Japão Através da História do Governo Japonês/Introdução

Introdução do volume original de 1893Editar

O Império do Japão consiste hoje em dia de um grupo de ilhas organizadas no canto noroeste do Oceano Pacífico, na costa leste do continente asiático. Estas ilhas - incluindo Formosa (Taiwan) e a dos Pescadores cedidas pela China em 1895, e a metade sul de Sakhalin, adquirida da Rússia em 1905 - encontram-se entre os paralelos de 50° 56' e 21° 48' de latitude norte, e a longitude de seus pontos extremos de leste a oeste são 156° 32' e 119° 20' , respectivamente, a leste de Greenwich. Desta forma império cobre, 29° 8' de latitude e 37° 12' de longitude. No leste, está voltado para o Oceano Pacífico; a sudoeste, olha através das águas do Mar da China para o continente; a noroeste, o Mar do Japão e o Golfo da Tartária separam-na da Coréia e da Sibéria. O quinquagésimo paralelo divide a metade japonesa de Sakhalin da metade norte ou russa, e o Estreito de Kurile intercepta o grupo de ilhas Chishima ou Kurile no norte da península russa de Kamchatka.

Todo o grupo é composto por cinco grandes ilhas além de metade de Sakhalin e quase seiscentas ilhotas. A grande ilha situada no centro constitui a Ilha principal Honshū; a ilha diretamente ao norte é Hokkaidō (Yezo ou Ezo) e a que esta ao sul é Kiushū; no sudoeste de Honchu e leste de Kiushū temos Shikoku; e no alongamento na direção noroeste de Hokkaidō se localizam as ilhas Chishima ou Kuriles, enquanto a cadeia do Arquipélago Ryūkyū (onde esta localizado Okinawa) leva a Formosa. Flutuando, por assim dizer, no Mar do Japão estão as ilhotas de Sado, Oki e Tsushima, as últimas a apenas cinquenta quilômetros da costa sul da Coréia. Espalhados no Oceano Pacífico, a uma distância de quase 500 milhas da costa sudoeste do continente, encontra-se o Arquipélago Ogasawara (Bonins). A estes deve agora ser adicionado a recém-cedida metade sul da ilha de Sakhalin.

Devido à sua natureza insular, a área do império, excluída a metade de Sakhalin, que é talvez até 31.080 quilômetros quadrados, pouco excede 417.000 quilômetros quadrados, ou ligeiramente maior que a área das Ilhas Britânicas. Mais da metade dessas superfícies é composta pela ilha principal Honshū. O litoral das catorze ilhas e arquipélagos maiores, novamente com exceção de Sakhalin, se estende por 21.800 quilômetros. Pouco recuado, a costa ao longo do Mar do Japão oferece poucas baías ou promontórios; mas as costas do Pacífico e do Mar da China estão divididas em inúmeras baias e enseadas, e são abundantes em bons portos.

O país é montanhoso e tem pouca terra plana. Dois sistemas de cadeias de montanhas estendem-se de norte a sul e de leste a oeste, cada um com numerosos ramos. Nas terras altas do império estão localizadas duas províncias de Shinano e Kai, situadas no centro da ilha principal. No limite entre as províncias de Kai e Suruga, esta localizado o Fujisan, ou Monte Fuji, que fica coberto por neves perpétuas, e seu cume se eleva a 3.700 metros acima do nível do mar. Sua posição como o pico mais alto do país foi perdida com a aquisição de Formosa, que contém o Monte Morrison, agora chamado Monte Niitaka, cuja altitude não é inferior a 4.320 metros. As montanhas da ilha principal são em sua maior parte vulcânicas, os vulcões ativos, em número de 170, e a faixa onde se encontram se estendem por toda a extensão do país. Minas e nascentes minerais, consequentemente, abundam. A freqüência de terremotos também resulta da abundância de vulcões. Os choques menores podem ser sentidos de trinta a quarenta a várias centenas por ano e, de choques severos, a história mostra que houve dois ou três em cada século, o que por vezes leva a uma tremenda destruição da vida e da propriedade.

A partir da configuração geral do país, conclui-se que grandes rios com longos cursos são poucos, mas numerosas correntes de menor magnitude atravessam todas as partes do império, proporcionando excelentes instalações para drenagem e irrigação. Muitos dos maiores são até mesmo navegáveis. O rio Ishikari, em Hokkaido, com um comprimento de 655 quilômetros, é o mais longo do império, seguido pelo Shinano, na ilha principal, com cerca de 386 quilômetros de extensão. Nossa terra é ainda menos rica em extensas planícies do que em grandes rios. Vales que se encontram no fundo dos montes, planaltos ao longo das margens dos grandes rios, declives suaves ao pé de cadeias de montanhas ou trechos à beira-mar, são os únicos lugares planos que poder ser vistos. O Pantanal de Ishikari, as margens do rio Ishikari, em Hokkaido, é talvez o mais extenso. Seu solo é rico e é abundante em madeira e plantas. Outras planícies bem conhecidas no norte ficam ao longo do curso do rio Tokachi e à beira-mar em Kushiro e Nemuro. Passando para a ilha principal, encontramos, na parte nordeste, o planalto de Ōshū, atravessado pelos rios Kitakami e Abukuma, e estendendo-se pelas províncias de Rikuchū, Rikuzen, Iwashiro e Iwaki. Lá também o solo é rico e terras férteis cobrem uma área ampla. Na seção central, o vale do rio Tone forma a planície Hasshū do Kanto, espalhando-se pelas quatro províncias de Musashi, Kōzuke, Hitachi e Shimōsa. Abundantemente povoada e altamente fértil, essa planície é a mais extensa da ilha principal. Em seguida, em ordem de magnitude, vem o vale do rio Kiso, ocupando partes das províncias de Mino e Owari, e formando um grande campo cultivado. A planície de Echigo, ao longo das águas baixas do rio Shinano, é a mais extensa de todas as planícies litorâneas do Japão. Além destas, existem planícies consideráveis em Kinai, ao longo das margens dos rios Yodo e Yamato; em Shikoku, as terras planas mais extensas são encontradas ao longo do curso do rio Yoshino, e em Kiushū as terras nas margens do Chikugo até a praia do Ariyake dão às províncias de Chikugo e Hizen uma ampla área de campos irrigados.

Honshū está situada na zona temperada, goza, em sua maior parte, de um grau médio de temperatura. Mas o clima do império é muito variado, devido à forma alongada do país, que se estende ao longo de quase trinta graus de latitude e às grandes diferenças de altitude que caracterizam a superfície da terra e também à ação de um clima quente e de uma corrente oceânica fria que passa pelas suas costas. Assim, na parte norte de Hokkaido e nas ilhas Chishima, a neve nunca desaparece, o mar congela no inverno, e granizo e neblina prevalecem. Por outro lado, no distrito sul, bem como nos arquipélagos de Riukiū e Ogaswara, o calor é muito grande e nem neve nem gelo são vistos no inverno. Nas partes centrais, novamente, a temperatura varia de acordo com a elevação da terra e a configuração das montanhas e dos mares. Quanto a Formosa que está parcialmente situada dentro da zona tropical, foram registrados temperaturas que nos seus extremos foram de a 36° Celsius.

A corrente oceânica quente, conhecida como Kuroshiwo ou Corrente Negra, da profunda cor cor azul-escura, exibida em tempo nublado, se eleva do distante Equador e possui uma temperatura média de 27° C no verão. Imediatamente depois de deixar o Equador, ele viaja ao longo da costa leste da China, passando para o norte, se aproxima da costa de Kiushū, onde se bifurca. Um ramo entra no Mar do Japão e flui para o norte; a corrente principal passa pela costa meridional de Shikoku e de Honshū, até alcançar o norte do Cabo Inubō em Shimōsa, onde novamente se bifurca, um ramo virando para o norte, e a corrente principal viajando na direção nordeste até deixar a ilha principal. Em conseqüência, talvez, do calor recebido desta corrente quente, todas as províncias de Kiushū, Shikoku, Sanyōdō e Tōkaidō raramente vêem neve. Há também uma corrente fria chamada Oyajiwo, da qual a temperatura média no verão é tão baixa que chega a . Sua rigem é o Mar de Okhotsk, de onde passa pelas ilhas Kurile, flui por Hokkaido e a costa leste da parte norte de Honshū, chega ao Cabo Inubo, onde desaparece. Situadas em uma alta latitude, Hokkaido e a parte norte de Honshū, e ainda expostas à influência dessa corrente fria, têm um clima severo. A neve fica no chão por muitos dias e o inverno é longo.

A precipitação é intensa no verão e leve no inverno. É maior ao longo das costas banhadas pelo Oceano Pacífico e pelo Mar do Japão, e menos nas porções centrais do país ao longo das duas costas do Mar Interior, bem como no extremo norte e Honshū. Hokkaido tem uma pluviosidade média.

Um solo rico, um clima agradável e uma chuva suficiente produzem uma vegetação exuberante. Campos e jardins cultivados se sucedem em áreas amplas. A posição extraordinária das ilhas que se estendem de norte a sul também aumenta muito a variedade de vegetação. Assim, em Kiushū e Shikoku podem ser vistas densas e verdejantes florestas abundantes em árvores gigantes. Cana-de-açúcar, tabaco e algodão, encontram um solo adequado ao seu crescimento. O cacau, a figueira, a banana e seus congêneres florescem nas ilhas Ryūkyū e Ogasawara. Em suma, o aspecto geral é tropical. Passando para os distritos centrais, grandes variedades de plantas são encontradas. O pinheiro (pinus densiflora e pinus massoniana), o carvalho (quercus dentata), o hinoki (thuya obtusca), o sugi (cryptomeria japonica), a cânfora e o bambu crescem nas matas; enquanto a amoreira, a planta do chá, a laca, o painço, os cinco cereais, os vegetais e vários tipos de frutas são vistos nos campos e nos jardins. Finalmente, mesmo no frio e pouco cultivado Hokkaido, o solo fértil e a vegetação luxuriante convidam à agricultura.

As formas de vida animal também são muito variadas. Entre os animais domésticos estão o boi, o cavalo, o porco, o cachorro e o gato; enquanto os animais selvagens mais importantes são o porco, o cervo, a lebre, a raposa, o texugo e o macaco. Feras ferozes e répteis nocivos são limitados ao urso dos distritos do norte e ao habu (um tipo de cobra) de Ryūkyū. Nas águas que banham as costas de Hokkaido, abundam lontras marinhas e focas de pele; as baleias frequentam os mares no norte e aquelas adjacentes a Shikoku e Kiushū; e ao longo de toda a costa, peixes e crustáceos são encontrados em tal abundância que eles são mais do que suficiente para a comida comum dos habitantes. De pássaros há grande abundância, alguns possuindo plumagem bonita, outros notas melodiosas, e outros sendo adequados para comida. Para a última classe mencionada, pertencem galinhas e patos de porta de celeiro. Entre os insetos, o bicho-da-seda é largamente criado em toda a ilha principal, sendo o clima e o solo particularmente adequados para esse fim.

Embora o país não tenha montanhas de altitude excepcional ou rios de comprimento extraordinário, as condições do clima e do solo são tais que nenhuma das montanhas fica sem bosques nem um dos rios sem água límpida. Tão bem distribuídas, também, são as terras altas e riachos, que lugares de beleza estão por toda parte no interior, e devido à configuração das costas bem como ao número de ilhotas, pedras de beleza cênica são abundantes à beira-mar. em todas as províncias. Além disso, além da riqueza de encantos naturais, existem numerosos santuários e templos notáveis na ilha principal, de modo que as belezas arquitetônicas, glípticas, pictóricas e hortícolas complementam as atrações do cenário. A ilha principal é mais rica em locais de interesse, e na província de Kinai estão os locais mais favorecidos da ilha nesse aspecto. Desde 794 A.D., quando o Imperador Kammu tornou Quioto a sua capital, até quando o Imperador Mutsuhito se mudou para Tóquio, um período de mais de onze séculos, Quioto permaneceu a sede imperial do governo. Por isso, oferece inúmeras relíquias históricas e é ainda a que tem mais belezas cênicas atraentes em todas as estações do ano. Separado de Quioto por uma série de colinas, encontra-se o maior lago do império, o Lago Biwa, conhecido como Ōmi-hakkei que sempre foi o tema dos poetas e a inspiração dos pintores. A uma distância de quase quarenta quilômetros de Quioto está Nara, a residência imperial durante grande parte do século oito. Nara é abundante em relíquias históricas, sendo a mais notável o Santuário de Kasuga e o Templo de Hōriuji, lugares nobremente planejados e naturalmente encantadores. Tōdai-ji, um grande templo erguido pelo Imperador Shōmu, tem mais de mil anos e contém a célebre Grande Imagem de Buda. As cerejas do monte Yoshino e as ameixas de Tsukigase, que não têm pares em outras partes do país, estão na mesma província que Nara. Mais a oeste, a face do Mar Interior, entre Shikoku e Sanyōdō, existem centenas de pequenas ilhas cujas areias brancas brilhantes e pinheiros verdes se combinam para formar uma bela imagem. Entre os lugares famosos por paisagens marítimas requintadas podem ser mencionados Waka-no-ura em Kii, a praia de Sumiyoshi em Settsu, Suma-no-ura, a praia de Maiko, e Akashi-no-ura em Harima, e Itsukushima em Aki. O último lugar é uma pequena ilha perto da costa, composta quase inteiramente de falésias fantasticamente formadas e rochas estranhas. Sobre ele está um santuário graciosamente modelado que teria sido construído por Taira-no-Kiyomori do século XII, cujo salão e varanda parecem flutuar na superfície da água. A combinação singular de efeito e arquitetura da água e a beleza de toda a visão sugerem uma morada encantada de fadas.

Em Kiushū, Yabakei é famoso por sua paisagem e o santuário de Usajingū por sua arquitetura. Ainda mais célebre é Ama-no-Hashidate em Sanindō. Este é um promontório arenoso completamente coberto de pinheiros se estende até o mar, oferecendo uma cena de beleza e fazendo com Matsushima e Itsukushima as três vistas mais famosas do Japão.

Entre os lugares de destaque nos arredores de Tóquio está Kamakura na costa sudeste, que foi a sede do governo feudal do Japão por mais de um século e meio até 1333, e ainda oferece muitos pontos de interesse histórico. Ao norte da capital, os lugares mais célebres são Nikkō e Matsushima. Em Nikkō está localizado o mausoléu de Tokugawa Ieyasu. As belezas de sua decoração arquitetônica, a delicadeza de suas esculturas e a beleza de seu cenário inspiraram um ditado popular que, sem visitar Nikkō, um homem não está qualificado para falar do belo (Nikko wo minai uchi wa kekkou wo iuna). Matsushima, uma das três principais paisagens do Japão, fica na costa de Rikuzen. Aqui, espalhados pela superfície da baía, existem centenas de minúsculas ilhotas, cada uma delas vestida com luxosos pinheiros. Vista do topo das colinas, a cena é como uma criação de fantasia feita na tela de um pintor hábil.

O Japão propriamente dito é dividido em nove regiões principais de acordo com sua configuração: são Kinai, Tōkaidō, Tōsandō, Hokurikudō, Nankaidō, Sanindō, Sanyōdō e Hokkaidō. Estas nove regiões são subdivididas em oitenta e cinco províncias (koku ou kumi). A província, no entanto, tem pouca importância nas divisões administrativas do país. A menor unidade é o distrito urbano (chō) ou rural (son), que, juntamente com as divisões maiores, cidade (shi) e comarca (gun), constitui uma entidade autônoma. Acima e além dessas divisões existem metrópoles (dōchō) como Hokkaido, Tóquio, Quioto e Ōsaka, e quarenta e três prefeituras (ken). Atualmente, existem, sem contar Formosa, 638 gun, 58 shi, 1054 chō e 13.468 sun.

A cidade de Tóquio era antigamente, sob o nome Edo, a sede do governo feudal por quase três séculos. Hoje é a capital do império. Ela ocupa uma posição central e é a maior cidade do país. Seus quinze distritos têm uma população total de quase um milhão e meio de habitantes. Quioto, a antiga capital, é dividida em dois distritos e tem uma população de mais de 353.000 habitantes. Ōsaka, a terceira maior cidade, era a sede da administração do Taikō. Possuindo instalações excepcionais para comunicação por mar e por rio, é um centro comercial desde tempos antigos. Está dividido em quatro distritos e tem uma população de 825.000. Estas três cidades constituem os três fu. Em seguida, em ordem de importância, vem Nagoya, entre Tóquio e Quioto, com uma população de 245.000; Kanazawa, no norte da ilha principal, com uma população de 85.000 habitantes; Sendai, no nordeste, com uma população de 84.000; Hiroshima, no sudoeste, com uma população de 123.000 habitantes; Kumamoto, em Kiushū, com uma população de 62.000. Entre os portos abertos, Yokohama, com uma população de 195.000, e Kobe, com uma população de 216.000, são os dois mais importantes, Nagasaki, Hakodate e Niigata vem em seguida, mas com um intervalo considerável.

Antes de prosseguirmos, no entanto, algumas palavras podem ser ditas sobre a natureza geral do relato histórico do Japão. Nos tempos antigos, o Japão não possuía nenhum roteiro literário nem um sistema regular de calendário e cronologia. Todos os eventos foram transmitidos de geração em geração pela tradição oral. O uso da escrita foi importado da China, provavelmente cem ou duzentos anos antes de Cristo, mas o uso geral de cartas com o propósito de registrar eventos data do século V d.C., enquanto a compilação dos anais nacionais começou dois séculos mais tarde. Mas esses registros históricos então compilados foram quase totalmente destruídos, pouco tempo depois, pelo fogo, e os registros orais da antiguidade remota já foram grandemente desfigurados por omissões, erros e confusão de fatos. Lamentando isso, e percebendo que, a menos que fossem tomadas medidas para corrigir os anais, as gerações subsequentes ficariam sem qualquer registro confiável de eventos remotos, o Imperador Temmu ordenou que um eminente erudito, Hieda-no-Are, preparasse uma breve crônica de soberanos e eventos importantes. Infelizmente a morte do imperador, ocorrida em 689, interrompeu esse trabalho. Cerca de vinte anos depois, a Imperatriz Gemmyō instruiu Ō-no-Yasumaro a continuar a compilação dos anais de Hieda-no-Are. O trabalho assim concluído em 712 ficou conhecido como "Kojiki". Ele é considerado como o registro mais confiável dos eventos dos tempos antigos. Oito anos após o aparecimento do "Kojiki", em 720, o "Nihongi" foi compilado. Encontramos, ao comparar esses trabalhos, que, embora, em geral, eles concordem, existem certas discrepâncias entre eles. Nestes dois trabalhos, no entanto, encontra-se o principal material para a reconstrução da história do Japão antigo. Se curiosos incidentes sobrenaturais figuram em suas páginas, deve ser lembrado que a literatura estava então em sua infância e que havia um longo intervalo transcorrido desde o tempo em que dos eventos aconteceram até serem registrados, os analistas não estavam treinados na seleção dos assuntos que realmente eram importantes ou autênticos, enquanto o compilavam das tradições orais em que se baseavam, os erros sem dúvida foram incluídos além de eventos corriqueiros, incidentes extraordinários e histórias sobrenaturais sobreviveram.

No que diz respeito à antiga cronologia do Japão, registra-se que os almanaques entraram em vigor no Japão em 604 d.C., embora pareça que o calendário chinês tenha sido importado na metade do século anterior. A compilação de anais, como já foi dito, havia precedido o último evento por um intervalo considerável. Podemos, portanto, conjeturar que algum método de avaliar meses e anos tenha sido praticado desde uma era primitiva, mas não há conhecimento certo sobre esse assunto.

No Japão desde a antiguidade, a cronologia não se baseava em uma era. Originalmente, o método buscado era considerar os anos após a ascensão de cada imperador ao trono. Em 645, no entanto, foi introduzida a moda chinesa de usar períodos de anos designados geralmente em dois caracteres chineses e alterados com a frequência desejada. A mudança do nome do período ocorre assim no início de cada novo reinado, e também como recorrência de ocasiões de boa ou má sorte, de modo que existem exemplos extremos de cinco ou seis mudanças de designação dentro do reinado de um único imperador. Resulta, evidentemente, que é necessário um esforço incômodo para memorizar a sequência e as datas dos vários períodos de anos. Os chineses, no reinado do soberano Ming Taitsu, decidiram que não deveria haver mudança na designação de um período de anos durante o reinado de um soberano. Uma decisão semelhante foi tomada em 1868 com a ascensão do atual Imperador do Japão, a partir da qual a época de Jimmu começou a ser usada como base cronológica. Esta era foi oficialmente fixada em 660 a.C. [1]

Quanto às fontes posteriores da história japonesa, seguindo os já mencionado "Kojiki" e "Nihongi", elas são abundantes, aumentando à medida que nos afastamos de épocas iniciais. Grande parte dessa vasta literatura histórica foi publicada e editada (embora, até agora, pouco traduzida para as línguas europeias), mas não tem sido amplamente divulgada nem vista como luz. O governo japonês, que tem procurado materiais em todo o país, está publicando, através da Universidade Imperial de Tóquio, documentos históricos, em sua maioria inéditos até agora, em duas grandes séries: uma com duzentos e outra com trezentos volumes, respectivamente, a serem completadas em cerca de quinze anos. [2]

A história do Japão não pode ser colocada na divisão costumeira de idades antigas, medievais e modernas. Com base nas importantes mudanças que ocorreram na administração e na política do Japão, sua história será, nas páginas seguintes, dividida em três partes de comprimentos desiguais. A primeira parte cobre o longo espaço de tempo entre a fundação do império e o início do regime feudal no final do século XII. Durante este período, o poder do governo descansou, teoricamente, apesar de grandes flutuações que aconteceram, nas mãos do soberano. Isto foi seguido por quase sete séculos de autocracia militar, que constitui a segunda parte. A terceira parte começa em 1868, a partir do ano em que o poder administrativo reverteu ao imperador, estabeleceu-se um regime constitucional com instituições representativas e os aspectos gerais da vida da nação passaram por uma profunda mudança.

K. Takatsu, S. Mikami, M. Isoda.

Notas

  1. Deve ser sempre lembrado que um relato histórico sobre o Japão antes do século V d.C., deve ser permitido uma grande amplitude em relação a datas e eventos.
  2. Chamadas de "Dai-Nihon Komon-sho" e "Dai-Nihon Shi-ryō".