Urbanização/Malhas urbanas

As malhas urbanas são as áreas ocupadas por cidades, isto é, o perímetro urbano de um município. Quando ocorre conurbação entre várias cidades, surge um novo conceito: as Regiões Metropolitanas.

Grandes malhas, único perímetroEditar

A cidade principal é chamada de Metrópole, que assim como as demais cidades constituintes da Região Metropolitana, possui zonas periurbanas e centros urbanos. As regiões metropolitanas têm em comum:

 
Complexo Metropolitano Expandido de São Paulo; tem a maior área em mancha urbana da America, são mais de 11.200 KM² e aproximadamente 50.000 km² somando os 171 municípios do complexo; 32.200.000 habitantes, segundo a EMPLASA; Brasil - País subdesenvolvido.
 
Região Metropolitana de Nova Iorque, Estados Unidos - País desenvolvido.
 
Região Metropolitana de Roma, Itália - País desenvolvido.
  • Grande densidade populacional;
  • Grande oferta de emprego;
  • Grande valor de terra, especialmente na Metrópole.

As regiões metropolitanas, em países subdesenvolvidos, têm em comum:

  • Algum tipo de problema social;
  • Algum tipo de poluição;
  • Trafego de veículos grande ou intenso.
Maiores Regiões Metropolitanas
Metrópole País,
Continente
Classificação
do país
População Densidade
Tóquio* Japão, Ásia Desenvolvido 37.000.000 4.049 hab/km²
Complexo Metropolitano de São Paulo Brasil, América Subdesenvolvido 32.200.000 2.875 hab/km²
Seul* Coreia do Sul, Ásia Desenvolvido 25.000.000 4.048 hab/km²
Shanghai China, Ásia Subdesenvolvido 23.020.000 3.216 hab/km²
Jacarta* Indonésia, Ásia Subdesenvolvido 22.000.000 3.706 hab/km²
Mumbai Índia, Ásia Subdesenvolvido 21.900.000 8.170 hab/km²
Deli* Índia, Ásia Subdesenvolvido 20.900.000 5.845 hab/km²
Cidade do México* México, América Subdesenvolvido 20.450.000 2.748 hab/km²
Nova Iorque Estados Unidos, América Desenvolvido 18.750.000 1.104 hab/km²
Osaka Japão, Ásia Desenvolvido 17.400.000 2.507 hab/km²

*São capitais nacionais
Note que as dez maiores regiões metropolitanas localizam-se na Ásia e na América. Para conhecer o porquê disto, é necessário ter um conhecimento maior em História e em Geografia. Alguns fatos que implicam com isso:

  • Há diminuição ou muito pouco crescimento populacional nos países da Europa;
  • Na África a maior parte da população concentra-se no campo;
  • Há uma enorme taxa populacional na Ásia.

Iremos estudar esses três tópicos mais adiante. Mas uma coisa é certa: não significa que para um país ter uma elevada população ele necessariamente terá gigantescas áreas urbanas, um exemplo é a Alemanha que é o país mais populoso da Europa, e apesar de ter grandes cidades (como Berlim, Hamburgo, Munique, Frankfurt, etc) elas não apresentam o mesmo perímetro. Visto isso, concluimos que as regiões metropolitanas não representam domínio de valor populacional no país, mas sim um grande poderio, muito vantagioso, pois se cidades estão próximas umas das outras, apresentam maior número de emprego, menor custo com o transporte (já que está tudo bem próximo), consecutivamente maior educação, saúde, lazer.

Veja a continuação deste assunto em Surgimento das Malhas Urbanas

Várias malhas, vários perímetrosEditar

Agora que estudamos as malhas quando as cidades partilham o mesmo perímetro urbano, iremos estudar cidades com um único perímetro. Observe o mapa:

Esse mapa mostra o continente Europeu à noite, nele podemos identificar as diversas malhas urbanas, como as regiões metropolitanas e as grandes cidades (as com luminosidade maior), entre elas (mantenha o mouse sobre os círculos verdes):

Cidades da Europa com mais de 1 milhão de habitantes

 

Istambul, Turquia 
Moscou, Rússia 
Londres, Reino Unido 
São Petersburgo, Rússia 
Berlim, Alemanha 
Madrid, Espanha 
Roma, Itália 
Kiev, Ucrânia 
Paris, França 
Bucareste, Romênia 
Hamburgo, Alemanha| 
Minsk, Bielorrússia 
Varsóvia, Polônia 
Viena, Áustria 
Budapeste, Húngria 
Barcelona, Espanha 
Carcóvia, Ucrânia 
Munique, Alemanha 
Milão, Itália 
Estocolmo, Suécia 
Níjni Novgorod, Rússia 
Praga, República Checa 
Sófia, Bulgária 
Samara, Rússia 
Belgrado, Sérvia 
Copenhage, Dinamarca 
Dublin, Irlanda 
Bruxelas, Bélgica 
Rostov do Don, Rússia 
Colônia, Alemanha 
Argel, Argélia 
Tunes, Tunísia 
Ancara, Turquia 
Tabriz, Irã 
Tbilisi, Geórgia 
Erevan, Armênia 
Baku, Azerbaijão 
 
Caxias do Sul, Brasil - perímetro próprio.
 
Skopje, Macedônia - perímetro próprio.
Ficheiro:OmskIrtich.jpg
Omsk, Rússia - perímetro próprio.

Como você pode observar nos mapas, a Europa possui várias malhas urbanas separadas uma das outras, isto é, um pequeno conjunto de cidades grandes juntas e outras separadas, além das pequenas cidades (que são os pequenos pontos luminosos). A exceção é o Reino Unido, que possui várias regiões metropolitanas. É necessário entender um pouco da história da Europa para saber o porquê disto. Algumas causas:

  • As primeiras cidades foram construídas por civilizações diferentes, isto é, uma civilização separada da outra;
  • Durante a Idade Antiga as cidades eram construídas para defender as fronteiras dos reinos, um exemplo disto é o Império Romano;
  • Depois da queda do Império Romano a Europa ficou fragmentada em feudos, e estes depois viraram as atuais cidades;
  • A Europa sempre foi um sangrento campo de batalha, fazendo com que nas guerras cidades inteiras fossem destruídas.

Assim como nas regiões metropolitanas existem problemas, nas cidades grandes, com apenas o perímetro próprio, também possuem problemas, como:

  • Maior custo com transporte para deslocamento a outras cidades;
  • Há maior desigualdade social, já que as zonas periurbanas ficam maiores.

Mas também possuem várias vantagens. São elas:

  • Apresentam uma zona rural;
  • Há menos poluição;
  • O trafego de veículos é menos caótico;
  • O centro urbano é mais valorizado;
  • A cidade possui um desenvolvimento próprio e muito menos dependente de outras cidades.

Pequenas malhas urbanasEditar

Aqueles pontos luminosos pequenos são os que correspondem às pequenas cidades. Como você pode observar, a Europa é formada por vários daqueles. As desvantagens de pequenas malhas urbanas, são:

  • Pouca opção de trabalho;
  • Dependência de outras cidades;
  • Baixo desenvolvimento.

As vantagens são:

  • Há uma zona rural;
  • Possuem pouca densidade populacional, existindo espaço para lazer, cultura, etc;
  • Como o número de pessoas é baixo, há menos problemas sociais e melhor qualidade de vida;
  • Há pouca poluição e transito.

Essas vantagens e desvantagens só não se aplicam se a malha urbana estiver num perímetro amplo, isto é, se existir uma pequena cidade numa região metropolitana. As características de uma pequena cidade em uma região metropolitana são:

  • Poluição de qualquer tipo;
  • Sem zona rural;
  • Mais opções de trabalho;
  • Menos custo com transportes;
  • Trafego de veículos maior;
  • Alto desenvolvimento.

Na América do Sul é fácil encontrar pequenas cidades próximas de Metrópoles.

Malhas isoladasEditar

Observe o mapa:

 
Victória, Seychelles - Isolada e desenvolvida.
 
Kigali, Ruanda - Isolada e subdesenvolvida.

Este é o mapa da África, obviamente, de noite. Veja como é fácil encontrar ponto luminosos no meio de um vazio. Estas são as malhas urbanas isoladas, pequenas cidades ou comunidades, podem ser cidades de médio ou grande porte. Características das cidades isoladas desenvolvidas:

  • Alto custo de vida;
  • Desenvolvimento cresce aos poucos, geralmente em função da riqueza deste lugar (como as florestas, o mar, o turismo, etc)
  • Geralmente é uma cidade idependente.

Características das cidades isoladas subdesenvolvidas:

  • Alto custo de vida;
  • Gastos altos com o transporte;
  • Muitos problemas sociais;
  • Total dependência de outras cidades;
  • Total dependência da riqueza (geralmente extraída da natureza).