Utilizador:JSequeira/materialhandling

DefiniçãoEditar

A movimentação de materiais é a combinação de métodos capazes de movimentar o material, matéria-prima e/ou produto final, para o lugar certo, com a quantidade especifica e em tempo correcto, numa sequência definida pelo layout da fabrica, e tem como objectivo minimizar os custos de produção.

A movimentação de materiais e produtos significa transportar pequenas, ou grande, quantidades de bens por distâncias relativamente pequenas, nomeadamente dentro do local de produção, como fábricas, lojas, armazéns, entre outros. Assim, pode ser definida como todo o processo de movimento de materiais num ambiente de manufactura/assembelagem. Há quem defina este processo de transporte do material como "a arte e ciência da movimentação, embalagem e armazenamento de material em qualquer forma". (Meyers, 2000, p. 223)

A movimentação do material pode ser pensada como tendo cinco dimensões distintas:

  • Movimento
  • Quantidade
  • Tempo
  • Espaço
  • Controlo

O movimento envolve o transporte/transferência actual do material de um posto de produção para o seguinte. Assim, interessa mover a mercadoria o mais rápido possível com segurança e integridade dos produtos, pois a movimentação rápida pode ser um aspecto importante na redução de custos. A ineficiência dos equipamentos na movimentação de materiais pode acarretar altos custos para a empresa.

O conceito de tempo e espaço devem ser incorporados na definição de movimentação de materiais. Uma ferramenta é insignificante na assembelagem ou numa operação de fabrico de um produto, se não for correctamente utilizada, de acordo com o seu propósito. Ou seja, a movimentação de materiais não se baseia somente na deslocação, embalagem e armazenamento de produtos, mas também no desempenho de equipamentos com funções especificas, dentro de determinados limites de tempo e espaço. (Kulwiec, 1985, p. 4)

O HomemEditar

Além do material e das máquinas, o homem também é um elemento fundamento no processo de movimentação de material, quer seja numa operação simples, como a movimentação de materiais leves e de dimensão reduzida, quer seja uma operação complexa que envolva um sistema automatizado e cargas de maiores dimensões. No entanto, a criação de novos equipamentos e o melhoramento dos métodos de transporte do material de uma forma mais fácil, segura e cíclica, permitiu a diminuição do esforço físico por parte do trabalhador, afectando-o positivamente a nível ergonómico.

Redução de custosEditar

Todos os gastos gerais de fabrico de uma empresa têm de ser justificados. Diz-se que 40 a 80 porcento dos gastos de produção deve-se à falta de rigor, análise criteriosa e técnica, dos equipamentos e métodos a serem utilizados a fim de obter uma boa movimentação do material ao longo da sua linha de montagem.

Um dos primeiros pontos fundamentais a ter atenção é analisar o fluxo da movimentação de materiais, layout, embalagem, equipamentos de movimentação e armazenagem. Quando os equipamentos utilizados não sao os mais apropriados para transportar o material, tornam-se ineficientes na assembelagem em determinadas situações e são responsáveis pelo aumento de custos, tempo de produção e perdas durante a movimentação de materiais. Melhorando os aspectos mencionados, obtêm-se benefícios quando existe uma maior eficiência do sistema na movimentação do material.

Redução de custos de:

  • Mão de obra directa e indirecta.
  • Controlo na produção.
  • Inventários.
  • Perdas e defeitos no produto.
  • Embalagem.

Aumento da produtividade:

  • Nas operações de carga e descarga dos veículos.
  • Melhor aproveitamento dos espaços nos armazéns.
  • Layout eficiente (redução nas distâncias percorridas e fluxo contínuo dos materiais)
  • Selecção correcta dos equipamentos para cada situação de movimentação e armazenagem de materiais.

Segurança e Ergonomia:

  • Utilização de equipamentos que permitam com que o homem execute o seu trabalho em segurança, reduzindo o risco de acidente/lesão.
  • Utilização de equipamentos de movimentação de materiais que estejam adaptados ao homem, e não o contrário.

ReferênciasEditar

  • KULWIEC, Raymond A. - Materials Handling Handbook. 2ª ed. Nova Iorque: John Wiley & Sons, 1985. ISBN 978-0-471-09782-2
  • MEYERS, Fred E.; STEPHENS, Matthew L. - Manufacturing Facilities Design and Material Handling. 2ª ed. New Jersey: Prentice-Hall, Inc, 2000. ISBN 0-13-674821-X