Editado por outro utilizador.
Última edição: 08h15min de 17 de agosto de 2016

Entendo! Fique a vontade para pôr a mão na massa, e se precisar de ajuda basta chamar.

Raylton P. Sousa qualquer coisa estou aqui! =D17h26min de 27 de abril de 2013
Editado por outro utilizador.
Última edição: 08h21min de 17 de agosto de 2016

Hum, não sei se era a exatamente isto que o Gui se referia mas algum retorno acadêmico é necessário para atrair os professores e uma das formas de eles terem este retorno é poderem dizer "ei, eu revisei X páginas do livro Y". A forma anônima (e correta!) de funcionamento do projeto dificulta isso mas na minha opinião a falta de interesse de professores parte disso.

OTAVIO1981 (Discussão)11h01min de 11 de junho de 2013
Editado por outro utilizador.
Última edição: 08h22min de 17 de agosto de 2016

É isso aí.

Basicamente falei sobre 2 coisas:

  1. Maior formalização das revisões feitas por "professores" (só para atraí-los).
  2. Trabalhar com remuneração financeira de formas alternativas (ex.: kickstarter).

Você falou sobre o item número 1.

Fique à vontade para falar sobre o assunto, propor algo melhor etc.

Gui (Discussão)23h13min de 11 de junho de 2013
Editado por outro utilizador.
Última edição: 08h22min de 17 de agosto de 2016

1. Entendo perfeitamente o que o quer dizer. Os professores tem medo de serem "colocados no mesmo saco". Mas me atrevo a ser progressista e concordar com um certos autores (impulsionados por um certo alguém) quando dizem que os monopolistas da distribuição cultural (academia, Hollywood, gravadoras, livrarias, emissoras de TV) vão sentir uma grande reviravolta com a introdução da internet. E a aversão de alguns professores à cultura livre e colaborativa, ou o sentimento de que merecem gozar de algum privilégio pré-adquirido (revindicado antes de provar seu mérito em edições de boa fé, como os demais usuários) não parece justificado para mim.

Sim, deve existir um grupo de usuários que se provem confiáveis e que tenham algumas ferramentas a mais de revisão, e com a existência do tal grupo, deve ser infinitamente fácil para professores fazerem parte dele. No entanto, um grupo específico para professores atribuindo-lhes mérito por suas contribuições fora da wiki é muito elitista para mim. E pode transformar a wiki numa nova enciclopédia britânica.

Detalhe:Eu também pensava que professores deveriam ter ferramentas especiais há um tempo atrás, mas mudei de ideia. E agora acho que todos os confiáveis devem ter.

Minha lógica é:

  • Todo usuário que se prove confiável merece ferramentas para auxiliar na revisão e melhoramento.
  • Se todo professor se prova confiável.
  • Então todo professor merece tais ferramentas.


2. Guilherme, Eu pensei que falava de contratar professores como funcionários. Mas como se refere (ex.: kickstarter) a financiar projetos. Então devo dizer que já existe uma iniciativa de financiamento de projetos faz bastante tempo. Para conseguir financiamento, basta fazer uma proposta legal e conseguir certo suporte da comunidade. Daí a fundação (através de um comitê de voluntários) libera fundos para projetos interessantes. Pelo que tenho visto é relativamente difícil conseguir um financiamento grande a ponto de cobrir as despesas de mais de um professor. Mas já o financiamento para material de divulgação ou palestras etc, é um pouco mais fácil

No entanto ainda acredito fortemente que a melhor opção é procurar professores voluntários como é feito no Education program

Raylton P. Sousa qualquer coisa estou aqui! =D00h35min de 12 de junho de 2013
Editado por outro utilizador.
Última edição: 08h22min de 17 de agosto de 2016

Sua justificativa é boa.

Sobre uma possível enciclopédia britânica, realmente, não desejaria que isso acontecesse com a Wiki*. Com toda certeza também, digo que em toda carência devemos procurar por voluntários (ex.: como você citou como é feito no Education program).

A minha ideia principal era através destas medidas provisórias manter os professores colaborando para ver que projetos abertos são muito bons para eles e para toda comunidade (ex.: pelo feedback, correção, acréscimo de conteúdo com mais frequência do que nas mídias tradicionais, etc.).

Mas vamos ver aí, o que os professores sugerem? (pode parecer, mais eu não sou professor! risadas)

O que vocês sugerem?

Quais são as ideias mais novas que vocês têm em mente para atrair professores?

Gui (Discussão)01h32min de 12 de junho de 2013
Editado por 2 outros utilizadores.
Última edição: 08h23min de 17 de agosto de 2016

Se me permitem vou botar um pouco de lenha na fogueira.

Toda a plataforma só pode receber texto em domínio publico ou cc. Isso é um entrave muito grande quando pensamos no livros voltados para ensino de literatura e artes, já que vários autores e pintores importantes do ultimo século simplesmente não podem ser citados. Isso torna-se ainda pior se pensamos que o principal livro é o de português, ou seja, nosso o principal atrativo não serve para esse público(claro há trechos, mas você tem meio livro só).

Outro problema é a nossa política sobre exercícios, o material é tão disperso que é difícil entender e o pior é criar algo do zero. A grande maioria dos autores reformula questões de outros livros(isso é facilmente percebido se você tiver alguns livros de exatas existem dezenas de questões repetidas, inclusive com mesmos números).

Apesar disso o pior é que com exceção de português o trabalho para começar a usar o wikibooks seria enorme com uma série de dificuldades tendo de escrever um livro praticamente sozinho.

Acredito que qualquer ideia deva ser voltada para públicos específicos como geografia, história e geografia(talvez gramática) que vejo menos entraves quanto para área de exatas e voltadas as artes.

PS.Pela internet é fácil achar fóruns de discussão de matemática, inglês... Acho que qualquer programa poderia ser voltado(num primeiro momento) para esses professores e alunos, uma vez que se já estão na rede o processo é mais fácil...

Analfabeta17h08min de 30 de junho de 2013
Editado por outro utilizador.
Última edição: 08h23min de 17 de agosto de 2016

Segundo a professora Juliana (que participou do education program mencionado pelo Raylton) é impossível escrever um livro de história coletivamente pois, segundo ela, por definição estes representam o ponto de vista dos respectivos autores e só. E concordo que um dos problemas do wikibooks é o trabalho enorme para criar um livro. Já mencionaram que o ideal seria um novo voluntário começar melhorando algo que já existe ao invés de tentar criar algo do zero. Mas aí entra outro aspecto que deve ser levado em conta: o assunto deve nos motivar o que limita demasiadamente as opções. Enfim, se pudéssemos encontrar um interesse comum para melhorar um só livro ficava mais fácil discutir e pensar em soluções para os problemas já identificados e, quem sabe, propor algo para o coordenador do education program.

OTAVIO1981 (Discussão)12h04min de 2 de julho de 2013
Editado por outro utilizador.
Última edição: 08h23min de 17 de agosto de 2016

O Brasil tem, segundo este link, por volta de 2 milhões de docentes voltados a educação básica.

Se entre esses, 1%, só 1%! fossem boas almas, e colaborassem no livro de Português, de Matemática, Geografia, Física, Biologia, Química, etc., todos estes 1% + 99% teriam parte de seu salário "estatal" aumentado em alguns %. E mais, esses livros ficariam prontos (maduros não prontos!) em pouquíssimo tempo!.

O custo gerado pela compra de materiais didáticos é grande, e não só existe esse problema, grande parte destes materiais, que são distribuídos por todo Brasil, são muito desatualizados e cheios de erros (pesquise na internet).

Infelizmente os atuais professores ainda não tem "consciência" do atual "PODER" da tecnologia...

Olha, não sei sobre vocês, mas acho que parte do "roiautês" do petróleo deveriam ir para projetos como "esse", criar materiais didáticos livres...

Mas será que algum dia algum presidente(a) também vai nos escutar?

Hehe! Eita Brasilzão da manifestação! É muita emoção!

Guiwp (Discussão)01h06min de 4 de julho de 2013
 
Editado por outro utilizador.
Última edição: 08h24min de 17 de agosto de 2016

Comecei a escrever e ficou um pouco grande...

Pensando dessa forma o ideal então seria o foco em produção de exercícios para deixar os livros de exatas. Com um pouco mais de conteúdo poderíamos atrair professores.

Se refletirmos um pouco fica clara essa posição da professora um livro de história feito por dois professores de orientação ideológicas diferentes seria disputas e discussão pelo posicionamento até(talvez) chegar próximo a imparcialidade.

Para mim o entendimento dessa imparcialidade é complexo e um professor dificilmente vai querer ter seu nome ligado a um posicionamento que não possui. Isso inevitavelmente acontecerá, pois em um livro chegaremos a áreas em que não há consenso. Por exemplo, tem livros de filosofia que gostam de trabalhar o período histórico outros preferem falar sobre pensador a pensador. Bem, ambas as abordagens são válidas e chegariam a resultados similares, entretanto se refletiria em um ponto de discussão.

Diferentemente de um artigo de uma enciclopédia um livro é muito mais complexos e coloca diversos empecilhos para sua criação.

Analfabeta16h13min de 11 de julho de 2013
Editado por outro utilizador.
Última edição: 08h24min de 17 de agosto de 2016

Tenho aqui em mãos um dicionário do Aurélio, são aproximadamente 20 pessoas trabalhando, diretamente, em um mesmo dicionário. E como sabemos, dicionários são muito "criteriosos", e os critérios com certeza, podem variar de contribuidor para contribuidor. Uns querem selecionar palavras baseada em um critério A, outros B, C, e assim por diante. Eles devem ter discutido muita coisa... mas o dicionário foi impresso! Ou seja, ficou pronto! Não é muito diferente da nossa comunidade.

Em todo lugar que houver um grupo, terá que haver bom senso e um pouco mais de esforço na união (por mais que não concordemos com tudo).

Um exemplo recente e pessoal que tive, foi com o livro de português, achei que ele aprofundava muito em determinados assuntos, mas mesmo assim resolvi continuar a contribuir no livro. Pois eu sei que se esse trabalho ficar bom, mesmo sendo fora do meu escopo, sei que posso usar grande parte dele para fazer meu próprio livro.

Por mais que nas outras áreas possa ser um pouco diferente, também podemos aplicar a mesma observação, inclusive história, pois como Boris Fausto disse, cada historiador apresenta quase que uma perspectiva "pessoal" sobre acontecimentos históricos, mas todos eles os apresentam acompanhados de fatos. Isso pode ser reaproveitado e trabalhando em grupo.

Guiwp (Discussão)20h02min de 11 de julho de 2013
Editado por outro utilizador.
Última edição: 08h24min de 17 de agosto de 2016

Gostaria de pedir desculpas pois quando citei a opinião da referida professora foi para tentar exemplificar que não existe disciplina com "menos entraves" para trabalhar coletivamente. Em qualquer uma encontraremos as dificuldades que já estamos nos acostumando.

Acredito que se o professor tiver o pensamento aberto às novas idéias e tiver a motivação voluntária para trabalhar coletivamente, conseguirá discutir e produzir sobre qualquer assunto em uma comunidade aberta como a nossa. O problema é encontrar estes professores, rsrsrs. Em outras palavras, o problema não seria a disciplina e sim o perfil do voluntário.

OTAVIO1981 (Discussão)20h23min de 16 de julho de 2013
Editado por outro utilizador.
Última edição: 08h24min de 17 de agosto de 2016

"Desculpas"? Que nada Otavio, só tenho a agradecer a sua e a participação da "analfabeta" (que não me parece nem um pouco analfabeta Smile.svg ). Eu é que nos comentários dei mais "ênfase" a união e ao voluntariado. Principalmente quando falamos desse: Tópico:Wikilivros:Diálogos comunitários/Apoio de professores/resposta (22). (rs vocês devem ter achado que eu era um bot! Smile.svg)

Citação: Otavio escreveu: «Enfim, se pudéssemos encontrar um interesse comum...»

Isso daí já diz tudo, como você mesmo disse: interesse comum.

Guiwp (Discussão)21h33min de 16 de julho de 2013