Guia dos Trouxas para Harry Potter/Personagens/Xenophilius Lovegood


Xenophilius Lovegood
  • sexo = masculino
  • cabelos = brancos
  • olhos = desconhecido
  • família = Luna Lovegood
  • lealdade =

Visão GeralEditar

Xenophilius Lovegood é o pai de Luna Lovegood e o dono do jornal O Pasquim.

Papel nos LivrosEditar

Aviso aos Iniciantes: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

A Ordem da FênixEditar

Luna Lovegood conta para Hermione que seu pai é o dono do jornal O Pasquim, mas não o vemos e nem sabemos seu nome.

As Relíquias da MorteEditar

Xenophilius comparece ao casamento de Bill Weasley e Fleur Delacour, usando roupas brilhantes escandalosas e um grande enfeite em forma de triangulo, com um circulo e uma linha dentro. Viktor Krum que também estava presente, conta para Harry (que estava disfarçado), que aquele símbolo foi usado pelo bruxo do mal, Gellert Grindelwald em seu movimento.

Harry, Ron e Hermione, enquanto estão fugindo, ouvem dizer que O Pasquim está imprimindo artigos apoiando Harry. Eles então vão visitar Xenophilius; ele parece relutante em deixá-los entrar, mas acaba deixando, dizendo que mandou uma coruja para avisar a Luna, que está lá embaixo na ponte, pegando Plimpies para a sopa. Explicando o símbolo que ele usou era o segredo das três Relíquias, ele pergunta a Hermione se ela leu a história dos três irmãos no seu livro “Os Contos de Beedle o Bardo”. Os três irmãos receberam os objetos da morte, porque a enganaram: um pediu a varinha mais poderosa do que qualquer outra, o outro pediu a pedra que pudesse trazer as pessoas já mortas e o outro pediu a capa da invisibilidade da própria morte. Xenophilius explica que essas são as três Relíquias, e seus símbolos são o triângulo para a Capa da Invisibilidade, o circulo para a Pedra da Ressurreição e a linha para a Varinha.

Depois Xenophilius sai para fazer a sopa, e Harry investiga a parte superior da casa, encontrando o quarto de Luna, com retratos pintados dela e dos outros membros da Armada de Dumbledore. Ele descobre que, aparentemente o quarto não é usado há algum tempo, o que é estranho; Luna deveria estar em casa para os feriados do Natal. Quando Xenophilius volta Harry volta a perguntar onde está Luna; a impressora do jornal que estava fazendo cópias do Pasquim o tempo todo, de repente cospe um bolo de papéis no chão. E Harry descobre que o Pasquim se tornou o jornal oficial do Ministério da Magia, dizendo que Harry é o “Indesejável Número Um” e deve ser preso.

Xenophilius admite que enviou uma coruja ao Ministério; Luna está sendo mantida presa para forçá-lo a fazer isso. Quando os bruxos do Ministério chegam, Xenophilius tenta estuporar Harry, mas erra fazendo com que um chifre de Erumpente, que ele acreditava ser o chifre de um Crumple-Horned Snorkack exploda. Hermione, Ron e Harry fogem no meio da confusão, mas deixam que os Comensais da Morte os vejam, para que Xenophilius não seja punido por mentir para eles. Soubemos mais tarde que Xenophilius foi preso, mas não sabemos detalhes.

Pontos FortesEditar

Não sabemos se isso é força de caráter ou falta de habilidade em perceber suas próprias diferenças, mas Xeno sempre faz apenas aquilo em que acredita, não importa o que a população em geral pense sobre ele.

Pontos FracosEditar

A paixão de Xeno pelas experiências estranhas, o tornou aberto para aceitar as teorias mais mirabolantes, muitas delas nós ouvimos em segunda mão, pela sua filha Luna. Por causa dessas teorias O Pasquim se tornou motivo de zombaria.

Relacionamentos com Outros PersonagensEditar

Aparentemente, a única coisa que tira Xeno do sério, é a captura de sua filha. Ele vai aos últimos limites, abandona seus próprios principios e até entrega Harry para o Ministério, tudo para conseguir a liberdade de Luna. Depois da morte de sua esposa, Luna é sua única família.

AnáliseEditar

"Xenophilius" é um nome apropriado, porque significa “amor pelo que é estranho” ou “amor por coisas estranhas”. O sétimo livro exige que Harry aprenda a natureza das Relíquias da Morte, e é necessário que isso aconteça bem próximo do final da história, de modo que ele possa compreender a natureza delas, mais devagar do que Dumbledore conseguiu. Dumbledore estava sendo impositivo. Embora ele soubesse da existência das Relíquias, e onde elas estavam, ele também sabia que desse essa informação para Harry, o rapaz iria querer possuí-las, ao invés de procurar e destruir os Horcruxes. Embora Dumbledore tenha dado algumas dicas sobre a natureza das Relíquias para Harry encontrar, muitas delas ele não plantou e nem imaginou; não importa como, eles acabaram encontrando Xeno. A extrema excentricidade de Xeno, diminuiu o interesse imediato nas Relíquias; sua evidente crença nos Snorkacks e outras criaturas impossíveis, faz com que sua crença nas Relíquias seja igualmente suspeita. Essa suspeita é que impede Harry de abandonar a busca pelos Horcruxes, na esperança de ter as três Relíquias e “conquistar a morte” e assim evitar ser morto por Voldemort.

PerguntasEditar

SpoilerEditar

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.


Visão CompletaEditar

Uma das coisas que Harry encontra quando está procurando na sala bagunçada de Xeno, é uma tentativa de recriar o diadema de Rowena Ravenclaw. Embora a tentativa de Xeno jamais fosse dar certo pelo hábito dele, de usar coisas mágicas bem estranhas, essa é a primeira vez que vemos um potencial objeto da Quarta Fundadora. Porque dois dos três objetos pertencentes aos Fundadores se tornaram Horcruxes, os leitores esperam que o diadema também seja, e que Harry o encontre e destrua.