Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/A Câmara Secreta/Capítulo 4


spoilerEditar

Aviso: Seguem detalhes do enredo.

SinopseEditar

A vida para Harry nunca foi fácil, muito menos na Rua dos Alfeneiros. Finalmente ele encontrou uma família que o aceita e o trata como membro do clã, ao invés de tratá-lo como um intruso inferior. Na verdade, ele continua sem poder fazer magia, mas a magia o rodeia e é parte natural da vida.

As cartas de Hogwarts, inclusive as destinadas a Harry, chegam na Toca. Como sempre, chega a carta com o lembrete de que a escola começa em 1º de setembro e inclui a lista do material necessário. Segue a lista para os estudantes de segundo ano:


  • O Livro Padrão de Feitiços (2ª série), de Miranda Goshawk
  • Como Dominar um Espírito Agourento, de Gilderoy Lockhart
  • Como se Divertir com Vampiros, de Gilderoy Lockhart
  • Férias com Bruxas Malvadas, de Gilderoy Lockhart
  • Viagens com Trasgos, de Gilderoy Lockhart
  • Excursões com Lobisomens, de Gilderoy Lockhart
  • Um Ano com o Iéti, de Gilderoy Lockart


Baseado no conteúdo da lista, Fred deduz que o novo professor de Defesa Contra as Artes das Trevas é uma bruxa ou um fã de Lockhart. George tem uma idéia mais prática: “isso tudo não vai ser barato.” Mrs. Weasley diz que eles irão dar conta, mas Harry percebe que ela parece preocupada.

Hermione envia uma coruja sugerindo que todos se encontrem no Beco Diagonal. Ela questiona o uso de Errol como mensageiro, uma vez que ele está velho e cansado. Ron responde que Percy se recusou a emprestar a ele sua coruja. Os gêmeos comentam que Percy, que normalmente é exibido e chato, está agindo de modo estranho, quase sempre trancado em seu quarto.

No dia combinado, os Weasleys se dirigem ao Beco Diagonal pela Rede do Flu, um sistema de transporte mágico que conecta as lareiras através do mundo mágico. Harry se engasgando com as cinzas da lareira dos Weasleys, infelizmente pronuncia mal as palavras Beco Diagonal, e aterrissa uma lareira adiante, no que parece ser uma loja de magia negra. Draco Malfoy e Lucius Malfoy, seu pai, estão lá. Mr. Malfoy parece estar vendendo alguns itens mágicos ao proprietário da loja, Borgin.

Saindo sem ser percebido, Harry descobre que ele estava em Borgin & Burkes, no Beco do Tranco, uma área pouco segura freqüentada por bruxos das trevas e outros personagens repulsivos. Por sorte, Hagrid aparece e conduz Harry de volta ao Beco Diagonal, onde encontram os Weasleys e Hermione. Eles então se dirigem para o Banco Gringotts, e lá dentro Harry fica um pouco encabulado pela fortuna que há em seu cofre, especialmente depois de ver o pouquinho que os Weasleys tem.

Mais tarde, o grupo chega à livraria Floreios e Borrões, onde o popular autor, Gilderoy Lockhart, está autografando cópias de sua autobiografia, “O Meu Eu Mágico” Reconhecendo o famoso Harry Potter, Lockhart o presenteia com uma coleção completa de seus livros autografados, enquanto posa para fotos. Lockhart então anuncia que ele é o novo professor de Defesa Contra as Artes das Trevas de Hogwarts.

Tonto com as luzes dos flashes, Harry derruba os livros de Lockhart dentro do caldeirão de Ginny. Draco Malfoy, observando os acontecimentos, implica com Harry. Mr. Malfoy aparece de repente e faz comentários rudes sobre os livros de Ginny serem de segunda mão, antes de colocá-los de volta no caldeirão dela. Mr. Weasley discute com Mr. Malfoy. Quando a discussão parte para agressão, Hagrid arrasta os Weasleys embora enquanto os Malfoys observam.

Os Weasleys, Hermione e Harry voltam para O Caldeirão Furado e depois seguem para casa.

AnáliseEditar

Depois de passar alguns poucos dias na Toca, Harry aprende como uma família funcional e amorosa deve ser e como ele se sente com relação a isso. Ele se sente em casa na Toca, percebe o que perdeu e o que desejava durante todos esses anos, e vai continuar a desejar durante toda a série. Hogwarts, como já vimos, continua sendo uma casa substituta para Harry, um lugar onde ele conhece todo mundo e também é conhecido por todos. Um lugar onde suas habilidades não são temidas e detestadas e sim, consideradas normais e apreciadas. No entanto, é muito bom, mas não é uma verdadeira família; os professores continuam sendo, na sua maioria, apenas profissionais distantes. A única exceção é Hagrid, que não é um professor, e que também sente falta de uma verdadeira família; Harry ocupa o lugar da família de Hagrid. Aqui, na Toca, as pessoas se preocupam com Harry, ele é bem alimentado, se sente confortável fisicamente, e fazem tudo para que ele sinta que é querido. Harry agora percebe tudo o que perdeu até então. E agora que ele está feliz e contente entre os Weasleys, talvez seja mais difícil ainda retornar para os Dursleys, um lugar que nada mais é do que um teto sobre sua cabeça, onde ele mal tem o suficiente para comer e não lhe oferece nem amor e nem conforto.

Gilderoy Lockhart faz sua primeira aparição. Bonito e carismático, ele tem uma legião de fãs, composta de uma grande quantidade de bruxas de meia idade como Mrs. Weasley. Ele é também é vaidoso e oportunista, um caçador de fama, que tira partido de Harry para aparecer na foto de primeira página do Profeta Diário. Lockhart é famoso por suas várias e excitantes aventuras que ele conta em seus livros. Aparentemente ele acredita que Harry é uma pessoa com obsessão pela fama, assim como ele. Quando a luta começa entre Lucius Malfoy e Arthur Weasley, Lockhart já está pedindo que saia no Profeta porque tudo serve para se promover.

O verdadeiro caráter de Ginny Weasley se torna, aqui, mais evidente. Quando Draco insulta Harry por estar atraindo atenção na Floreios e Borrões, Ginny sai em defesa de Harry dizendo que ele nada fez para chamar atenção. Isso mostra que, apesar do interesse que ela tem por Harry, ela é sensível ao fato dele não gostar da fama criada por sua história com Voldemort .

Outro Malfoy é apresentado aqui: Lucius Malfoy. Orgulhoso, rico e arrogante, ele é o pai rigoroso e exigente que traz Draco com rédea curta. Na livraria, ele insulta e zomba de Ginny Weasley. Parece estranho que a atenção dele tenha sido atraída por ela, e pode ser que haja alguma razão para isso. Ficamos sabendo que os Malfoys e os Weasleys, ambos de antigas famílias bruxas de sangue puro têm “idéias muito diferentes do que é ser uma vergonha de bruxo.”

A discussão que irrompe entre Lucius Malfoy e Mr. Weasley chama atenção pela grande divisão entre os personagens da história. Malfoy, sempre fazendo pouco dos Weasleys porque são pobres, claramente despreza as atitudes de Mr. Weasleys em favor dos Trouxas, enquanto Mr. Weasley não suporta a crença de Malfoy de que seus ancestrais são superiores e menos ainda a suspeita de que ele é ligado aos bruxos das trevas.

O que chama atenção aqui, é que alguns bruxos se sentem superiores a outros por causa de sua pureza de sangue, não há nenhuma pessoa “não mágica” em sua linhagem. Esse grupo acredita que qualquer pessoa que não consiga fazer magia é de alguma forma sub-humano, e os bruxos que escolhem fazer amizade com eles e protegê-los são traidores da pureza do sangue.

Ainda que a família Weasley seja de linhagem tão antiga e tão pura como qualquer outra, para alguns bruxos de sangue puro, suas ligações com os Trouxas são consideradas degradantes e até mesmo desleais. Essa pretensão também é claro, se estende a Harry, que é mestiço, e principalmente a Hermione, que é nascida Trouxa, e isso explica bem o comportamento de Draco em relação a eles. Isso se estende também a Ron, a quem Draco, copiando seu pai, olha com desdém, assim como faz com toda família Weasley.

O palpite de Fred de que o novo professor de Defesa Contra as Artes das Trevas deveria ser uma bruxa, fã de Gilderoy Lockhart, com certeza foi baseado no comportamento de sua mãe, que como muitas bruxas são fãs dele e o idolatram. Fred está errado, claro, mas uma aula que pede apenas os livros de Lockhart como material de estudo, já dá uma pista de como será o novo professor de DCAT e possivelmente alguma pista também sobre o caráter de Lockhart.

O esconderijo de Harry no armário da Borgin and Burkes' merece um estudo extra. Vamos ver mais tarde que alguns eventos relacionados à história poderiam ter ocorrido se Harry tivesse fechado a porta desse armário; para aqueles que estudam o texto, nós recomendamos um estudo maior dessa passagem, para ver como a autora nos engana achando que Harry havia se trancado no armário, enquanto que, claramente não permitiu que Harry fechasse a porta do armário.


PerguntasEditar

RevisãoEditar

  1. Por que Lucius Malfoy está vendendo objetos para Borgin? O que podem ser?
  2. Por que Hagrid está na Travessa do Tranco? Podemos acreditar na explicação dele?
  3. Por que Lucius Malfoy e Mr. Weasley saíram numa briga?

Estudos AdicionaisEditar

  1. Por que Lockhart agarra Harry na Floreios e Borrões?
  2. Baseado no que foi visto e ouvido até aqui, faça uma pequena análise do caráter de Lockhart.
  3. Compare e faça o contraste entre o que Mr. Malfoy e Mr. Weasley acham do que é “ser uma vergonha de bruxo.”
  4. Por que Mr. Malfoy queria mexer nos livros de Ginny?


Visão CompletaEditar

SpoilerEditar

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.


Três coisas vistas na Borgin & Burkes serão vistas novamente em O Enigma do Príncipe. Draco usa a Mão da Glória quando está saindo da Sala Precisa. O colar de opalas com o bilhete dizendo que é amaldiçoado é usado numa tentativa de matar Dumbledore em O Enigma do Príncipe, capítulo 12. Também o Armário Sumidouro aonde Harry foi se esconder, tem um igual em Hogwarts que ainda vai aparecer.

O fato de Lucius Malfoy mexer nos livros de Ginny, é uma desculpa para enfiar o Diário de Tom Riddle dentro do caldeirão da menina. Como veremos mais tarde, Voldemort deixou seu diário com Lucius, dando a entender que era uma arma contra Hogwarts. Lucius, que não sabia exatamente o que era o Diário, aparentemente decidiu que, já que seu filho não tinha as melhores notas em Hogwarts (como mencionado para Borgin), era hora de criar problemas para a escola.

Ainda não foi explicado claramente, mas podemos imaginar que Voldemort deve ter recrutado muitos aliados entre as famílias de puro sangue, embora existam também seguidores mestiços. Lucius está devolvendo alguns itens de magia das trevas para a Borgin & Burkes, alegando que é muito perigoso estar de posse deles, caso aconteça alguma busca em sua casa. É evidente aqui, o desdém de Lucius com relação a qualquer pessoa que ele considere ser de linhagem inferior. Também fica claro seu aborrecimento porque Draco, garoto de sangue puro, não consegue superar as notas de Hermione. No capitulo anterior, descobrimos que Lucius parece ser um seguidor de Voldemort. O fato dele possuir objetos de magia negra, confirma isso, como já sabíamos que Voldemort era um bruxo das trevas. Parece então, que Voldemort incutiu nos bruxos de sangue puro, a crença em sua superioridade para se elevar ao poder.

ConexõesEditar

É particularmente interessante notar, quantas coisas mencionadas nesse capítulo, que vão reaparecer no sexto livro da série. Parece que a história complete foi preparada até, pelo menos o sexto livro, em detalhes, enquanto esse livro era escrito.

  • Borgin e Burkes aparecem em O Enigma do Príncipe capitulo 6, quando Draco visita a loja para pedir a ajuda de Borgin para recuperar alguma coisa.
  • Três itens que Harry vê na Borgin e Burkes vão aparecer mais tarde.
    • A Mão da Glória é usada por Draco quando ele lidera os Comensais da Morte, através da escuridão formada magicamente, para fora da Sala Precisa e dentro da própria escola Hogwarts. Sabemos disso por Ron, no Enigma do Príncipe capítulo 29.
    • O colar de opalas amaldiçoado é enviado para Dumbledore, através de Katie Bell, num fim de semana em Hogsmeade, veja em O Enigma do Príncipe capitulo 12. Era uma tentativa de matar Dumbledore que falha quando Katie toca no colar e fica amaldiçoada por ele.
    • Considerando o Armário Sumidouro onde Harry se esconde, e o seu par que fica em Hogwarts, como uma só coisa, vamos vê-lo diversas vezes ainda. O Armário em Hogwarts é derrubado e quebrado por Pirraça, quando Nick Quase Sem Cabeça, pede para que ele distraia Filch, nesse livro capitulo 8. Fred e George Weasley enfiam Montague dentro dele em A Ordem da Fênix capitulo 28. Draco descobre a ligação entre o Armário de Hogwarts e o da Borgin e Burkes por causa de Montague e pede ajuda a Borgin para consertá-lo; o outro Armário do par está escondendo Draco do Trio, que está vendo Draco fazer seu pedido. Draco passa todo tempo livre durante o ano seguinte tentando consertar o Armário. Em O Enigma do Príncipe capítulo 24, Harry vê o Armário na Sala Precisa, onde Draco está tentando consertá-lo. Finalmente, o Armário consertado é a maneira como Draco coloca os Comensais da Morte dentro de Hogwarts, para ajudá-lo a cumprir a missão dada por Voldemort.
  • O Diário de Tom Riddle será destruído no final desse livro, mas será mencionado novamente em O Enigma do Príncipe capitulo 23, quando saberemos que ele era um Horcrux.