de resíduos. A incineração continua a ser uma via pouco prioritária para o destino dos RSU, na maioria dos países europeus. Contudo, devido à necessidade económica os incineradores modernos possuem recuperação de energia, feita através de turbinas a vapor de altas temperaturas e de sistemas de aquecimento. Para alguns resíduos comerciais e industriais perigosos e <b>low throughput(?)</b>, a recuperação de energia torna-se um objectivo secundário e a incineração passa a ser a forma de eliminação.
A incineração apresenta algumas vantagens comparativamente com os AS:
 
:• Os resíduos são reduzidos a cinzas (um produto biologicamente estéril) que para os resíduos sólidos municipais é aproximadamente 10% do seu volume pré-queimado e 33% de seu peso pré-queimado.
 
:• Pode ser usada como fonte de baixo custo pois produz vapor utilizado posteriormente para: gerar energia eléctrica, aquecer processos industriais ou água quente para o aquecimento urbano, conservando os valiosos recursos energéticos primários.
 
:• É a melhor opção ambiental para muitos resíduos perigosos, tais como altamente inflamáveis, voláteis, tóxicos e resíduos infecciosos.
 
:• Pode ser normalmente realizada perto do ponto de recolha de resíduos. Sendo que o número de aterros sanitários próximos ao ponto de geração de resíduos é cada vez menor sendo necessário haver transporte de resíduos a longas distâncias.
 
:• Não produz metano, ao contrário do aterro. O metano é um gás que provoca o efeito estufa e contribui de maneira significativa para o aquecimento global.
 
:• Os resíduos das cinzas podem ser usados para recuperação de materiais ou como agregados secundários para a construção.
 
Contudo, também possui desvantagens em relação aos mesmos:
 
:• Geralmente há custos muito mais elevados e longos períodos de recuperação, devido ao elevado investimento de capital.
 
:• Há, por vezes, falta de flexibilidade na escolha de eliminação de resíduos, pois a incineração apenas é escolhida se o custo de capital elevado do incinerador for vinculado nos contratos de longo prazo.
 
:• O incinerador é projectado sobre a base de um certo valor calorífico dos resíduos. A remoção de materiais como papel e plástico para reciclagem pode reduzir o valor global calorífico dos resíduos e, consequentemente, pode afectar o desempenho do incinerador.
 
:• Apesar de incineradores modernos cumprir a legislação em vigor emissões há algum interesse público que os níveis emitidos ainda pode ter um efeito adverso sobre a saúde.
 
:• O processo de incineração produz ainda resíduos que precisam ser geridos.
 
; Processo de Incineração
224

edições