Guia do Linux/Iniciante+Intermediário/Discos e Partições/Formatando disquetes

Formatando disquetesEditar

As subseções seguintes explicarão maneiras de formatar seus disquetes para serem usados no GNU/Linux e DOS/Windows.

Formatando disquetes para serem usados no LinuxEditar

Para formatar disquetes para serem usados no GNU/Linux use o comando:
mkfs.ext2 [-c] [/dev/fd0]
Em alguns sistemas você deve usar mke2fs no lugar de mkfs.ext2. A opção -c faz com que o mkfs.ext2 procure por blocos danificados no disquete e /dev/fd0 especifica a primeira unidade de disquetes para ser formatada (equivalente a A: no DOS). Mude para /dev/fd1 para formatar um disquete da segunda unidade.
OBS: Este comando cria um sistema de arquivos ext2 no disquete que é nativo do GNU/Linux e permite usar caracterí­sticas como permissões de acesso e outras. Isto também faz com que o disquete NÃO possa ser lido pelo DOS/Windows. Para formatar um disquete no GNU/Linux usando o FAT12 (compatí­vel com o DOS/Windows) veja próxima seção.
Exemplo: mkfs.ext2 -c /dev/fd0

Formatando disquetes compatí­veis com o DOS/WindowsEditar

A formatação de disquetes DOS no GNU/Linux é feita usando o comando superformat que é geralmente incluí­do no pacote mtools. O superformat formata (cria um sistema de arquivos) um disquete para ser usado no DOS e também possui opções avançadas para a manipulação da unidade, formatação de intervalos de cilindros especí­ficos, formatação de discos em alta capacidade e verificação do disquete. superformat [opções] [dispositivo]

  • dispositivo
    Unidade de disquete que será formatada. Normalmente /dev/fd0 ou /dev/fd1 especificando respectivamente a primeira e segunda unidade de disquetes.
    opções
    -v [num]
    Especifica o ní­vel de detalhes que serão exibidos durante a formatação do disquete. O ní­vel 1 especifica um ponto mostrado na tela para cada trilha formatada. Veja a página de manual do superformat para detalhes.
    -superverify
    Verifica primeiro se a trilha pode ser lida antes de formata-la. Este é o padrão.
    --dosverify, -B
    Verifica o disquete usando o utilitário mbadblocks. Usando esta opção, as trilhas defeituosas encontradas serão automaticamente marcadas para não serem utilizadas.
    --verify_later, -V
    Verifica todo o disquete no final da formatação.
    --noverify, -f
    Não faz verificação de leitura.
    -b [trilha]
    Especifica a trilha inicial que será formatada. O padrão é 0.
    -e [trilha]
    Especifica a trilha final que será formatada.

Na primeira vez que o superformat é executado, ele verifica a velocidade de rotação da unidade e a comunicação com a placa controladora, pois os discos de alta densidade são sensí­veis a rotação da unidade. Após o teste inicial ele recomendará adicionar uma linha no arquivo /etc/driveprm como forma de evitar que este teste seja sempre executado. OBS: Esta linha é calculada de acordo com a rotação de usa unidade de disquetes, transferência de dados e comunicação com a placa controladora de disquete. Desta forma ela varia de computador para computador Note que não é necessário montar a unidade de disquetes para formata-la. Segue abaixo exemplos de como formatar seus disquetes com o superformat:

    • superformat /dev/fd0 - Formata o disquete na primeira unidade de disquetes usando os valores padrões.
    • superformat /dev/fd0 dd - Faz a mesma coisa que o acima, mas assume que o disquete é de Dupla Densidade (720Kb).
    • superformat -v 1 /dev/fd0 - Faz a formatação da primeira unidade de disquetes (/dev/fd0) e especifica o ní­vel de detalhes para 1, exibindo um ponto após cada trilha formatada.

Programas de Formatação GráficosEditar

Além de programas de formatação em modo texto, existem outros para ambiente gráfico (X11) que permitem fazer a mesma tarefa. Entre os diversos programas destaco o gfloppy que além de permitir selecionar se o disquete será formatado para o GNU/Linux (ext2) ou DOS (FAT12), permite selecionar a capacidade da unidade de disquetes e formatação rápida do disco.