Guia dos Trouxas para Harry Potter/Personagens/Sybill Trelawney


Sybill Patricia Trelawney (UK/Canada), Sibyll Trelawney (US)
  • sexo = feminino
  • cabelos = desconhecido (escondidos por lenços)
  • olhos = desconhecido (aumentados por lentes)
  • família = ancestral, famosa vidente Cassandra Trelawney
  • lealdade = Albus Dumbledore

Visão GeralEditar

Sybill Patricia Trelawney é a professora de Adivinhação de Hogwarts. Ela é parente da famosa vidente Cassandra Trelawney. Ela usa óculos enormes que fazem seus olhos parecerem muitas vezes maiores do que são e tem uma voz suave e mística. Ela é muito magra, e está sempre enrolada em xales finos e brilhantes.

Papel nos LivrosEditar

Aviso aos Iniciantes: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

O Prisioneiro de AzkabanEditar

Harry, Ron e Hermione escolheram cursar Adivinhação no seu terceiro ano. A Professora Trelawney começa com práticas comuns de leitura da sorte, vagas predições, incluindo a que Neville vai quebrar a última xícara, de que, o que Lavender Brown teme acontecerá em 16 de outubro, e que, por volta da Páscoa, “um dentre eles vai abandoná-los... para sempre”. Neville de fato, quebra a duas xicaras enquanto tenta ler as folhas de chá. A Professora Trelawney também vê o Sombrio, um presságio de morte iminente, nas folhas de chá de Harry. A turma fica tão abalada pelas revelações, que ainda estão nervosos na aula seguinte. A Professora McGonagall comenta que a Professora Trelawney tem predito a morte de um aluno todos os anos, desde que foi empregada, e nenhum aluno morreu até então.

Com relação às previsões: Lavender recebe a notícia no dia 16 de outubro, que o coelhinho pet dela morreu, e Hermione cheia das baboseiras de Trelawney, abandona a matéria Adivinhação, logo antes da Páscoa (deixando para sempre). Esses acontecimentos, frágeis como suas ligações, podem estar ligados às primeiras predições de Trelawney, pelo menos, para duas alunas, Lavender e Parvati Patil, que aumentam enormemente a reputação de Sybill, pelo menos na cabeça delas. Ron e Harry, embora permaneçam no curso, não estão impressionados com as predições. Sem conseguir ler o futuro, eles começam a fabricar previsões olhando nas folhas do chá e depois na bola de cristal.

Quando Harry completa seu exame de Adivinhação, a Professora Trelawney, repentinamente parece entrar em transe, falando de maneira estranha, e profere uma previsão, que o servo de Voldemort ficará livre, retornando para ele esta noite. Quando ela retorna ao normal, segundos mais tarde, parece não ter percebido que aconteceu algo estranho. Essa previsão se torna realidade; nesta noite, de acordo com os acontecimentos na Casa dos Gritos, Peter Pettigrew foge e retorna para Lord Voldemort. Mais tarde, Harry comenta com Dumbledore que Trelawney parece ter previsto os acontecimentos dessa noite, e Dumbledore lembra que deveria considerar dar a ela um aumento, porque agora as profecias dela já são duas.

O Cálice de FogoEditar

Embora a Professora Trelawney ainda esteja ensinando Adivinhação para a turma de Harry, esse ano, na verdade, astrologia, sua interação com Harry parece ser apenas passar deveres para ele e para Ron. Harry e Ron, depois de trabalhar em suas cartas estelares, voltam para a técnica usual, criar previsões. Suas previsões de desastres para sí mesmos são um sucesso, com a Professora Trelawney até lendo os trabalhos alto, na classe. O problema é que a professora pede que eles prossigam com as previsões por mais um mês. Ron reclama que eles já não tem mais desastres para inventar.

Mais tarde, no ano, Harry, entediado como sempre na aula de Trelawney, cochila e “sonha” com Voldemort e Pettigrew. Trelawney tenta dar uma interpretação mística perguntando detalhes do sonho, mas Harry se recusar a falar. Acontece que, Rita Skeeter de alguma forma tem a informação desse episódio e o publica.

A Ordem da FênixEditar

A Professora Trelawney está novamente ensinando Adivinhação na turma de Harry, esse ano ela está concentrada na interpretação de sonhos. No inicio do ano Dolores Umbridge se tornou Alta Inquisidora e aparece em sua sala de aula com uma prancheta, tomando notas. Trelawney, com razão, vê isso como uma intromissão, e fica muito aborrecida. Umbridge pede a Trelawey que justifique suas técnicas de ensino, e pede uma previsão para ela; depois fica, aparentemente nem um pouco impressionada. Durante o ano, vemos a aparência de Trelawney se tornando mais e mais maltratada e suja, porque Umbridge a colocou na condicional. Harry também repara que ela tem um cheiro de sherry (usado para cozinhar). * sherry é um aperitivo e cooking sherry é usado para cozinhar porque tem preservantes como sal). Quando Harry se coloca contra Umbridge, dando entrevista ao Pasquim, Trelawney quebra seu padrão comum de previsões de morte horrível para Harry, ao invés disso, prevendo vida longa, muitos filhos e eleição para o Ministério da Magia.

Finalmente Umbridge despede Trelawney, e coloca ela e suas malas no Saguão de Entrada, quando Dumbledore passa por cima de sua decisão de mandar Trelawney embora da escola. Dubledore diz que, enquanto, como Alta Inquisidora, Umbridge tenha autoridade para dispensar professores, ela não tem poder para mandá-los embora da escola, e o seu desejo é que Trelawney permaneça em Hogwarts. Ele também sobrepuja Trelawney, porque o orgulho da professora faz com que ela queira ir embora, procurar emprego em outro lugar, mas Dumbledore não permite.

Durante a Batalha no Departmento de Mistérios, descobrimos aquilo que Voldemort estava procurando, e a razão que o fez atrair Harry para o Departamento de Mistérios, é a Profecia sobre ele e Harry. Voldemort já havia ouvido metade da profecia, e por isso tinha tentado matar Harry, quando bebê, sem sucesso. Em seu escritório, após a batalha, Dumbledore conta a Harry, que a Profecia foi feita por para ele por Trelawney. Essa profecia foi feita pouco antes de Harry nascer, foi isso que convenceu Dumbledore a contratar Trelawney como professora de Adivinhação; se isso não tivesse acontecido, Dumbledore nem sequer teria esse curso em Hogwarts. Os acontecimentos que faziam parte da profecia, se tornaram verdadeiros, e Dumbledore permite que Harry escute a profecia inteira. Harry fica extremamente perturbado, porque parece que a profecia diz que ele deve matar Voldemort ou ser morto por ele.

O Enigma do PríncipeEditar

Dumbledore aparentemente percebe que Harry está relutante em discutir a profecia de Trelawney, com qualquer pessoa, porque parece que ela está obrigando Harry a se tornar um assassino, então, ele recomenda que Harry conte a Ron e Hermione sobre ela. Ele segue o conselho de Dumbledore e fica aliviado ao descobrir que eles não pensam mal dele, após a revelação.

A interação de Harry com Trelawney é muito pouca durante o ano, uma vez que ele foi muito mal, no exame N.O.M. de Adivinhação. Sabemos que tanto Trelawney quanto Firenze, que foi contratado para substituí-la, estão ensinando Adivinhação. Parvati Patil parece desapontada porque Trelawney está dando aulas para a 6ª série. Trelawney ainda parece ofendida, e dá a impressão de achar que Firenze está entrando em seu espaço, porque a vemos andando pelos corredores, cheirando a sherry, e tentando, sem sucesso, ler a própria sorte. Na festa de Natal de Slughorn, ela está vagamente bêbada, e no meio de março, a vemos pedindo a Dumbledore, sem sucesso, para despedir Firenze.

Chamado ao escritório de Dumbledore, Harry descobre Trelawney estirada no chão do lado de fora da Sala Precisa. Ajudando-a a levantar, ele descobre que ela estava usando a Sala Precisa como esconderijo para seu sherry; porém ela ouviu alguém lá dentro gritando. Quando ela perguntou quem estava lá, tudo ficou escuro, e ela foi violentamente atirada no corredor. Harry acha que a evidente satisfação na voz da pessoa desconhecida, indica que Draco completou, o que quer que estivesse fazendo na Sala Precisa, e pede a Trelawney que o acompanhe até o escritório de Dumbledore, para contar o que ouviu. No caminho ela começa a contar sobre o dia em que foi contratada. Harry já tinha ouvido a história por Dumbledore, e foi interessante ouvir a versão de Trelawney, mas, quando Trelawney menciona que a pessoa que a ouvia era Severus Snape, Harry a deixa de pé no corredor e invade o escritório de Dumbledore com essa informação.

As Relíquias da MorteEditar

Uma vez que Harry não frequenta mais Hogwarts, vemos Trelawney muito pouco, até a batalha final. Trelawney ajuda seus colegas e alunos durante a batalha que envolve Hogwarts, quando Voldemort e outros Comensais da Morte atacam, atirando bolas de cristal do alto da escada. Uma bola de cristal atinge Fenrir Greyback, antes que ele ataque Lavender Brown.

Pontos FortesEditar

Trelawney deve ter algum poder de previsão, embora pequeno. Duas vezes dentro de 18 anos, ela fez profecias que se realizaram, e outras que parcialmente se tornaram reais no inicio da série, e se completaram no final. Ela deve ter alguma habilidade, para fazer Parvati Patil e Lavender Brown ficarem hipnotizadas por cada palavra sua.

Pontos FracosEditar

Ela finge ser uma vidente melhor do que é; sabendo que pensam que ela tem a visão, por causa de sua ancestral, ela faz o que pode para convencer os outros, usando os mesmos truques que os videntes Trouxas. Ela aborrece algumas pessoas, mas não pode sair do castelo, por causa de sua profecia verdadeira. Ela é muito insegura, e tenta se sobrepor a Firenze para manter sua posição, falando mal dele e de suas técnicas. Quando ela é ameaçada com a demissão, e quando Firenze já tem metade das aulas de Adivinhação, ela começa a beber demais; no final do livro cinco e durante o livro seis nunca vimos Sybill sem cheirar a sherry.

Relacionamentos com Outros PersonagensEditar

Sybill Trelawney passa a maior parte do tempo na torre de Adivinhação, onde dá aulas e portanto está sempre afastada do resto do pessoal da escola, embora que o fato de sua matéria ser vaga, imprecisa, praticamente exagerada, e seus métodos de ensino questionáveis, muitas vezes atraiam a ira da Professora McGonagall. Seu relacionamento com os alunos não é muito melhor, ela irrita Harry, Hermione e Ron, mas consegue atrair umas seguidoras simplórias como Parvati Patil e Lavender Brown. Ela também guarda ressentimento contra Firenze, quando ele é escolhido como o segundo professor de Adivinhação.

AnáliseEditar

De um modo geral, Trelawney gosta de causar grande impressão, mais provavelmente por causa de sua natureza insegura. Ela adora prever mortes de alunos, uma cada ano, embora ninguém ainda tenha morrido. (Cedric?) Ela prevê constantemente uma morte horrível para Harry, possivelmente querendo causar um grande efeito, tendo uma pessoa famosa morrendo e a previsão sendo correta. Ironicamente, as duas mais incríveis previsões de Trelawney se tornaram as únicas verdadeiras. Essas duas previsões foram tão incríveis que “até” (Trelawney) não conseguiria dizer algo tão sofisticado “assim” de acordo com Trelawney. Essa duas previsões também estão relacionadas com Voldemort.

No livro cinco, como mencionado acima, Umbridge manda Sybill embora e exige que ela saia do castelo; Albus Dumbledore, embora não pondo em dúvida sua autoridade para mandar a professora embora, avisa que ela não pode obrigar ninguém a deixar o castelo. Ele exige que Sybill permaneça no castelo e tem o apoio da Professora McGonagall e do Professor Flitwick para acompanhá-la até seus aposentos. Não há motivo para ele mantê-la na escola, exceto porque ela duas vezes fez profecias sobre Harry e Voldemort, uma das quais já se tornou real, e uma que Voldemort está tentando recuperar. Se presume que Dumbledore sente que exise algum perigo, tanto para a Ordem quanto para a própria Sybill, se ela deixar a proteção de Hogwarts. Sybill nem tem idéia do perigo, aparentemente; ela parece nem saber que fez essas profecias. É claro que Voldemort não sabe que ela nem tem idéia do que previu, então pode pensar em raptá-la para obter a profecia direto da fonte.

PerguntasEditar

  1. Como a Professora Trelawney reagiria se soubesse que fez a profecia sobre Harry?
  2. Em que tipo de perigo ela estaria, se outros (Voldemort) soubessem ?
  3. O que a forma que Trelawney trata Firenze pode dizer sobre seu caráter?

SpoilerEditar

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Visão CompletaEditar

O fato de Trelawney poder, mesmo que muito raramente, fazer profecias corretas, e a revelação (no quinto livro), de que há muitas profecias, tantas que ocupam um grande galpão, podem inspirar o leitor a imaginar a natureza do tempo no mundo mágico. Já sabemos que há um trabalho mágico significativo, feito com o tempo, como visto com o Vira Tempo, que Hermione usou no livro três. A parte do Departamento de Mistérios dedicada ao tempo, mostra que os trabalhos nessa área são contínuos com algum sucesso. Entretanto, o fato das profecias serem tão claramente valorizadas, pode sugerir que a viagem no tempo, como faz o Vira Tempo, é unidirecional; o Vira Tempo pode levar você no tempo por uma hora ou um dia, mas não pode levá-lo ao futuro, que ainda não aconteceu. O valor das profecias, no entanto, indicam que o mundo mágico, aceita que alguns videntes, possam, corretamente, prever eventos, e que isso é uma habilidade incomum.