Utilizador:Frederico Viana Silva/Rascunhos3

Avaliação e Medição de Existências Editar

As existências tem características físicas e financeiras. As características físicas (fluxo de mercadorias) são factuais e objetivas, ao passo que as características financeiras (fluxo de custos) são mais subjetivas. Os atributos físicos e financeiros normalmente são áreas problemáticas separadas, distintas e independentes, para uma organização. Nesta seção, a ênfase será colocada sobre as características financeiras associadas com o fluxo de custos.

A importância financeira das existências é atribuída à necessidade de analisar e medir a posição relativa financeira de uma organização, bem como a necessidade de medir o desempenho operacional ou rendimento durante um determinado período de tempo (mês, trimestre ou ano). As Existências, no sentido contabilístico, representa o valor atribuído aos bens adquiridos ou produzidos para a posterior venda ou consumo. As contas de existências, a determinado ponto no tempo, são uma visão instantânea do valor patrimonial total de existências em mão ou em processo. A valorização dessas contas é utilizada para avaliar a situação financeira presente e antecipar a situação financeira futura. Como corolário, os montantes deduzidos das contas de existências durante um determinado período de tempo são os dados básicos para a determinação do custo das mercadorias vendidas no período, que é um determinante básico da renda. Obviamente, a coerência das políticas e métodos de avaliação de existências são imperativos para a interpretação incorrecta da posição financeira de uma empresa em determinado momento e para a medição significativa do desempenho entre os períodos de tempo.

Os custos das existências e despesas dependerão dos procedimentos contabilísticos adoptados. Os procedimentos contabilísticos irão determinar quando e como uma mudança de activos de propriedade deve ser reconhecida, e quando e como os recursos serão transformados em custos e despesas. Factos não são alterados, mas os procedimentos de contabilidade gerem o reconhecimento dos eventos que afectam a determinação periódica de rendimentos e analisar a relação financeira.

A contabilidade de existências é, geralmente, na base dos custos. O custo para fins de inventário pode ser determinado por qualquer uma das várias hipóteses quanto ao fluxo de custos. Não existe um método único previsto para determinar os custos de existências para fins contabilísticos. No entanto, há uma série de procedimentos padrão, com combinações e variações de cada um. O objetivo principal na escolha de um método é reflectir claramente a perfomance periódica. Para determinar o valor em unidades monetárias das existências em qualquer dado momento, a quantidade de existências na mão deve ser conhecida e um valor deve ser atribuído a essas quantidades. A quantidade de existências em mãos é obtida por contagem ou medição. O valor atribuído a existências individuais é baseado em um dos vários métodos de contabilidade. O método contabilístico é muito importante, pois pode afectar significativamente o montante total de unidades monetárias de existências e os custos associados das mercadorias vendidas.

Os métodos de avaliação e medição de existências para fins contabílisticos pode ser subdividida em o método de avaliação e do método do fluxo de existências. Na maioria dos casos, o método de avaliação é baseada no custo original do item. Não haverá problema se os custos de unidades forem constantes, mas durante um período de tempo, os itens são frequentemente comprados ou fabricados a custos unitários diferentes. Isto coloca um problema, uma vez que os itens vendidos devem ser usados para a declaração de renda (custo das mercadorias vendidas), e itens não vendidos devem ser avaliados para a folha balanço (inventário) (Tersine, 1994, p. 479). .



Fluxo de custos ou de capital Editar

O método do fluxo de existências refere-se ao modo que as existências são adicionados e retirados dum inventário. O fluxo escolhido para fins de contabilidade pode não ser o mesmo que o fluxo físico dos bens. A selecção do método escolhido pela administração do fluxo de existências vai determinar o fluxo de custos. Existem várias escolhas para o fluxo de existências em prática hoje, quatro dos quais representam mais de 90% do uso actual. São eles:

  • FIFO (first in, first out)
  • LIFO (last in, first out)
  • Custo médio
  • Custo específico

Os métodos de fluxo de inventário acima indicados são principalmente preocupados com o fluxo de custo, em vez de o fluxo de bens físicos. A selecção de um método de fluxo irá depender de vários fatores, incluindo o tipo de organização, a economia projectada, as práticas da indústria, as implicações fiscais e outras regulamentações. É importante notar que, enquanto uma organização pode optar por um método de comunicação externa, pode escolher um método diferente para a comunicação interna. Depois de um método de fluxo ser adoptado, não é fácil mudar para outro método por causa das exigências fiscais e preocupações contabilistas para a consistência na comunicação.

Os registos de inventário são normalmente mantidos numa base perpétua ou periódica. Com registos perpétuos, todas as alterações de existência (adições, subtracções, ou eliminações) são registados para cada transacção, ou imediatamente após a sua ocorrência. A quantidade física e o valor das mercadorias em armazém estão disponíveis a qualquer tempo (tempo real) dos registos contabilísticos. Com registos periódicos, as existências são contadas ou medidas em intervalos de tempo fixo (normalmente no final de um período contabilístico) para determinar o status de existências, e são mantidos registos dos custos associados a cada entrada de mercadorias. A contagem final das existências compradas, vendidas ou em armazém não é mantida em cada transacção.

Todos os métodos de fluxo de inventário são simplesmente sistemas de transferir os custos da folha de balanço para a demonstração dos resultados como gastos. Os custos atribuídos não têm de coincidir com o fluxo físico dos bens. Os bens podem ser vendidos por eliminação física dos itens mais antigos em primeiro lugar, atribuindo o custo de acordo com a última unidade produzida. O fluxo de bens não tem de estar relacionado de alguma forma com o fluxo de custos (Tersine, 1994, p. 481).


FIFO Editar

O método de fluxo de inventário mais usado para fins de contabilidade interna é FIFO. Sob FIFO, presume-se que os materiais sejam entregues a partir da fonte mais antiga em armazém, e as unidades usadas são avaliados pelo custo mais antigo listado nas folhas do Livro Razão, com materiais à mão em todos os momentos, sendo as compras mais recentes. Sob FIFO, o custo de existências é calculado no pressuposto de que os bens vendidos ou consumidos são aqueles que estiverem em mão mais tempo e que aqueles que permanecem em estoque representam a última compra ou produção.

FIFO tende a coincidir com o movimento físico dos bens através de muitas organizações. É escrupulosamente seguidos para bens que sejam sujeitos à deterioração e obsolescência. O inventário final do FIFO aproxima-se do valor real actual, à medida que os custos atribuídos aos produtos em mão são os mais recentes. Embora esta técnica tende a produzir bens de inventári em despesas correntes durante períodos inflacionários, ela subestima o valor dos custos dos produtos vendidos na demonstração de resultados. Quando o preço de materiais e outras despesas estão sujeitas a alterações, FIFO não é susceptível a resultar em condenação de receitas correspondentes em uma base actual. Assim, as mudanças de custo pode criar distorções na declaração de rendimentos.

FIFO é bastante simples e compatível com as operações de muitas organizações. É adaptável a qualquer sistema perpétuo ou periódico. A utilização do FIFO simplifica o registo de itens, de tal forma que o fluxo físico real normalmente coincide com actividades de registos de itens.

Ao preparar um registo de inventário permanente, é essencial levar informação relativa a cada operação, separadamente, na coluna de balanço. Note como o registo de inventário permanente é mais complexo e demorado do que o registo de inventário periódico. No entanto, FIFO é Sério adaptável a qualquer método (Tersine, 1994, p. 482).

LIFO Editar

LIFO pressupõe que o custo mais recente das mercadorias deve ser cobrado no custo das mercadorias vendidas. Com o LIFO, o custo das unidades restantes no inventário representa os custos disponíveis mais antigos, enquanto as unidades emitidas são avaliadas pelo custo disponível mais recente. O propósito subjacente do LIFO é combinar as receitas correntes com as despesas correntes, portanto, o método cobra receitas correntes com quantidades próximas dos custos de substituição.

Tal como FIFO, LIFO pode ser usado com qualquer sistema de inventário permanente ou periódico.

A importânciaem corresponder os custos com a receita para a declaração de renda é geralmente reconhecido. Em períodos de rápida alteração de preço (inflação), uma parte do aumento de receitas durante o ciclo de subida é atribuída ao aumento dos preços. Durante um período inflacionário, a mercadoria em mão no início do período geralmente será vendido a um preço superior ao contemplado no momento da compra. Este aumento das receitas será refletido no resultado do período, no entanto, se o inventário é mantido a um nível de quantidade igual, a receita adicional recebida terá sido gasta de forma substancial na compra de unidades de reposição existências. Assim, o aumento de receitas, frequentemente denominado de "lucros de inventário", é ilusória. LIFO protege contra os "lucros de inventário", porque a sua utilização (em relação ao uso de outros métodos de avaliação) diminui o rendimento durante os períodos de subida dos preços, atribuindo um maior custo com as mercadorias vendidas. LIFO oferece menos benefícios para organizações com alta rotação de existências, uma vez que seus custos já estão estreitamente alinhados com as receitas.

LIFO muitas vezes é preferível durante períodos de subida dos preços devido ao seu efeito favorável sobre imposto de renda e dinheiro em mão. Ele não ignora a necessidade de uma organização para repor existências a preços mais elevados e não criar o crescente efeito sobre o rendimento aparente causado por produtos com custos muito inferiores aos custos de reposição real. Apesar de seu desejo em relação à demonstração dos resultados, alguns criticam LIFO devido à sua valorização irreal de existências para fins de balanço. Percebe-se que a avaliação de existências a um custo disponíveis mais antigo distorce a relação atual e os outros relacionamentos atuais ativos de avaliação da situação financeira a curto prazo. Além disso, exceto para os itens a granel (areia, carvão, etc.) LIFO não coincide usualmente com o fluxo físico de mercadorias (Tersine, 1994, p. 484).



Custo Médio Editar

Custo Específico Editar

Custo de Aquisição ou de Mercado Editar

Avaliação de existências é normalmente baseada no custo original de um produto. No entanto, há circunstâncias em que esse princípio não é aplicado. A saída mais comum a partir da base de custos ocorre quando o valor de um produto cai abaixo de seu custo original. Quando isso acontece, a diferença deve ser reconhecida como uma perda no período corrente, e as existências restantes devem ser incorporadas nos registos contábilisticos como valor de "mercado" atual. Isto é denominado como a regra LCM (diminuição de custo ou mercado ( em inglês, Lower of Cost or Market)). O termo "mercado" normalmente define-se como o custo de substituição de um produto, seja por aquisição ou produção. Simplificada, a regra significa que as existências devem ser avaliadas pelo seu custo ou pelo custo de substituir, o que for menor. Existências em armazém podem ser avaliados a custos inferiores por várias razões, incluindo a deterioração física, alterações nos níveis de preço, e obsolescência (Tersine, 1994, p. 491).

Registos de Existências Editar

Método de Contagem Periódica Editar

Método de Contagem Cíclica Editar

Segurança de Existências Editar

Os requisitos de segurança variam amplamente entre as organizações e dependem da natureza do material, o seu valor, tamanho, peso, aplicação, utilidade e capacidade de re-venda. Geralmente, quanto mais valioso o produto em questão, maior a necessidade de segurança. Entretanto, alguns produtos caros exigem relativamente pouca protecção devido ao seu tamanho, peso e utilidade limitada (grandes peças, moldes especiais).

Os materiais podem ser salvaguardados através do estabelecimento e aplicação de normas de armazenagem. Auditorias periódicas, de operações de armazenagem pode revelar problemas de segurança existentes ou potenciais. As seguintes medidas devem ser aplicadas às operações de armazenagem:

  • Limitar o acesso a áreas de armazenamento a pessoal autorizado;
  • Contar, pesar ou medir todo o material no momento da recepção;
  • Exigir ordens devidamente autorizadas e requisições para todas as transações;
  • Armazene artigos valiosos em armazéns trancados ou em cofres, se necessário;
  • Manter armazéns fechados e trancados, excepto durante as horas de trabalho;
  • Periodicamente realizar inspecções surpresa às existências em mão, em função dos registos de existências;
  • Investigar o consumo invulgar para uso indevido;
  • Periodicamente, verifique a autenticidade das assinaturas e autorizações;
  • Fornecer ligações de segurança para o pessoal de armazém para se proteger contra as perdas por negligência ou roubo.

O esforço, tempo e dinheiro gasto com a segurança de existências devem ser repartidos entre os produtos, proporcionalmente à sua importância relativa. Em nenhum momento o custo da segurança deve exceder os benefícios que se obtêm a partir dele (Tersine, 1994, p. 498).