História do Brasil/O tempo e as eras geológicas

Muito se tem dito sobre o tempo, pouco se tem pensado a respeito, pois quando se fala em tempo, podemos estar imaginando sobre uma medida inventada pelos seres humanos para mensurar nossa passagem por este universo.

Quando estamos envoltos com nossos problemas, não enxergamos a quantidade de gerações ancestrais que nos antecederam sobre o planeta. Seguindo em direção ao passado, não temos consciência que, se um, somente um, de nossos antepassados não tivesse conseguido sobreviver, jamais existiríamos. Daí a importância de conhecer o passado, pois, seguindo-se a linha do tempo, por qualquer que seja o caminho, ela sempre nos encontrará. Muitas vezes alguns pensam sobre o cosmo, de onde surgiu, ou sempre existiu, e como chegamos aqui; infelizmente, pouca importância se dá a este assunto, provavelmente considerado tabu.

Mas a pergunta fica, e vem à tona, qual é a natureza do tempo? Cada vez que retrocedemos numa era geológica, percebemos outra que a antecedeu, assim, a nossa existência sobre este planeta obedece a uma escala seqüencial, assim o é a Terra.

Nosso UniversoEditar

Através dos séculos, nós humanos procuramos despir a natureza de seus segredos, tentando descobrir a ordem oculta que rege o universo. Em nossa busca, mergulhamos cada vez mais nos oceanos, voamos cada vez mais alto, chegamos à estratosfera, fomos ao interior das selvas mais densas, aos desertos mais longínquos, descobrimos os pólos gelados da Terra fomos ao espaço sideral.

Nossos instrumentos possuem dispositivos de inteligência artificial, e navegaram até os confins de nosso sistema solar nos mandando dados e informações em tempo real, tudo isso, graças ao aprofundamento e ao entrelaçamento de todas as ciências.

À medida que se amplia nosso conhecimento, nossa perspectiva de visão se alarga, nossas noções de espaço e de tempo começam a chegar num patamar cada vez mais complexo. Hoje não mais pensamos no início da matéria, e sim no tempo, pois não há como dissociar a noção de quatro dimensões em nosso universo.

Desde o aparecimento do primeiro organismo vivo neste planeta até os dias atuais, queremos fazer o caminho inverso da evolução para descobrir qual foi o ramo que chegou até nós. Nesta árvore genealógica, sabemos que somos parentes de todos os seres vivos, desde as árvores até os moluscos, a evolução nos fez ser o que somos, matéria estelar que questiona sua própria existência. Não existe maneira de não aceitar estas alegações, pois somos um dos inumeráveis seres vivos que povoam a superfície do planeta desde o início da vida. Os humanos ainda relutam em reconhecer sua dependência do sistema natural em que vivem, teimam em aceitar a fragilidade da teia da vida, tem pouca idéia do quanto dependem de água, de luz solar, de ar e de todos os elementos e substâncias necessários à sua sobrevivência.

Com o desenvolvimento e avanço do conhecimento a humanidade ainda não aprendeu o quanto é pequena à frente deste universo que a rodeia, ela está a meio caminho entre o micro, e o macro, ambos de complexidade cada vez maior à medida em que se aprofunda em seus mistérios.

Os humanos ainda estão convictos de que são os senhores da Terra, não aprenderam a olhar para a abóbada celeste. Quando realmente olharem e entenderem o que se encontra sobre seus corpos imersos e comprimidos numa fina camada de gases, atraídos pela gravidade, terão a verdadeira noção da imensidão sobre este minúsculo domínio, que é comparável a um átomo de um grão de areia, em relação à grandeza do universo estrelado que os rodeia.