A Cidade do Rio de Janeiro no Século XVII/A Cidade Desce o Morro: diferenças entre revisões

Adicionei informação.
[edição não verificada][edição não verificada]
(Melhorei o texto.)
(Adicionei informação.)
Em 1609, a atual Lagoa Rodrigo de Freitas se chamava Lagoa de Amorim Soares, mesmo nome do proprietário das terras ao redor da lagoa. A região era ocupada pela cultura da cana-de-açúcar. Nesse ano, as terras foram vendidas para Sebastião Fagundes Varela, que passou a ter a posse de toda a região desde o atual bairro do Humaitá até o bairro atual do Leblon. A lagoa então passou a se chamar lagoa do Fagundes. No mesmo ano, teria sido construída uma pequena ermida em homenagem a Nossa Senhora da Candelária por um casal de espanhóis que teria se salvado miraculosamente do naufrágio de um navio chamado Candelária. Essa ermida seria posteriormente ampliada, vindo a constituir-se na atual igreja de Nossa Senhora da Candelária.
[[File:Lagoa Rodrigo de Freitas.jpg|thumb|Lagoa Rodrigo de Freitas]]
Em 1613, foi construída a Capela de Nossa Senhora da Apresentação, em torno da qual se formaria o atual bairro de Irajá.
[[Ficheiro:IgrejaNSApresentacao.jpg|thumb|Igreja de Nossa Senhora da Apresentação]]
Em 1618, foi construído o Reduto de São Diogo, na Cidade Velha. A partir de então, o complexo de redutos na Cidade Velha passou a ser chamada de Fortaleza de São João da Barra do Rio de Janeiro. Tal fortaleza tinha por missão a proteção da entrada da Baía de Guanabara, junto com as fortalezas de Santa Cruz da Barra, do outro lado da baía e o Forte da Laje, no meio da entrada da baía.
[[File:1998 baia guanabara barra.jpg|thumb|Entrada da Baía de Guanabara, com a Fortaleza de Santa Cruz em primeiro plano, o Forte da Laje à direita e o Morro Cara de Cão com a Fortaleza de São João, ao fundo]]
2 144

edições