Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/A Ordem da Fênix/Capítulo 21



Capítulo 21
O Olho da CobraEditar

spoilerEditar

Aviso: Seguem detalhes do enredo.


SinopseEditar

Na manhã seguinte, Hermione pede por favor para Hagrid, para ensinar sobre alguma coisa segura, mas ele apenas responde que ninguém em seu juízo perfeito ia preferir estudar algo melhor do que quimeras. Hermione assegura a Ron e Harry que Hagrid só pode estar brincando sobre quimeras. Hagrid ainda se recusa a explicar seus ferimentos. Seu retorno à mesa dos professores no Grande Salão recebe uma recepção mista: Fred, George e Lee Jordan correm para dar boas vindas. Parvati e Lavender parecem infelizes. Harry compreende; a Professora Grubbly-Plank ensina coisas interessantes que não incluem o risco de ter a cabeça de alguém arrancada.


Na aula de Trato das Criaturas Mágicas, Hagrid leva os alunos para a Floresta Proibida. Lá dentro estão as mesmas criaturas parecidas com cavalos com escamas e asas de couro que Harry viu puxando as carruagens. Os únicos alunos que puderam ver essas estranhas criaturas foram Harry, Neville e um pegajoso Slytherin. As criaturas, Hagrid explica que as criaturas são Thestrals e são visíveis somente para quem viu a morte. Agora, Harry entende: ele as vê porque viu Cedric Diggory morrer durante o Torneio Tribruxo no ano anterior.

A Professora Umbridge chega para inspecionar a aula de Hagrid, mas ela observa e interrompe constantemente, e geralmente trata Hagrid como um subhumano, o que o deixa nervoso, e ele dá talvez a pior aula da vida dele. Os Slytherins também interferem e ainda pioram tudo. Umbridge vai embora, dizendo que ele pode esperar a avaliação em dez dias.

Banido do Quadribol, Harry tem pouca coisa a fazer, exceto a AD, que também está suspensa por causa dos feriados do Natal. A perspectiva de dias tediosos por causa dos feriados deixa Harry chateado, até que Ron lembra que Harry foi convidado para ir à Toca passar o Natal.

Entrando na Sala Precisa, Harry descobre que Dobby decorou tudo de maneira extravagante. Harry retira um bocado da decoração, mas o visco ainda está pendurado quando os alunos chegam. Harry manda que eles pratique Impedimenta e Stunning. No final da aula Harry dá parabéns a todos pela performance, e, promete a todos que vão começar com coisas maiores no ano seguinte. Cho Chang fica para trás, diz que sente falta de Cedric e fica imaginando que, se ele soubesse o que Harry está ensinando, será que ainda estaria vivo? Harry diz que ele sabia, de outro modo nunca terminaria a Terceira Tarefa do Torneio. Cho dá parabéns a Harry por ser um bom professor e levando o rapaz para debaixo do visco o beija.

Retornando à Sala Comunal, Harry conta a Ron e Hermione o que aconteceu e diz que seria bem melhor se Cho não estivesse sempre chorando. Hermione explica toda a perturbação emocional que Cho está passando, embora Ron ache isso impossível. “Uma pessoa não pode sentir isso tudo ao mesmo tempo, ela explodiria”. Hermione retruca que só porque ele tem a profundidade emocional de uma colher chá, não significa que todos também tenham. Quando Ron descobre que Hermione está escrevendo para Viktor Krum, ele cai num silêncio mal humorado; ninguém fala mais nada até irem para cama. Quando está sonolento Harry pensa que Hogwarts deveria ensinar aos rapazes como compreender as meninas.

Harry sonha que é uma cobra se arrastando ao longo de um corredor comprido. Um homem escondido sob uma capa prateada puxa sua varinha enquanto Harry o ataca com suas presas venenosas. Harry acorda gritando com sua cicatriz latejando, e está convencido de que o sonho foi real e que o homem atacado era Mr. Weasley. Neville chama a Professora McGonagall, que leva Harry e Ron até o escritório de Dumbledore.


AnáliseEditar

O relacionamento entre Harry e Cho está começando mal. Embora Cho goste de Harry, ela ainda está sofrendo com a morte de Cedric Diggory enquanto luta com outros problemas. Harry enfrentando suas próprias dificuldades e sem nenhuma experiência romantica, não está preparado para lidar com o estado emocional frágil de Cho, a despeito dos conselhos de Hermione. Ele tem dúvidas se vale a pena continuar a vê-la.

O leitor pode ver que Ron também está tendo dificuldades de relacionamentos: ele está claramente enciumado da amizade de Hermione com Viktor Krum. Hermione já sabe dos sentimentos de Ron há, pelo menos, um ano agora. O leitor pode achar estranho que Ron não perceba seus sentimentos, mas isso é muito comum, esse é um padrão em que alguns rapazes caem, e a autora faz um excelente trabalho descrevendo a confusão de Ron e sua falta de compreensão de seus próprios sentimentos.

Enquanto isso, os sonhos de Harry vão se tornando mais reais e intensos. Não apenas ele está convencido de que o que viu estava de fato ocorrendo, sendo importante que ele agisse rápido para salvar Mr. Weasley, mas ele vê tudo do ponto de vista da cobra atacando, e sente a emoção conforme ela acontece, deixando-o extremamente perturbado.

Hagrid, nesse meio tempo, ignorou deliberadamente os conselhos de Hermione para ensinar só coisas “seguras” aprovadas pelo Ministério, embora, provavelmente não faça diferença que tipo de lição ele ensine, ou o quanto bem ou mal ele ensine. Claramente Umbridge é uma racista e pretende eliminá-lo apenas baseada no fato de ele descender de gigantes. Hagrid no entanto, está estragando suas próprias chances. Se isso é infantilidade ou obstinação, dificuldade de compreender sua situação precária, ou resignação a um destino sem esperança, não se sabe. Entretanto, nem todos os alunos ficariam tristes se ele saísse. Os Slytherins, é claro, adorariam, apenas por despeito, mas outros que temem suas aulas, que quase sempre incluem criaturas perigosas e ás vezes resultam em pequenos ferimentos.

Deveria ser lógico que Harry visse os Thestrals quando ia na carruagem sem cavalos até o trem, no final do livro quatro, afinal ele tinha visto Cedric Diggory morto. Existem, na verdade, diversas respostas, inclusive uma no contexto dos livros, e uma no contexto dos planos da autora. Rowling afirma que, imediatamente quando Harry viu Cedric ser morto, ele ainda estava em choque e não compreendeu perfeitamente o que tinha acontecido. A morte de Cedric ainda não era inteiramente real para ele, e apenas depois de muito pensar durante todo o verão, ele finalmente aceita que Cedric está morto. Somente quando ele acredita que viu a morte, ele é capaz de ver os Thestrals. Os leitores perguntaram, ele não viu a morte antes, tipo quando Voldemort matou seus pais? A resposta é não, ele não viu. Sendo um bebê, ele não poderia compreender os eventos trágicos daquela noite. Também, seu pai foi morto em outra parte da casa, enquanto a morte de sua mãe provavelmente aconteceu fora de sua vista enquanto ele estava no berço. Também foi discutido se Harry não viu Voldemort morrer por conta de sua própria maldição. Voldemort não estava realmente morto, nem o bebê Harry compreendeu o que viu. Harry também não viu o Professor Quirrell morrer no primeiro livro. Ele perdeu a consciência antes que Quirrell morresse. A autora também comentou que, tornando os Thestrals visiveis para Harry logo no final do livro, deixaria uma situação pouco confortável para os leitores: o que serão essas criaturas, serão das trevas? Então ela tomou a decisão de deixá-los para o próximo livro. O que está acima está em the author's own comments on the matter.

Embora os críticos digam que existem diversas inconsistencias nos livros. Rowling pode até ter feito um erro literário com relação a Harry não ter visto os Thestrals no final do livro quatro, e deu uma explicação para costurar os fatos, uma vez que o erro ficou aparente.


PerguntasEditar

RevisãoEditar

  1. Por que Hermione pede a Hagrid que ensine sobre algo “seguro” em sua aula? Seu conselho fez alguma diferença?
  2. Como Hagrid reage quando Umbridge chega para inspecionar a aula?
  3. O que Dobby fez na Sala Precisa? Qual a reação de Harry? Por qqQue?
  4. O que são as criaturas parecidas com cavalos? Quem pode vê-las e por que?
  5. Qual a reação de Ron ao ver Hermione escrevendo para Viktor Krum? Por que?
  6. Por que Cho chora tanto? O que Hermione pensa dos esforços de Harry para confortar Cho?
  7. Soubemos que Harry só retornou para a Torre da Gryffindor meia hora depois que o encontro da AD terminou. O que o fez demorar tanto?


Estudos AdicionaisEditar

  1. Por que alguns alunos estão menos entusiasmados do que outros com o retorno de Hagrid a Hogwarts?
  2. Como o tipo de sonho de Harry mudou, e por que ele está convencido de que esse último foi real?


Visão CompletaEditar

SpoilerEditar

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

O sonho de Harry sobre o corredor é muito mais realista do que os anteriores que ele teve. Ele logo se convence que Voldemort o está possuindo. Dumbledore não parece surpreso quando Harry conta os acontecimentos da noite, e a principio, ele oferece pouca explicação sobre o que pode estar acontecendo, deixando Harry mais confuso, aborrecido e zangado com Dumbledore do que nunca.

Eventualmente, nós descobrimos que a visão que Harry tem do mundo através dos olhos de outro, é culpa do link entre Voldemort e o fragmento de alma deixado em Harry quando Voldemort tentou matá-lo. Esse episódio é também, quando Voldemort descobre que esse link existe. Através dele, Voldemort vai tentar influenciar as ações de Harry. Essas tentativas serão esporádicas e pouco eficientes até depois da discussão de Voldemort com Rookwood, que Harry vai ver como um sonho. Voldemort então começa sistematicamente, usando esse link para coagir Harry a pegar algo para ele.

Na verdade é a preocupação de que Voldemort possa estar usando esse link mental entre ele e Harry, que tem impedido Dumbledore de conversar com Harry durante o ano. Não se sabe exatamente, quando Dumbledore determinou que tal link existia ou de que espécie de natureza era, mas no momento em que Voldemort recuperou seu corpo novamente, Dumbledore ficou convencido da existência desse link. Dumbledore revela no final desse livro, que para proteger Harry ou evitar que Voldemort descobrisse, que o relacionamento deles não era apenas de diretor e aluno e assim ficasse sabendo mais sobre o que estava acontecendo.

Como já foi mencionado, nós vemos claramente a predisposição de Umbridge contra Hagrid, e que isso é um típico preconceito: Umbridge chega na aula de Hagrid com idéias preconcebidas, e descobre exatamente o que espera enquanto o “examina”. Mais tarde vamos saber que ela é preconceituosa com relação a todas as raças não humanas, tendo sido autora de uma lei anti-lobisomens; sua implicância com Hagrid é apenas baseada no fato de seus ancestrais serem gigantes. Esse preconceito vai resultar em Hagrid sendo posto em condicional, e, perto do final do ano, Umbridge vai chamar diversos Aurores para ajudar a afastar Hagrid. Nesse meio tempo, ela repetidamente examina suas aulas, deliberadamente fazendo com que ele ficasse cada vez mais envergonhado e sem nenhuma confiança em si.


ConexõesEditar

Fora as tramas das ligações emocionais entre Harry, Hermione e Ron, há pouca coisa nesse capitulo que sejam ligadas a outros eventos fora desse livro.