Guia dos Trouxas para Harry Potter/Grandes Eventos/Câmara Secreta


Duelo na Câmara Secreta
  • localização = Câmara Secreta em Hogwarts
  • época = No segundo livro da série
  • Personagens = Harry Potter, Tom Riddle, Ron Weasley, Gilderoy Lockhart, Ginny Weasley

Visão GeralEditar

SpoilerEditar

Aviso aos Iniciantes: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Tendo descoberto a maneira de entrar na Câmara Secreta e já sabendo que tipo de monstro mora lá dentro, Harry e Ron relutantes acompanham o Professor Lockhart para dentro da Câmara a fim de encontrar Ginny Weasley.

Lá, separado dos outros Harry encontra Tom Marvolo Riddle, que está usando a força vital de Ginny para ele próprio, retornar à vida. Riddle chama pelo monstro, um Basilisco. Com a ajuda de Fawkes, Harry derrota primeiro o Basilisco e depois, Tom, para salvar Ginny da morte.


Detalhes do EventoEditar

Depois de converser com Aragog, Harry desconfia que a entrada para a Câmara deveria ser no banheiro da Murta-Que-Geme. Uma página arrancada de um livro da biblioteca que Harry encontra na mão petrificada de Hermione, ajuda a Harry a determinar que tipo de monstro estava zanzando pela escola e petrificando os alunos, um Basilisco. Harry e Ron decidem que é preciso contar à Professora McGonagall. Enquanto esperavam por ela na Sala dos Professores, eles escutam o aviso para retornar aos seus dormitórios. Os dois decidem se esconder num armário da Sala. Ouvindo através da porta, ficam sabendo que Ginny foi capturada e levada para a Câmara Secreta, e escutam também que o Professor Lockhart foi escolhido para caçar o monstro, uma vez que ele se exibiu dizendo onde ele está. Ele sai da Sala meio zonzo para “se preparar”.

Mais tarde quando Harry e Ron visitam o escritório do Professor Lockhart o encontram freneticamente empacotando seus pertences. Quando eles perguntam por que empacotando, ele explica que nunca, de fato, foi o protagonista das aventuras que ele conta em seus livros. Ele diz que pessoas “menos fotogênicas” é que fizeram as aventuras, e ele simplesmente as escreveu. Ele não é tão forte em magia para fazer tudo o que escreve nos livros, mas ele é muito bom em feitiços de memória. Ele lança esses feitiços nas pessoas que fizeram as grandes aventuras que ele descreve, de modo que elas não se lembrem sem querer e publicamente de ter feito aquilo que Lockhart diz que fez. Isso iria expô-lo como fake. Ele então, se vira para Harry e Ron com a varinha erguida, Harry o desarma e Ron agarra a varinha de Lockhart e a joga pela janela. Andando na frente de Harry e Ron que têm as varinhas apontadas para ele, seguem para o banheiro da Murta.

Lá, no banheiro, a Murta confirma que foi quem morreu na última vez em que a Câmara foi aberta. Ele mostra a pia onde viu uns olhos enormes amarelos, que é a última coisa que ela lembra quando viva. Harry repara uma pequena cobra ao lado da torneira e fala para ela em Parseltongue. A pia se abre, revelando um poço profundo onde Lockhart entra relutante, seguido por Ron e Harry. No fundo do poço eles encontram uma câmara lotada de pequenos ossos que levam até um túnel largo. Lockhart, Harry e Ron caminha pelo túnel, profundamente na Câmara Secreta. Lá dentro encontram a pele de uma serpente muito comprida. Lockhart finge desmaiar em choque, então agarra a varinha de Ron que se distraiu. Na tentativa de fazer Harry e Ron esquecerem que ele é fake, e porque eles estão na Câmara, Lockhart atira um feitiço de memória. A varinha de Ron explode e ricocheteia, acertando Lockhart com seu próprio feitiço. Um pedação do teto desaba na explosão, separando Harry de Ron e Lockhart. Harry, do lado que leva mais para o fundo da Câmara, segue sozinho, deixando Ron para limpar os destroços o melhor que puder. Harry passa por outra porta e entra numa câmara dominada por uma estátua gigante, com Ginny deitada inconsciente aos seus pés. Deixando a varinha no chão, Harry chega perto dela e ajoelha, tentando acordá-la.

Um aluno sai das sombras, pega a varinha de Harry do chão, e se apresenta como Tom Riddle. Ele diz que queria muito encontrar com Harry e que Ginny estava escrevendo em seu diário, contando como Harry Potter era maravilhoso. Da mesma forma que Ginny derramou suas emoções para Tom, ele lentamente colocou um pouco de sua alma dentro de Ginny. Ele planejava usar sua força vital para retornar. Ele imagina como Harry, um garoto, conseguiu derrotar Voldemort. Harry pergunta por que Tom se preocupa com Voldemort. Tom responde que ele é Lord Voldemort, que existe como uma lembrança através do antigo diário. As letras de seu nome (em inglês), Tom Marvolo Riddle, podem ser rearrumadas para soletrar "I am Lord Voldemort".

Harry percebe que as linhas que formam o contorno de Tom, que inicialmente estavam um pouco borradas, estavam ficando mais fortes a cada instante, e sabe que se não agir rápido, Tom vai ficar totalmente real e Ginny vai morrer. Ao ouvir a afirmação de Tom de que Voldemort é o maior bruxo que já viveu, Harry responde que Dumbledore é o maior. Quando Tom diz que Dumbledore foi afastado da escola pela lembrança de Tom, Harry responde que Dumbledore não está tão longe quanto Tom pensa.

Uma explosão de uma música linda os interrompe, e a pet de Dumbledore, Fawkes, aparece e larga o Chapéu Seletor aos pés de Harry. Tom, então, liberta o Basilisco, que tenta atacar Harry. Fawkes bica os olhos dele, o cegando e evitando que possa usar seu olhar para petrificar ou matar Harry. Tom então o manda atacar pelo cheiro. Harry coloca o Chapéu Seletor e pede ajuda, e algo dentro do Chapéu acerta sua cabeça. Harry descobre que é uma espada, e quando o Basilisco ataca, Harry dá um golpe para cima através do céu da boca do bicho indo até seu cérebro, matando-o. No entanto, Harry, ferido por uma das presas do Basilisco pode sentir o veneno se espalhando pelo seu corpo.

Quando o mundo escurece, Fawkes aterrissa ao lado de Harry e começa a chorar. Enquanto Tom zomba dele, Harry sente o efeito do veneno ir sumindo, e relembra as palavras de Dumbledore sobre as Fênix: “suas lágrimas tem poderes curativos”. Quando Tom percebe o que está acontecendo, ele atira uma maldição rápida na direção de Fawkes com a varinha de Harry. Fawkes voa para longe e Tom prepara uma maldição da morte, Fawkes larga o diário, que estava ao lado de Ginny aos pés de Harry.

Harry enterra a presa quebrada, venenosa, dentro do diário. Instantaneamente, com um leve grito, Tom desaparece, e o diário, com um buraco queimado através de suas páginas, vaza um oceano de tinta. Ginny desperta e ela e Harry começam a andar de volta pelo túnel com o teto desabado. Ron forçou o caminho através dos destroços e, carregados por Fawkes, Harry, Ron, Ginny e Lockhart voam para fora do poço e retornam ao banheiro. Fawkes os leva até o escritório da Professora McGonagall, onde Harry conta o ocorrido aos Professores McGonagall, Dumbledore e a Mr. e Mrs. Weasley.


Consequências ImportantesEditar

Foram diversas consequências desse duelo em particular, que não foram reveladas até os livros finais da série, e, portanto estão na área Visão Completa desse tópico.

Aprendemos que o nome original de Lord Voldemort era Tom Marvolo Riddle, e que Marvolo foi o nome de seu avô. Mais tarde saberemos que Voldemort tentou esconder esse nome para evitar que descobrissem o local onde ele escondeu um objeto de valor, na casa de seu avô.

A varinha de Ron quebrada, quando explodiu fez o feitiço de memória de Lockhart atingir a ele mesmo, de modo que Lockhart perdeu quase toda sua memória. Parece que ele não consegue sequer lembrar seu nome correto. De alguma forma, parece que foi uma justa retribuição pelo que ele andava fazendo, usando o feitiço de memória e ficando com os sucessos das aventuras de outras pessoas.

Ao encontrar a Câmara e determinar quem na verdade a abriu, Harry dá a Dumbledore a oportunidade de libertar Hagrid de Azkaban.

Harry menciona a Dumbledore que está na dúvida se ele está na Casa certa. Ele diz que o Chapéu sugeriu que ele iria se dar bem na Slytherin, e Riddle comentou sobre uma série de coisas em comum aos dois. Dumbledore pergunta a Harry por que o Chapéu o colocou na Gryffindor e Harry responde amuado que foi só porque ele assim pediu. Dumbledore diz que isso está certo, e diz que “são nossas escolhas, Harry, que mostram quem realmente somos, muito mais do que nossas habilidades.” Ele então mostra a Harry a espada que o Chapéu levou para ele, e o nome inscrito nela: Godric Gryffindor. “Somente um verdadeiro Gryffindor poderia ter tirado a espada de dentro do Chapéu, Harry. “

Nessa mesma conversa vemos a sugestão pela primeira vez, que parte de Voldemort acabou em Harry, quando Voldemort tentou matá-lo. Dumbledore sugere que vem daí a habilidade de Harry em falar Parseltongue.

Quando Lucius Malfoy aparece na escolar para protestar contra a volta de Dumbledore à diretoria, Dobby vem junto com ele. Quando Dobby vê o diário, sugere através de gestos por trás de Lucius que foi seu mestre quem colocou o diário junto com os livros escolares de Ginny. Harry menciona esse fato e Lucius exige que ele prove. Dumbledore diz que o diário foi destruído, isso jamais poderá ser provado, mas se mais algum bem pessoal de Voldemort aparecer, com certeza Arthur Weasley estará interessado em ligá-lo a Lucius.

Com o pretexto de devolver o diário a Lucius, Harry dá um jeito de fazer Lucius acidentalmente atirar uma meia em Dobby. Tendo ganhado roupas, Dobby agora é livre e não precisa mais receber ordens dos Malfoys. Dobby imediatamente protege Harry da maldição de Lucius. Dobby vai proteger Harry outra vez, agora que é um elfo livre e pode escolher de quem vai seguir ordens.


AnáliseEditar

Enquanto que o tema principal da história seja a luta contra o preconceito, a ação da série gira em volta de Voldemort, sua história e a batalha entre ele e o mundo dos bruxos “corretos” que são personificados por Harry e Dumbledore.

È na Câmara Secreta que vamos ver Voldemort pela primeira vez, como uma pessoa, no caso, como um rapaz de quinze ou dezesseis anos talvez, e vamos descobrir um pouco como a mente dele funciona. Seu desprezo por Ginny e Harry, sua rejeição aos professores de cinquenta anos atrás, e sua arrogância, Podemos ver que a ele faltam, sem dúvida, sentimentos humanos. Seu único objetivo é o poder; ele parece não se preocupar em nada com pessoas como indivíduos, ele as vê como ferramentas para seu próprio progresso. Essa exposição de Voldemort nos ajuda muito a entender o inimigo que Harry está encarando, e podemos acreditar que esse conhecimento vai ajudar Harry mais tarde, na série.

Permanece um mistério por que Harry e Ron levaram Lockhart com eles na tentativa de derrotar o Basilisco. Harry e Ron o ouviram confessar que ele era uma fraude, e Ron jogou a varinha dele fora, pela janela de seu escritório, o que foi, sem dúvida uma má idéia, visto o estado da varinha de Ron. Sem sua varinha, Lockhart seria ainda menos útil do que foi. Talvez eles ainda acreditassem um pouco em sua habilidade, como foi mencionada em muitos de seus livros, ou talvez eles sentissem a necessidade de um bruxo mais velho e mais experiente. No entanto, talvez fosse melhor para Harry e Ron estuporar Lockhart, para evitar que interferisse e depois seguirem sozinhos. Isso poderia ser fatal para Ron no entanto; uma vez que ele foi pego pelo desabamento do teto, só tinha Harry para enfrentar o Basilisco. Isso seria como, de acordo com o inicio desse livro, que Ron ficaria congelado e não conseguisse usar nenhuma magia defensiva, e talvez fosse morto instantaneamente assim que o Basilisco aparecesse.

Reparamos de passagem que Lockhart fala que “outras pessoas menos fotogênicas” fizeram as coisas em seus livros, isso é duvidoso. Ele escreveu , por exemplo, que usou um feitiço “extremamente complicado” que cura um lobisomem de ser lobisomem. Subentende-se que deve existir algum bruxo que possa fazer isso, até que Lockhart roubou o segredo e apagou a memória.

PerguntasEditar

  1. A Câmara Secreta parece ser lacrada para qualquer um que não fale Parseltongue, entrando pelo banheiro da Murta, incluindo os diretores da escola. Como então, Dumbledore pode ou qualquer tipo de objeto mágico que Dumbledore preparou “para ajudar quando necessário”enviar Fawkes com o Chapéu Seletor?


Visão CompletaEditar

SpoilerEditar

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Vamos descobrir mais tarde, que o diário era na verdade um Horcrux, assim como o segundo que Tom Riddle fez. O Professor Dumbledore, é claro, reconheceu isso imediatamente por causa de seu efeito em Ginny, inclusive, mais tarde isso o deixou perturbado.

Esse Horcrux foi criado para ser encontrado, e foi colocado na escola como uma arma; isso não é o tipo de coisa que você faz com algo que representa a imortalidade de uma pessoa. Isso levou Dumbledore a concluir que Riddle criou pelo menos outro Horcrux, mas até bem tarde no sexto livro, ele não tinha idéia de quantos seriam.

Também vamos observar que Harry teve apenas pura sorte, uma vez que havia muito poucas maneiras de destruir um Horcrux: veneno do Basilisco. Horcruxes, sendo fragmentos da alma dentro de objetos, são virtualmente indestrutíveis, e não há magia comum que possa danificá-las, assim como nenhum ataque simples fisico ou mágico, pode danificar a alma de uma pessoa viva.

O veneno do Basilisco é extraordináriamente mágico, e não há cura para ele a não ser as lágrimas da Fênix, que dificilmente pode ser magia comum, por causa da raridade das fênix. Durante os sete livros, seis Horcruxes serão destruídas; cinco delas, direta ou indiretamente pelo veneno do Basilisco, e uma pelo Fiendfyre. O sétimo fragmento de alma, tem alguns efeitos de uma Horcrux mas, na verdade, não foi guardada num objeto pelo feitiço apropriado, será destruída pela Maldição da Morte.

Harry, Ron e Hermione vão, nos livros finais da série, aceitar a missão de encontrar e destruir as Horcruxes restantes. Ron sabendo que há um Basilisco morto na Câmara, vai reabri-la, imitando Harry falando Parseltongue. Ele e Hermione destruirão um dos Horcruxes ali e Ron vai levar presas do Basilisco quando voltar para ajudar a destruir qualquer outro Horcrux que acharem.

O objeto de valor que Tom escondeu na casa de seu avô era, é claro, um Horcrux. Uma vez que Marvolo Gaunt e seu filho Morfin estava seguros, fora do caminho, Tom escondeu o primeiro Horcrux que fez, nos escombros da casa deles. Mais tarde, Dumbledore o encontrou e destruiu. Quando Voldemort pensa nos lugares onde seus Horcruxes possam ficar escondidos, que descobrimos que ele estava tentando esconder o nome do bruxo, seu ancestral, para manter o esconderijo seguro.