Charuto/Degustação

Umidor
Cortador do tipo guilhotina
Palito de fósforo aceso
Isqueiro da famosa marca Zippo
Mantendo a cinza no charuto
Charuto apoiado em cinzeiro

Guardando o CharutoEditar

O charuto deve ser armazenado em um ambiente com aproximadamente setenta por cento de umidade e 21 graus centígrados. Isto evitará que a capa, a porção mais externa do charuto, fique seca a ponto de partir-se e evitará também que o charuto fique mofado. A embalagem ideal para manter estas condições é a caixa de madeira chamada umidor. Na ausência deste, o charuto pode ser guardado num armário onde haja circulação de ar e proteção contra os raios solares. Um recipiente com água pode ser mantido no local, para preservar a umidade. Não se aconselha guardar charutos em geladeira.[1]

Cortando o CharutoEditar

Para facilitar a passagem da fumaça, é necessário cortar ou furar a extremidade do charuto que será posta na boca. Alguns charutos são vendidos com essa extremidade fechada, como uma forma de proteção e preservação da qualidade do charuto, para que ela seja cortada ou furada somente na hora em que o charuto for aceso. Outros charutos já vêm com as duas extremidades cortadas, o que dispensa essa tarefa.

Para cortar, podem ser utilizados cortadores do tipo guilhotina, tesouras ou mesmo os dentes, caso não haja nenhum outro instrumento à mão. Para furar, podem ser utilizados perfuradores próprios para charutos ou então palitos de dente.

Acendendo o CharutoEditar

Para acender o charuto, podem ser utilizados fósforos comuns ou longos, isqueiros comuns ou do tipo maçarico, ou folhas de cedro. Os connaisseurs, no entanto, recomendam os fósforos longos, que não influenciariam o sabor do charuto. Os isqueiros apresentam a vantagem de permanecerem acesos mesmo em presença de vento.

Recomenda-se acender o charuto na ponta de um modo uniforme, girando-o 360 graus.

FumandoEditar

Recomenda-se manter um comprimento razoável de cinza no charuto, o que funciona como um isolante térmico que mantém constante a temperatura, desta forma não alterando o gosto do charuto. Considera-se que, quanto maior o pedaço de cinza que consegue permanecer no charuto sem cair, melhor é a qualidade do charuto.

Recomenda-se aspirar o charuto em intervalos longos de no mínimo um minuto, para não aquecê-lo demais e alterar o seu sabor. Para remover o excesso de cinza, basta encostá-lo na borda do cinzeiro.

Ao contrário do cigarro, não se traga o charuto, ou seja, não se retém a fumaça nos pulmões, por o charuto ser bem mais potente que o cigarro.

Duas características são importantes na definição de um bom charuto: o grande volume de fumaça produzida (quanto mais, melhor) e o sabor agradável da mesma (neste caso, a definição do que é agradável ou não é algo subjetivo).

ApagandoEditar

Segundo os especialistas, o charuto não deve ser apagado amassando-se sua ponta no cinzeiro. Quando a fumaça começar a incomodar devido à proximidade com o rosto, o charuto deve ser apoiado no cinzeiro e deve se apagar sozinho. Em termos poéticos, é a chamada "morte com honra"[2].

Referências

  1. http://www.guantanamera.org.br/charutos.htm
  2. REVISTA ADEGA. Os Dez Mandamentos do Charuto. Ano três, Número 22. São Paulo: Inner, 2007.p.73